OTHER TYPES OF WORKS

  • 09-1993-capa-economic-reforms-in-new-democracies
  • 12-1982-capa-a-sociedade-estatal-e-a-tecnoburocracia
  • 08-1984-capa-desenvolvimento-e-crise-no-brasil-1930-1983
  • 03-2018-capa-em-busca-de-desenvolvimento-perdido
  • 11-1992-capa-a-crise-do-estado
  • 17-2004-capa-em-busca-do-novo
  • 13-1988-capa-lucro-acumulacao-e-crise-2a-edicao
  • 06-2009-capa-construindo-o-estado-republicano
  • 16-2015-capa-a-teoria-economica-na-obra-de-bresser-pereira-3
  • 05-2009-capa-globalizacao-e-competicao
  • 04-2016-capa-macroeconomia-desenvolvimentista
  • 05-2009-capa-mondialisation-et-competition
  • 01-2021
  • 02-2021-capa-a-construcao-politica-e-economica-do-brasil
  • 05-2010-capa-globalization-and-competition
  • 2006-capa-as-revolucoes-utopicas-dos-anos-60
  • 05-2010-capa-globalixacion-y-competencia
  • 15-1968-capa-desenvolvimento-e-crise-no-brasil-1930-1967
  • 07-2004-capa-democracy-and-public-management-reform
  • 10-1998-capa-reforma-do-estado-para-a-cidadania
  • 10-1999-capa-reforma-del-estado-para-la-ciudadania
  • 2014-capa-developmental-macroeconomics-new-developmentalism
  • 09-1993-capa-reformas-economicas-em-democracias-novas

Matriz macroeconômica

Luiz Carlos Bresser-Pereira

Página do Facebook, 24.12.2015

.


Diante do fracasso econômico dos oito anos de governo Fernando Henrique, a esquerda criticou o "tripé macroeconômico" que produziu crise financeira e baixo crescimento. Agora, diante de igual fracasso dos governos Lula e Dilma em retomar o crescimento os representantes da direita liberal, que até 2012 estavam calados, entraram em euforia e, além de atacar os gastos sociais, criticaram a "nova matriz macroeconômica". Qual a diferença entre o tripé e a matriz?

Primeiro, o tripé: o superávit primário é a responsabilidade fiscal, o que é bom; mas o câmbio flutuante é irresponsabilidade ou o populismo cambial (aceitar gostosamente déficits em conta corrente) e a meta de inflação são juros elevados para atender os rentistas.

Segundo, a nova matriz: significa ter uma taxa de lucro satisfatória, uma taxa de juros civilizada, e uma taxa de câmbio competitivo, que, se forem combinadas com ajuste fiscal, é a receita de todos os países que se desenvolveram com estabilidade. Por que a nova matriz não deu certo? Foi menos por irresponsabilidade fiscal e mais porque a depreciação de 2012 não foi suficiente para tornar as empresas competitivas e, assim, garantir-lhes taxas de lucro satisfatórias. Em outras palavras, enquanto o tripé neoliberal é inerentemente incapaz de tornar os preços macroeconômicos certos porque quer deixá-los por conta do mercado, a nova matriz novo-desenvolvimentista pode teoricamente ser bem sucedida, mas para isso é necessário um conhecimento e um poder que o governo atual não teve.

A esperança, agora, está em meu amigo, Nelson Barbosa. É um desenvolvimentista competente e experiente. Saiu do governo há três anos porque não concordava. Seus poderes são limitados, e as dificuldades são muito grandes. Mas é importante que a sociedade brasileira dê o apoio que necessita para recolocar as contas públicas sob controle, e, em seguida, garantir que a taxa de câmbio flutue em torno do equilíbrio competitivo de R$ 3,80 por dólar.