OTHER TYPES OF WORKS

  • 05-2009-capa-globalizacao-e-competicao
  • 15-1968-capa-desenvolvimento-e-crise-no-brasil-1930-1967
  • 05-2010-capa-globalixacion-y-competencia
  • 09-1993-capa-reformas-economicas-em-democracias-novas
  • 05-2010-capa-globalization-and-competition
  • 06-2009-capa-construindo-o-estado-republicano
  • 09-1993-capa-economic-reforms-in-new-democracies
  • 13-1988-capa-lucro-acumulacao-e-crise-2a-edicao
  • 01-2021
  • 02-2021-capa-a-construcao-politica-e-economica-do-brasil
  • 17-2004-capa-em-busca-do-novo
  • 05-2009-capa-mondialisation-et-competition
  • 11-1992-capa-a-crise-do-estado
  • 07-2004-capa-democracy-and-public-management-reform
  • 03-2018-capa-em-busca-de-desenvolvimento-perdido
  • 08-1984-capa-desenvolvimento-e-crise-no-brasil-1930-1983
  • 16-2015-capa-a-teoria-economica-na-obra-de-bresser-pereira-3
  • 04-2016-capa-macroeconomia-desenvolvimentista
  • 2006-capa-as-revolucoes-utopicas-dos-anos-60
  • 12-1982-capa-a-sociedade-estatal-e-a-tecnoburocracia
  • 10-1999-capa-reforma-del-estado-para-la-ciudadania
  • 2014-capa-developmental-macroeconomics-new-developmentalism
  • 10-1998-capa-reforma-do-estado-para-a-cidadania

Argentina: integração subordinada

Luiz Carlos Bresser-Pereira

Postado no Facebook, 10.12.2015

.


O presidente liberal Mauricio Macri assumiu hoje a Presidência da República argentina, substituindo uma presidente desenvolvimentista, Cristina Kirchner. Seu primeiro objetivo é "integrar-se ao sistema internacional", do qual a Argentina se desvinculou no plano financeiro ao ter negociado com sucesso a reestruturação de sua dívida externa.



Mas o que significa essa integração? Será uma integração soberana, ou será uma integração subordinada, como é a regra definida pelo Oeste imperial? “Não se trata disso, nos dirá o economista liberal e cosmopolita, queremos apenas recuperar o crédito internacional da Argentina, que, assim, poderá se endividar em moeda estrangeira para crescer”. Ora, essa forma de integrar-se – endividando-se em moeda estrangeira e para com as empresas multinacionais – é que é a forma subordinada. A Argentina, hoje, não tem dívida externa, e, como existe uma relação direta entre o déficit em conta-corrente, e como este é praticamente zero porque a Argentina não tem crédito internacional, a taxa de câmbio não está fortemente apreciada e a economia argentina continua relativamente equilibrada – em uma situação bem melhor do que a situação da economia brasileira. Se o governo dos Kirchner não tivesse usado o câmbio para segurar a inflação, a taxa de câmbio estaria plenamente competitiva, e o país estaria crescendo muito mais.



Agora, a partir do momento em que o governo promova a liberalização geral e retire a retenção sobre as commodities exportadas, a Argentina recuperará seu crédito internacional ao mesmo tempo que haverá uma desvalorização do peso. Parece bom, mas não é. Essa depreciação durará pouco tempo. Com a abertura da economia e a recuperação do crédito, entrarão capitais, e o peso voltará a se apreciar, mas agora sem o limite imposto pela impossibilidade de o país obter crédito no exterior. Em pouco tempo o déficit em conta-corrente se tornará grande, e teremos lá o que temos aqui no Brasil: uma integração subordinada, baseada no endividamento externo e na busca de crédito.



Agora, um Oeste feliz estará transferindo seus capitais para a Argentina, e o peso se apreciará em termos reais bem mais do que já está apreciado hoje. Em consequência, as empresas industriais e as de serviços sofisticados deixarão de ser competitivas, o processo de sofisticação produtiva, que, primeiro, o presidente Eduardo Duahalde (2002-03), e depois, os dois Kirchner (2003-2015) tentaram reconstruir na Argentina terminará, e o país ficará semelhante ao Brasil: integrado subordinadamente ao Oeste e, por isso e pelo populismo interno, sem perspectivas de crescer e fazer o catching up ou alcançamento dos níveis de renda dos países centrais.