OTHER TYPES OF WORKS

  • 01-2021
  • 17-2004-capa-em-busca-do-novo
  • 02-2021-capa-a-construcao-politica-e-economica-do-brasil
  • 2006-capa-as-revolucoes-utopicas-dos-anos-60
  • 12-1982-capa-a-sociedade-estatal-e-a-tecnoburocracia
  • 11-1992-capa-a-crise-do-estado
  • 10-1999-capa-reforma-del-estado-para-la-ciudadania
  • 10-1998-capa-reforma-do-estado-para-a-cidadania
  • 05-2010-capa-globalixacion-y-competencia
  • 05-2010-capa-globalization-and-competition
  • 06-2009-capa-construindo-o-estado-republicano
  • 2014-capa-developmental-macroeconomics-new-developmentalism
  • 07-2004-capa-democracy-and-public-management-reform
  • 04-2016-capa-macroeconomia-desenvolvimentista
  • 03-2018-capa-em-busca-de-desenvolvimento-perdido
  • 15-1968-capa-desenvolvimento-e-crise-no-brasil-1930-1967
  • 05-2009-capa-mondialisation-et-competition
  • 08-1984-capa-desenvolvimento-e-crise-no-brasil-1930-1983
  • 09-1993-capa-economic-reforms-in-new-democracies
  • 16-2015-capa-a-teoria-economica-na-obra-de-bresser-pereira-3
  • 13-1988-capa-lucro-acumulacao-e-crise-2a-edicao
  • 05-2009-capa-globalizacao-e-competicao
  • 09-1993-capa-reformas-economicas-em-democracias-novas

Um grande jornal em tempos difíceis

Luiz Carlos Bresser-Pereira

Nota no Facebook, 22.10.2018

.


Um grande jornal em tempos difíceis

Luiz Carlos Bresser-Pereira

Nota no Facebook, 22 de outubro de 2018

É nos momentos de crise como aquele em que nós vivemos hoje que a Folha mostra o grande jornal que é. Conforme disse Rogério Cerqueira Leite na edição de hoje, o Brasil está ameaçado pela barbárie, e a Folha sabe disso. Seguiu sua norma de não tomar partido nas eleições, mas deixou seus jornalistas e colunistas livres para informar e fazer sua crítica. Embora critique o PT e os demais partidos políticos envolvidos na operação Lava Jato, rejeitou o ódio que ameaça a democracia brasileira, e vem dando uma cobertura exemplar às eleições.



O furo de Patrícia Campos Melo mostrando como a campanha de Bolsonaro estava usando fraudulentamente empresas para enviar, via WhatsApp, milhões de mensagens falsas contra o PT poderá levar à impugnação da candidatura ou do mandato (depende de quando a Justiça decidir) de Bolsonaro. O follow-up que o jornal está fazendo é grande jornalismo. Os artigos de Jânio de Freitas, Clóvis Rossi, Roberto Dias, Elio Gapari, Antonio Prata, Cristóvão Tezza, Tati Bernardes e dos intelectuais que publicam na página três e na Ilustríssima são um respiro em meio ao sufoco do pensamento único dos homens de bem.

Hoje pela manhã leio na Folha a entrevista do ministro Celso Mello – um verdadeiro liberal – que, diante da ameaça do filho do candidato de fechar o STF sem precisar nada mais que “um cabo e um soldado”. A Folha afirma no título “A fala de Eduardo Bolsonaro é golpista” e, no texto o entrevistado exclama: “Votações expressivas do eleitorado não legitimam investidas contra a ordem político-jurídica fundada no texto da Constituição!”



Até o próximo domingo talvez os eleitores brasileiros caiam em si e desistam de eleger Jair Bolsonaro. Mas, mesmo que isto não aconteça, nada impedirá o Judiciário de cassar seu mandato em função da comprovação da fraude representada pelas fake news e pelo uso de empresas para distribuí-las em massa. As duas coisas ferem a letra da lei e da Constituição.