MARE - MINISTÉRIO DA REFORMA DO ESTADO

  • 2018-capa-em-busca-de-desenvolvimento-perdido
  • 1999-capa-reforming-the-state-managerial-public-administration-in-latin-america
  • 1987-capa-the-theory-of-inertial-inflation
  • 2010-capa-doença-holandesa-e-industria
  • livros4
  • 1991-capa-populismo-economico
  • 1984-capa-inflacao-e-recessao-3edicao
  • 2012-capa-depois-da-crise
  • 1972-capa-desenvolvimento-e-crise-no-brasil
  • 2004-capa-politica-y-gestion-publica
  • 2003-capa-introducao-a-organizacao-burocratica
  • 1999-capa-reforma-del-estado-para-la-ciudadania
  • 1998-reforma-do-estado-para-a-cidadania
  • 1985-capa-a-divida-e-a-inflacao
  • 2003-capa-desenvolvimento-e-crise-no-brasil
  • 2010-capa-globalixacion-y-competencia
  • 2007-capa-macroeconomia-da-estagnacao
  • 2009-capa-construindo-o-estado-republicano
  • 1982-capa-economia-brasileira
  • 1984-capa-inflacao-e-recessao
  • 1998-capa-economia-brasileira
  • 2001-capa-reforma-do-estado-e-adm-publica-gerencial
  • 2001-capa-a-grande-esperanca-em-celso-furtado
  • 1989-capa-divida-externa-crise-e-solucoes
  • 1993-capa-economic-reforms-in-new-democracies2
  • 1968-capa-desenvolvimento-e-crise-no-brasil-1930-1967
  • 1984-capa-development-and-crisis-in-brazil-1930-1983
  • 1972-capa-tecnoburocracia-e-contestacao
  • 2008-capa-nacao-cambio-e-desenvolvimento
  • 2015-capa-a-teoria-economica-na-obra-de-bresser-pereira-3
  • 2006-capa-economia-brasileira-na-encruzilhada
  • 2015-capa-a-teoria-economica-na-obra-de-bresser-pereira
  • 1979-capa-as-revolucoes-utopicas
  • 1993-capa-economic-reforms-in-new-democracies
  • 1993-capa-a-nova-republica-1985-1990
  • 2004-capa-introducao-a-organizacao-burocratica
  • 1984-capa-desenvolvimento-e-crise-no-brasil-1930-1983
  • livro1
  • 1982-capa-a-sociedade-estatal-e-a-tecnoburocracia
  • 1991-capa-os-tempos-heroicos-de-collor-e-zelia
  • 1998-capa-lo-publico-no-estatal-en-la-reforma-del-estado
  • 2004-capa-democracy-and-public-management-reform
  • livros5
  • 2009-capa-mondialisation-et-competition
  • 1994-capa-economia-brasileira-10edicao
  • 1999-capa-o-publico-nao-estatal-na-reforma-do-estado
  • livros6
  • 2010-capa-crise-global-e-o-brasil
  • livro2
  • 0000-capa-empresarios-e-administradores-no-brasil
  • 1993-capa-reformas-economicas-em-democracias-novas
  • 2021-capa-bresser-pereira-rupturas-do-pensamento
  • 1981-capa-estado-e-subdesenvolvimento-industrializado
  • 1989-capa-jogo-aberto-entrevista-com-bresserpereira
  • 1993-capa-las-reformas-economicas-en-las-nuevas-democracias
  • 2021-capa-a-construcao-politica-e-economica-do-brasil
  • 1985-capa-pactos-politicos
  • 1992-capa-a-crise-do-estado
  • 2010-capa-globalization-and-competition
  • 1996-capa-crise-economica-e-reforma-do-estado-no-brasil
  • 1996-capa-economic-crisis-state-reform-in-brazil
  • 1968-capa-administracao-geral-e-relacoes-industriais
  • 1989-capa-la-teoria-de-la-inercia-inflacionaria
  • 2006-capa-as-revolucoes-utopicas-dos-anos-60
  • 2002-capa-crise-economique-et-reforme-de-leat-au-bresil
  • livros3

O MP fura seu teto

Editorial Estado de S.Paulo

Editorial Estado de S.Paulo, em 06/12/2006.

.

Por 7 votos contra 5, o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) aprovou uma resolução que equipara o teto salarial dos promotores e procuradores estaduais de Justiça aos vencimentos dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), que hoje são de R$ 24,5 mil. A decisão contraria a Constituição, cujo artigo 37 estabelece em 90,25% desse valor, o equivalente a R$ 22,1 mil, o maior salário no âmbito do funcionalismo estadual. Dos sete integrantes do órgão que votaram a favor dessa ilegalidade, quatro serão beneficiados pela decisão.




Por contrariar acintosamente a ordem jurídica que o Ministério Público tem a missão de defender, a iniciativa do CNMP é tão fora de propósito que seu próprio presidente, o procurador-geral da República, Antonio Fernando de Souza, anunciou que recorrerá ao Supremo, argüindo a inconstitucionalidade da resolução. Para o conselheiro que mais se empenhou por sua aprovação, Saint’Clair Luiz do Nascimento, o CNMP nada mais fez do que “reafirmar o teto nacional”. Segundo ele, embora existam 14 mil promotores e procuradores de Justiça estaduais, “apenas 10%” serão beneficiados pela medida.




Se não for derrubada pelo Supremo Tribunal Federal, a resolução do CNMP provocará um aumento imediato de 3% na folha de pagamento do Ministério Público. Mas, por causa de seu efeito cascata, a médio prazo os gastos da instituição com salários devem crescer muito mais. Por causa da Lei Orgânica Nacional do Ministério Público, que permitiu a cada entidade definir salários de acordo com a realidade do orçamento estadual, os vencimentos da categoria variam de R$ 9,8 mil a R$ 19,9 mil, dependendo do Estado.




Segundo levantamento recém-concluído pelo Ministério da Justiça, um promotor em início de carreira em São Paulo recebe R$ 10,8 mil, enquanto em Tocantins e no Rio de Janeiro o mesmo profissional ganha R$ 18 mil e R$ 19,9 mil, respectivamente. A média nacional é de R$ 14,5 mil. O temor dos especialistas em finanças públicas é que a decisão do Conselho Nacional do Ministério Público estimule os promotores que menos recebem a invocar o princípio da isonomia como justificativa para uma campanha de equiparação salarial, o que poderá levar o teto de R$ 24,5 mil a ser encarado como piso.




Tentando justificar a resolução que fere a Constituição, usaram uma resoluç&atil