OTHER TYPES OF WORKS

  • 08-1984-capa-desenvolvimento-e-crise-no-brasil-1930-1983
  • 06-2009-capa-construindo-o-estado-republicano
  • 01-2021
  • 05-2010-capa-globalixacion-y-competencia
  • 04-2016-capa-macroeconomia-desenvolvimentista
  • 13-1988-capa-lucro-acumulacao-e-crise-2a-edicao
  • 11-1992-capa-a-crise-do-estado
  • 17-2004-capa-em-busca-do-novo
  • 15-1968-capa-desenvolvimento-e-crise-no-brasil-1930-1967
  • 2014-capa-developmental-macroeconomics-new-developmentalism
  • 03-2018-capa-em-busca-de-desenvolvimento-perdido
  • 12-1982-capa-a-sociedade-estatal-e-a-tecnoburocracia
  • 05-2009-capa-globalizacao-e-competicao
  • 10-1999-capa-reforma-del-estado-para-la-ciudadania
  • 2006-capa-as-revolucoes-utopicas-dos-anos-60
  • 02-2021-capa-a-construcao-politica-e-economica-do-brasil
  • 09-1993-capa-economic-reforms-in-new-democracies
  • 10-1998-capa-reforma-do-estado-para-a-cidadania
  • 05-2010-capa-globalization-and-competition
  • 09-1993-capa-reformas-economicas-em-democracias-novas
  • 05-2009-capa-mondialisation-et-competition
  • 07-2004-capa-democracy-and-public-management-reform
  • 16-2015-capa-a-teoria-economica-na-obra-de-bresser-pereira-3

BC, resista; não suba os juros

Luiz Carlos Bresser-Pereira, José Luis Oreiro e Nelson Marconi

Nota no Facebook e no Twitter, 8.3.2021

.


A manchete do Valor é hoje é mais uma prova de bom jornalismo, mas é patética: “Mercado quer alta maior e imediata da taxa de juros”. É isso aí. O sistema financeiro-rentista está pedindo ao Banco Central que suba já a Selic.



Diz isto porque o controle da inflação estaria ameaçado pelo aumento dos preços das commodities e no atacado. Estaríamos diante de excesso de demanda e aumento da inflação que só pode ser interrompido pelo aumento da taxa básica de juros.



Diz isto porque rentistas e financistas estão inconformados com os juros muito baixos, negativos em termos reais. E para “provar” que estão certos, aumentam para 8 por cento a taxa dos juros futuros.



A economia brasileira viveu sob a égide de juros abusivamente altos desde a abertura financeira de 1992 até o último semestre de 2019. A justificativa era a inflação, embora ela tenha sido controlada em 1994.



Havia também o argumento do risco Brasil, mas já em 2001, em conjunto com Yoshiaki Nakano, eu iniciei uma batalha contra os juros altos e o câmbio apreciado mostrando que a taxa de juros básica era inferior ao risco Brasil.



Entre 1999 e 2012 a conta fiscal produziu superavits primários, a inflação foi controlada em 1994 e não voltou mais, mas os juros permaneciam estratosféricos; representavam um assalto ao patrimônio público.



A partir, porém, de 2014 o Brasil entrou em profunda crise econômica, a inflação caiu abaixo da meta, e os novos dirigentes do Banco Central, a partir de 2019, começaram a baixar os juros enquanto a moeda nacional se depreciava.

Apesar disto a crise econômica não foi superada, porque a desconfiança em relação ao governo é universal, reduz os investimentos e causa saída de dólares da economia.



O “mercado”, ou seja, os interesses financeiro-rentistas, não se conforma, Quer os seus juros de volta. A diretoria do Banco Central terá coragem de enfrentar a pressão? Até agora, teve. Vamos esperar que continue firme.