OTHER TYPES OF WORKS

  • 07-2004-capa-democracy-and-public-management-reform
  • 08-1984-capa-desenvolvimento-e-crise-no-brasil-1930-1983
  • 2014-capa-developmental-macroeconomics-new-developmentalism
  • 09-1993-capa-reformas-economicas-em-democracias-novas
  • 17-2004-capa-em-busca-do-novo
  • 03-2018-capa-em-busca-de-desenvolvimento-perdido
  • 05-2009-capa-mondialisation-et-competition
  • 10-1998-capa-reforma-do-estado-para-a-cidadania
  • 09-1993-capa-economic-reforms-in-new-democracies
  • 06-2009-capa-construindo-o-estado-republicano
  • 2006-capa-as-revolucoes-utopicas-dos-anos-60
  • 11-1992-capa-a-crise-do-estado
  • 16-2015-capa-a-teoria-economica-na-obra-de-bresser-pereira-3
  • 05-2010-capa-globalization-and-competition
  • 01-2021
  • 05-2009-capa-globalizacao-e-competicao
  • 05-2010-capa-globalixacion-y-competencia
  • 15-1968-capa-desenvolvimento-e-crise-no-brasil-1930-1967
  • 12-1982-capa-a-sociedade-estatal-e-a-tecnoburocracia
  • 04-2016-capa-macroeconomia-desenvolvimentista
  • 10-1999-capa-reforma-del-estado-para-la-ciudadania
  • 02-2021-capa-a-construcao-politica-e-economica-do-brasil
  • 13-1988-capa-lucro-acumulacao-e-crise-2a-edicao

A apreciação cambial é boa para quem?

Luiz Carlos Bresser-Pereira

Página do Facebook

.


Zeina Latif, economista chefe da XP Investimentos, publicou artigo no O Estado de S.Paulo (15.7), “A apreciação cambial vai atrapalhar o crescimento?”, no qual concluiu que quanto mais apreciado o câmbio, maior é o crescimento. Comento esse artigo, porque ele reflete bem o que pensa a ortodoxia liberal e dependente brasileira a respeito da taxa de câmbio. Sua apreciação é bem-vinda; câmbio forte seria sinal de uma economia forte.



Quais os argumentos que a autora apresenta para defender essa tese? A depreciação aumenta a inflação e reduz os salários, nos diz ela. Sem dúvida, mas no curto prazo, e de maneira doentia. Segurar a inflação com câmbio apreciado é tão ruim ou pior para o país do que segurá-la através do preço das empresas estatais. Manter salários artificialmente elevados graças a uma taxa de câmbio apreciada no longo prazo e déficit em conta-corrente é populismo ou irresponsabilidade cambial, da mesma forma que déficits públicos crônicos são sinal de irresponsabilidade ou populismo fiscal.



Mas a economista tem mais argumentos. Ela admite que, entre 2003 e 2008, “o câmbio prejudicou as contas externas, mas não impediu o crescimento econômico”. Por que não teria prejudicado? Pelo mesmo argumento que os populistas de esquerda que apoiavam o governo do PT usavam: “porque o aumento da demanda interna mais que compensou a elevação da penetração das importações e o menor ímpeto exportador”. Ora, dona Zeina Latif, de fato, para a indústria, o aumento do mercado interno compensou a perda do mercado externo causada pela enorme apreciação do câmbio entre 2003 e 2010.



O grande prejuízo – o violento desmonte da indústria brasileira – aconteceu em seguida, entre 2011 e 2014, e foi uma das causas da recessão atual. Nesse período a taxa de câmbio permaneceu fortemente apreciada, ao mesmo tempo em que os importadores de manufaturados inundavam o mercado interno brasileiro. Dessa maneira as empresas industriais, sem competitividade, não apenas não puderam investir. O câmbio fortemente apreciado as levou à crise.

Sim, a apreciação cambial é boa, mas boa para quem? Para os populistas cambiais de direita e de esquerda, que defendem artificialmente não apenas os salários mas também os juros, os alugueis e os dividendos recebidos pelos rentistas. E é boa para os países ricos que financiam o consumo interno com seus investimentos diretos e seus empréstimos.



Os elevados déficits em conta-corrente e o correspondente câmbio apreciado combinados com uma taxa de juros absurdamente alta são os grandes males da economia brasileira. É este desequilíbrio macroeconômico que explica o baixo crescimento da economia brasileira desde a abertura comercial (1990) e o Plano Real (1994). São males que tanto a direita liberal e populista quanto a esquerda desenvolvimentista e populista se recusam a enfrentar. E assim o Brasil vai ficando para trás... para trás...