OTHER TYPES OF WORKS

  • 06-2009-capa-construindo-o-estado-republicano
  • 05-2010-capa-globalixacion-y-competencia
  • 05-2009-capa-globalizacao-e-competicao
  • 02-2021-capa-a-construcao-politica-e-economica-do-brasil
  • 2006-capa-as-revolucoes-utopicas-dos-anos-60
  • 2014-capa-developmental-macroeconomics-new-developmentalism
  • 10-1999-capa-reforma-del-estado-para-la-ciudadania
  • 17-2004-capa-em-busca-do-novo
  • 03-2018-capa-em-busca-de-desenvolvimento-perdido
  • 10-1998-capa-reforma-do-estado-para-a-cidadania
  • 08-1984-capa-desenvolvimento-e-crise-no-brasil-1930-1983
  • 01-2021
  • 09-1993-capa-reformas-economicas-em-democracias-novas
  • 09-1993-capa-economic-reforms-in-new-democracies
  • 13-1988-capa-lucro-acumulacao-e-crise-2a-edicao
  • 04-2016-capa-macroeconomia-desenvolvimentista
  • 07-2004-capa-democracy-and-public-management-reform
  • 15-1968-capa-desenvolvimento-e-crise-no-brasil-1930-1967
  • 16-2015-capa-a-teoria-economica-na-obra-de-bresser-pereira-3
  • 12-1982-capa-a-sociedade-estatal-e-a-tecnoburocracia
  • 11-1992-capa-a-crise-do-estado
  • 05-2010-capa-globalization-and-competition
  • 05-2009-capa-mondialisation-et-competition

O que nos espera

Luiz Carlos Bresser-Pereira

Nota no Facebook

.


 Este artigo do Armínio Fraga na Folha, “Uma resposta à altura da crise” (https://bit.ly/3coFoe6), nos diz o que ortodoxia liberal promete para 2021 e para os anos seguintes. Para evitar algo nessa linha é preciso defender o financiamento monetário dos gastos. Eu venho gritando isto desde março. Não seria o caso de fazermos um documento breve mas bem argumentado nessa direção? 



As pessoas pensam que o financiamento monetário ou emissão de moeda, mesmo que não cause inflação neste caso, é inaceitável porque “permite ao Estado gastar o quanto quiser” - que desaparece a restrição fiscal. A restrição fiscal continua fundamental. Antes da restrição fiscal-inflação há a restrição taxa de câmbio-inflação, ou seja, o aumento das importações, do déficit em conta corrente e da dívida externa, e aumento da taxa de juros para financiar o déficit, aumento das entradas líquidas de capital e apreciação cambial. Como a da inflação, essa restrição fundamental não está presente no caso dos gastos com a Covid-19.