BRAZILIAN ECONOMY

  • livro1
  • 0000-capa-empresarios-e-administradores-no-brasil
  • 1999-capa-reforming-the-state-managerial-public-administration-in-latin-america
  • 1998-capa-economia-brasileira
  • 1989-capa-la-teoria-de-la-inercia-inflacionaria
  • 1984-capa-inflacao-e-recessao-3edicao
  • livros6
  • 2006-capa-economia-brasileira-na-encruzilhada
  • 1998-reforma-do-estado-para-a-cidadania
  • 1968-capa-desenvolvimento-e-crise-no-brasil-1930-1967
  • 2008-capa-nacao-cambio-e-desenvolvimento
  • 1999-capa-reforma-del-estado-para-la-ciudadania
  • 2010-capa-crise-global-e-o-brasil
  • 2004-capa-introducao-a-organizacao-burocratica
  • 2015-capa-a-teoria-economica-na-obra-de-bresser-pereira
  • 1998-capa-lo-publico-no-estatal-en-la-reforma-del-estado
  • 1996-capa-crise-economica-e-reforma-do-estado-no-brasil
  • 1993-capa-las-reformas-economicas-en-las-nuevas-democracias
  • 2018-capa-em-busca-de-desenvolvimento-perdido
  • 1985-capa-pactos-politicos
  • 2015-capa-a-teoria-economica-na-obra-de-bresser-pereira-3
  • 1994-capa-economia-brasileira-10edicao
  • 1982-capa-a-sociedade-estatal-e-a-tecnoburocracia
  • 1993-capa-economic-reforms-in-new-democracies
  • 1972-capa-tecnoburocracia-e-contestacao
  • 2004-capa-politica-y-gestion-publica
  • 1993-capa-reformas-economicas-em-democracias-novas
  • 1984-capa-desenvolvimento-e-crise-no-brasil-1930-1983
  • 2009-capa-mondialisation-et-competition
  • 1991-capa-os-tempos-heroicos-de-collor-e-zelia
  • 1968-capa-administracao-geral-e-relacoes-industriais
  • 2003-capa-desenvolvimento-e-crise-no-brasil
  • 2012-capa-depois-da-crise
  • livros5
  • 2010-capa-doença-holandesa-e-industria
  • 2001-capa-a-grande-esperanca-em-celso-furtado
  • livros4
  • 2021-capa-bresser-pereira-rupturas-do-pensamento
  • 1992-capa-a-crise-do-estado
  • 2004-capa-democracy-and-public-management-reform
  • 1987-capa-the-theory-of-inertial-inflation
  • 1989-capa-divida-externa-crise-e-solucoes
  • 2006-capa-as-revolucoes-utopicas-dos-anos-60
  • 2001-capa-reforma-do-estado-e-adm-publica-gerencial
  • 2010-capa-globalixacion-y-competencia
  • 2021-capa-a-construcao-politica-e-economica-do-brasil
  • 1993-capa-economic-reforms-in-new-democracies2
  • 1999-capa-o-publico-nao-estatal-na-reforma-do-estado
  • 1985-capa-a-divida-e-a-inflacao
  • 1972-capa-desenvolvimento-e-crise-no-brasil
  • 1981-capa-estado-e-subdesenvolvimento-industrializado
  • 1982-capa-economia-brasileira
  • 2010-capa-globalization-and-competition
  • livros3
  • 2009-capa-construindo-o-estado-republicano
  • 2003-capa-introducao-a-organizacao-burocratica
  • 1989-capa-jogo-aberto-entrevista-com-bresserpereira
  • 1984-capa-development-and-crisis-in-brazil-1930-1983
  • 1991-capa-populismo-economico
  • 1996-capa-economic-crisis-state-reform-in-brazil
  • 1979-capa-as-revolucoes-utopicas
  • 1984-capa-inflacao-e-recessao
  • livro2
  • 2002-capa-crise-economique-et-reforme-de-leat-au-bresil
  • 1993-capa-a-nova-republica-1985-1990
  • 2007-capa-macroeconomia-da-estagnacao

Bateu o desespero

Luiz Carlos Bresser-Pereira

Nota no Facebook, 5.maio.2019




Em sua excelente coluna de hoje na Folha, Vinicius Torres Freire, diante da estagnação econômica, diz que “começa a bater o desespero”. “Economistas sorriem amarelo, sem graça com as previsões furadas de recuperação. Mais que isso, parecem desnorteados, sem explicações precisas para o fato de mesmo o broto verde e mirrado do PIB estar murchando. Empresários parecem com medo, nervosos ou acham que a retomada de 2019 deu chabu... Gente do governo começa a falar em ‘pacotes’ e ‘medidas’ para estimular o crescimento.”

Mas como poderia ser de outra maneira? No fim dos quatro anos de desenvolvimentismo equivocado do governo Dilma, o país se viu diante de uma crise fiscal e de uma recessão. Desde janeiro de 2015 (com uma breve interrupção quando Nelson Barbosa foi ministro da Fazenda) estamos vivendo quatro anos de liberalismo econômico ainda mais equivocados, o governo agindo de forma procíclica e, assim, impedindo que a recuperação cíclica aconteça.

Quando acontece um desajuste econômico, como aconteceu a partir de 2014, há duas possibilidades: ou o desajuste se expressa em aumento do deficit público, excesso de demanda e inflação, ou o deficit fiscal está acompanhado por falta de demanda, crise econômica, como aconteceu em 2015. Diante do primeiro caso, o ajuste fiscal é a solução correta, diante do segundo, é preciso lembrar Keynes e, não obstante a crise fiscal, expandir o investimento público enquanto se corta a despesa corrente do Estado

Ora, os liberais que nos governam não reconhecem essa distinção. Para eles a solução mágica é cortar a despesa pública, seja ela corrente ou de investimento. E é o que têm feito desde a alucinada gestão de Joaquim Levy no Ministério da Fazenda. O investimento público vem sendo cortado impiedosamente, mais do que a despesa corrente porque é mais fácil cortá-lo. O Banco Central, entre janeiro e setembro de 2015 continuou aumentando a Selic, a manteve em 14,25% por um ano inteiro, e só a partir de agosto de 2016 começou a reduzi-la, mas timidamente. O crédito, que a partir de 2014 foi espremido pela crise financeira, assim continuou nos anos seguintes, os bancos aumentando compensatoriamente sua margem para proteger seus lucros. O BNDES, que financiava grande parte do investimento privado inclusive as privatizações e concessões de serviços públicos, perdeu o crédito do Tesouro e vem sendo deliberadamente desmontado. Os valores das aprovações e das liberações do BNDES no 3ª trimestre de 2017 correspondiam, respectivamente, a 20% e 25% dos montantes alcançados no último trimestre de 2014.

Mas diante da estagnação o que faz o governo que está aí há quatro meses? Absolutamente nada. Pouco importa que o elevado desemprego aumente, que a desigualdade volte a aumentar, que as empresas, sufocadas pela falta de demanda, se encolham senão quebrem. Não adota nenhuma política contracíclica. Só fala na reforma da Previdência, que realmente é necessária, mas terá efeitos apenas no longo prazo. Como diz o grande jornalista, Janio de Freitas, também hoje na Folha, “Paulo Guedes, na verdade, está voando entre os astros, distraído. A desculpa é a espera da “reforma da Previdência”, como se fosse um milagre que a tudo ativaria, inclusive a Paulo Guedes.”

Os brasileiros não têm diante de si um governo, mas um desgoverno. Que nos envergonha. Os supostos governantes apenas repetem mantras e propostas arquiconservadoras. Por isso, ainda na Folha de hoje, Antonio Prata escreve uma crônica antológica. Os brasileiros que se dividiam entre desenvolvimentistas e neoliberais, ou entre de centro-esquerda e de centro-direita, agora começam a esquecer duas diferenças diante da loucura bolsonarista. E conclui Prata: “Precisamos de um movimento como o das Diretas Já. Do sociólogo ao metalúrgico. Da feminista negra ao pastor.”

Sim, bateu o desespero. Não apenas nos neoliberais que apoiam o governo na esperança de que ele faça as reformas. Não apenas nos conservadores que nada têm a ver com os olavos de carvalho da vida. Estamos todos desesperados, ou, melhor, estamos todos indignados.