BRAZILIAN ECONOMY

  • 2009-capa-construindo-o-estado-republicano
  • 1993-capa-economic-reforms-in-new-democracies
  • 1993-capa-reformas-economicas-em-democracias-novas
  • 1984-capa-desenvolvimento-e-crise-no-brasil-1930-1983
  • 1981-capa-estado-e-subdesenvolvimento-industrializado
  • 2007-capa-macroeconomia-da-estagnacao
  • livro1
  • 2003-capa-introducao-a-organizacao-burocratica
  • livro2
  • 1993-capa-las-reformas-economicas-en-las-nuevas-democracias
  • 2010-capa-crise-global-e-o-brasil
  • 1992-capa-a-crise-do-estado
  • 2008-capa-nacao-cambio-e-desenvolvimento
  • 1985-capa-pactos-politicos
  • 1989-capa-divida-externa-crise-e-solucoes
  • 1968-capa-desenvolvimento-e-crise-no-brasil-1930-1967
  • 2004-capa-introducao-a-organizacao-burocratica
  • 1999-capa-reforma-del-estado-para-la-ciudadania
  • 2021-capa-a-construcao-politica-e-economica-do-brasil
  • 1985-capa-a-divida-e-a-inflacao
  • livros6
  • 1984-capa-inflacao-e-recessao
  • 1991-capa-populismo-economico
  • 1984-capa-development-and-crisis-in-brazil-1930-1983
  • livros4
  • 1984-capa-inflacao-e-recessao-3edicao
  • 2010-capa-doença-holandesa-e-industria
  • 1998-capa-economia-brasileira
  • 2004-capa-politica-y-gestion-publica
  • 1999-capa-reforming-the-state-managerial-public-administration-in-latin-america
  • 0000-capa-empresarios-e-administradores-no-brasil
  • 1968-capa-administracao-geral-e-relacoes-industriais
  • 1979-capa-as-revolucoes-utopicas
  • 2009-capa-mondialisation-et-competition
  • 1987-capa-the-theory-of-inertial-inflation
  • 2021-capa-bresser-pereira-rupturas-do-pensamento
  • 1982-capa-economia-brasileira
  • 2012-capa-depois-da-crise
  • 2003-capa-desenvolvimento-e-crise-no-brasil
  • 2010-capa-globalixacion-y-competencia
  • 2006-capa-economia-brasileira-na-encruzilhada
  • 1989-capa-jogo-aberto-entrevista-com-bresserpereira
  • 2001-capa-reforma-do-estado-e-adm-publica-gerencial
  • 2015-capa-a-teoria-economica-na-obra-de-bresser-pereira
  • 1999-capa-o-publico-nao-estatal-na-reforma-do-estado
  • 1972-capa-desenvolvimento-e-crise-no-brasil
  • 2010-capa-globalization-and-competition
  • livros5
  • 2018-capa-em-busca-de-desenvolvimento-perdido
  • 1998-reforma-do-estado-para-a-cidadania
  • 1996-capa-crise-economica-e-reforma-do-estado-no-brasil
  • 2004-capa-democracy-and-public-management-reform
  • 1972-capa-tecnoburocracia-e-contestacao
  • 1982-capa-a-sociedade-estatal-e-a-tecnoburocracia
  • 2015-capa-a-teoria-economica-na-obra-de-bresser-pereira-3
  • 2001-capa-a-grande-esperanca-em-celso-furtado
  • 1998-capa-lo-publico-no-estatal-en-la-reforma-del-estado
  • 1989-capa-la-teoria-de-la-inercia-inflacionaria
  • 2002-capa-crise-economique-et-reforme-de-leat-au-bresil
  • 1994-capa-economia-brasileira-10edicao
  • 1991-capa-os-tempos-heroicos-de-collor-e-zelia
  • 1993-capa-a-nova-republica-1985-1990
  • 1993-capa-economic-reforms-in-new-democracies2
  • 1996-capa-economic-crisis-state-reform-in-brazil
  • 2006-capa-as-revolucoes-utopicas-dos-anos-60
  • livros3

A saída da Ford

Luiz Carlos Bresser-Pereira

Nota no Facebook e Twitter, 17.1.2021

.


A Ford está saindo do Brasil. Ao se aproximar a data de demissão dos últimos 5 mil funcionários, os artigos e matérias nos jornais se avolumam.


De um lado, dois economistas desenvolvimentistas, Nelson Barbosa e Nelson Marconi, de outro um economista liberal, Samuel Pessoa, e um editorial do Valor lamentam o fato.


Mas, afinal, o que dizem todos é que a indústria automobilística, embora excessivamente onerada com impostos, é compensada com subsídios; de forma que a decisão da Ford decorre de má administração?


Será verdade, ou antes, desde o célebre acordo automotivo de 1995, foram criados incentivos de cerca de 35% que impediram que acontecesse com as montadoras o que aconteceu com o resto da indústria brasileira: fosse liquidada.


A indústria de transformação passou por violenta desindustrialização porque, a partir de 1990, o Brasil deixou de neutralizar a doença holandesa – e a indústria passou a enfrentar uma grande desvantagem competitiva.


A neutralização da doença holandesa era feita intuitivamente através de elevadas tarifas de importação e elevados subsídios à exportação de manufaturados. Em 1990 as tarifas foram radicalmente baixadas e os subsídios, eliminados.


O acordo automotivo de 1995 salvou as montadoras. Mas como não se sabia que estavam assim neutralizando a doença holandesa em relação ao mercado interno, quando começou a pressão liberal, a resistência das montadoras foi pequena.


E assim estamos acabando com a indústria automobilística no Brasil. Há muito perdemos a capacidade de exportar, e à medida que caíram os subsídios, as empresas deixam de ser competitivas internamente.


Sempre se pode dizer que o problema é a incompetência da Ford, mas é assim que nos auto-enganamos.


Escrevo esta nota para fazer um apelo aos jovens economistas. Façam pesquisa para confirmar ou rejeitar o que estou afirmando. Eu sei que o momento não é bom porque desde 2014 a taxa de câmbio está competitiva.


Mas ninguém se engane. Está competitiva porque os preços das commodities caíram, porque a taxa de juros caiu, e porque os investidores estrangeiros perderam confiança no Brasil.


Enquanto os brasileiros não compreenderem o que está acontecendo com a indústria, a economia brasileira que está quase-estagnada há 40 anos não voltará a crescer. E o Brasil continuará a ficar para trás.