OTHER TYPES OF WORKS

  • 02-2021-capa-a-construcao-politica-e-economica-do-brasil
  • 2006-capa-as-revolucoes-utopicas-dos-anos-60
  • 15-1968-capa-desenvolvimento-e-crise-no-brasil-1930-1967
  • 12-1982-capa-a-sociedade-estatal-e-a-tecnoburocracia
  • 08-1984-capa-desenvolvimento-e-crise-no-brasil-1930-1983
  • 11-1992-capa-a-crise-do-estado
  • 2014-capa-developmental-macroeconomics-new-developmentalism
  • 04-2016-capa-macroeconomia-desenvolvimentista
  • 10-1999-capa-reforma-del-estado-para-la-ciudadania
  • 13-1988-capa-lucro-acumulacao-e-crise-2a-edicao
  • 16-2015-capa-a-teoria-economica-na-obra-de-bresser-pereira-3
  • 05-2010-capa-globalixacion-y-competencia
  • 07-2004-capa-democracy-and-public-management-reform
  • 17-2004-capa-em-busca-do-novo
  • 03-2018-capa-em-busca-de-desenvolvimento-perdido
  • 09-1993-capa-economic-reforms-in-new-democracies
  • 05-2009-capa-mondialisation-et-competition
  • 10-1998-capa-reforma-do-estado-para-a-cidadania
  • 05-2009-capa-globalizacao-e-competicao
  • 06-2009-capa-construindo-o-estado-republicano
  • 01-2021
  • 09-1993-capa-reformas-economicas-em-democracias-novas
  • 05-2010-capa-globalization-and-competition

Indignação e tristeza

Luiz Carlos Bresser-Pereira

Nota no Facebook, 28.6.2020

.
  Como um economista brasileiro, eu me sinto há muito tempo indignado e triste diante do fracasso econômico do Brasil, cujo crescimento anual por habitante entre 1980 e 2019 foi de apenas 0,7 por cento ao ano, e, diante da imobilidade do governo que foi incapaz de enfrentar e moderar a grande recessão que em três anos reduziu em 9 por cento essa renda por habitante do país.

Como cidadão e brasileiro, minha indignação e minha tristeza em 2020 se voltam também para o fracasso do país e do seu governo em enfrentar a pandemia do Covid-19.


Enquanto outros países foram capazes de controlar a difusão do vírus, os brasileiros estão sendo vítimas de um verdadeiro genocídio cuja responsabilidade cabe essencialmente a um presidente que, ao invés de liderar a luta contra o vírus, desconsiderou sua gravidade e dificultou o mais que pôde o sistema de isolamentos e afastamentos sociais que, combinados com uma política decidida de realização de testes, pode controlar a disseminação do Covid.

Um gráfico comparando os novos casos por milhão de habitantes na Itália, Reino Unido, Estados Unidos e Brasil (publicado por Fernando Reinach em sua coluna no O Estado de S. Paulo de 26.6.2020) é impressionante. Ele mostra que os primeiros três países conseguiram reverter a tendência ao aumento do número de casos, enquanto no Brasil não há qualquer sintoma de que estejamos próximos de fazer o mesmo. Já temos 57 mil mortos pelo vírus, e esse número só tende a aumentar. Embora seis países tenham população maior do que a do Brasil, não será surpresa se acabarmos tendo o maior número de mortos. Estamos assistindo a um frio genocídio. Já somos o segundo país do mundo em termos de novos casos (1.323 mil) e também o segundo país do mundo em número de mortos. (www.worldometers.info). Não se imagine, porém, que graças a esse desapreço pela vida, os resultados econômicos serão melhores. O PIB do Brasil deverá cair neste ano em 9 por cento. Estaremos, também nesse ponto, entre os primeiros do mundo...