ON METHOD & INTELLECTUAL HISTORY

  • livros6
  • livros3
  • 1972-capa-desenvolvimento-e-crise-no-brasil
  • 1993-capa-las-reformas-economicas-en-las-nuevas-democracias
  • 1999-capa-reforma-del-estado-para-la-ciudadania
  • 1991-capa-populismo-economico
  • 1989-capa-jogo-aberto-entrevista-com-bresserpereira
  • 0000-capa-empresarios-e-administradores-no-brasil
  • 2021-capa-bresser-pereira-rupturas-do-pensamento
  • livro1
  • 2010-capa-crise-global-e-o-brasil
  • 2007-capa-macroeconomia-da-estagnacao
  • 2006-capa-economia-brasileira-na-encruzilhada
  • 2001-capa-a-grande-esperanca-em-celso-furtado
  • 1972-capa-tecnoburocracia-e-contestacao
  • 2008-capa-nacao-cambio-e-desenvolvimento
  • 2010-capa-doença-holandesa-e-industria
  • 2001-capa-reforma-do-estado-e-adm-publica-gerencial
  • 1998-reforma-do-estado-para-a-cidadania
  • 1994-capa-economia-brasileira-10edicao
  • 1999-capa-o-publico-nao-estatal-na-reforma-do-estado
  • 2015-capa-a-teoria-economica-na-obra-de-bresser-pereira
  • 1993-capa-reformas-economicas-em-democracias-novas
  • 1998-capa-lo-publico-no-estatal-en-la-reforma-del-estado
  • 1985-capa-pactos-politicos
  • 1993-capa-economic-reforms-in-new-democracies2
  • 2021-capa-a-construcao-politica-e-economica-do-brasil
  • 1987-capa-the-theory-of-inertial-inflation
  • 2003-capa-desenvolvimento-e-crise-no-brasil
  • 1979-capa-as-revolucoes-utopicas
  • 1968-capa-desenvolvimento-e-crise-no-brasil-1930-1967
  • 1984-capa-inflacao-e-recessao-3edicao
  • 1984-capa-inflacao-e-recessao
  • 2004-capa-introducao-a-organizacao-burocratica
  • 2009-capa-construindo-o-estado-republicano
  • 2002-capa-crise-economique-et-reforme-de-leat-au-bresil
  • 2018-capa-em-busca-de-desenvolvimento-perdido
  • 1989-capa-divida-externa-crise-e-solucoes
  • 1984-capa-development-and-crisis-in-brazil-1930-1983
  • 1993-capa-economic-reforms-in-new-democracies
  • 1999-capa-reforming-the-state-managerial-public-administration-in-latin-america
  • 2004-capa-politica-y-gestion-publica
  • 1998-capa-economia-brasileira
  • 1982-capa-a-sociedade-estatal-e-a-tecnoburocracia
  • 2004-capa-democracy-and-public-management-reform
  • 1993-capa-a-nova-republica-1985-1990
  • 1996-capa-crise-economica-e-reforma-do-estado-no-brasil
  • 1981-capa-estado-e-subdesenvolvimento-industrializado
  • livros5
  • 1991-capa-os-tempos-heroicos-de-collor-e-zelia
  • 1996-capa-economic-crisis-state-reform-in-brazil
  • 1989-capa-la-teoria-de-la-inercia-inflacionaria
  • 1968-capa-administracao-geral-e-relacoes-industriais
  • 2003-capa-introducao-a-organizacao-burocratica
  • 1992-capa-a-crise-do-estado
  • livros4
  • 1984-capa-desenvolvimento-e-crise-no-brasil-1930-1983
  • 1985-capa-a-divida-e-a-inflacao
  • 2012-capa-depois-da-crise
  • livro2
  • 2010-capa-globalixacion-y-competencia
  • 2015-capa-a-teoria-economica-na-obra-de-bresser-pereira-3
  • 2010-capa-globalization-and-competition
  • 1982-capa-economia-brasileira
  • 2009-capa-mondialisation-et-competition
  • 2006-capa-as-revolucoes-utopicas-dos-anos-60

Meu ex-aluno Tasso Jereissati

Luiz Carlos Bresser-Pereira

Nota no Facebook e no Twitter, 22.12.2020

.


Um dia desses eu me perguntei qual foi, entre os meus muitos ex-alunos, aquele que se transformou em um político de primeira grandeza, e o nome de Tasso Jereissati surgiu naturalmente para mim. 



Ele foi meu aluno na FGV nos longínquos anos 1970; alguns anos depois, me procurou quando eu dirigia o Pão de Açúcar porque queria instalar em Fortaleza o primeiro supermercado da cidade e nos propunha uma sociedade.



Tornamo-nos sócios e, mais do que isto, amigos, os dois mais Abílio Diniz. Tasso tornou-se, então, presidente do Centro das Indústrias do Ceará, e tinha como referência os grandes líderes industriais de São Paulo.



Refiro-me a empresários industriais como Cláudio Bardella, Antônio Ermírio de Moraes e Luiz Eulálio Vidigal, que ele admirava e convidava para fazer palestras em Fortaleza.



Mas Tasso fora filho de um senador trabalhista, tinha a política no sangue, e quando ocorreu a transição democrática ele naturalmente se associou aos líderes do PMDB que depois fundariam o PSDB, entre os quais eu me situava.



Enfrentou, então, a oligarquia política que dominava o Ceará, foi eleito governador, rodeou-se de uma equipe de excelentes assessores e realizou uma gestão incrivelmente competente.

Demitiu funcionários e jornalistas que não trabalhavam, reduziu em 40 por cento as despesas com o funcionalismo, e desenvolveu um plano de governo com uma orientação empresarial.



Os resultados foram impressionantes. Em breve o Ceará passou a se desenvolver mais rapidamente do que os dois estados mais importantes do Nordeste, Pernambuco e a Bahia.



Um resultado que teve continuidade porque de sua equipe também faziam parte homens públicos como Ciro Gomes, que também foi eleito governador e também foi um grande governador. Os dois fizeram escola.

Tasso é um político de centro-direita que permaneceu no PSDB e passou naturalmente a liderá-lo sem, para isso, ter sido obrigado a dar a guinada para a direita que Fernando Henrique e José Serra deram.



Tasso e eu participamos do governo Fernando Henrique, mas ao sair do governo em 1999, eu me afastei da política e me voltei para a vida acadêmica e de intelectual público. E também retornei a meu desenvolvimentismo social-democrático.



Dessa maneira, perdemos contato. Tasso continuou sua carreira política; é novamente senador, e um grande senador. No momento, está envolvido em um projeto de lei que dê continuidade ao auxílio emergencial do Covid-19.



Seu projeto, essencial neste momento, permite a transição do auxílio emergencial para uma Bolsa Família ampliada. E estabelece cortes de pobreza (R$ 250 per capita) e extrema pobreza (R$ 120 per capita) visando, assim, acabar com a pobreza extrema.



Tasso Jereissati é a prova viva do quanto é importante não avaliarmos os políticos em termos apenas ideológicos. Homens com seu espírito republicano e sua competência política são preciosos para uma nação.



Seriam ainda mais preciosos se soubessem o que é a teoria novo-desenvolvimentista, por que ela explica a quase-estagnação do Brasil há 40 anos, 30 dos quais sob um regime de política econômica liberal.



Nos últimos 40 anos, enquanto o PIB per capita da China aumentou 23 vezes e o dos países ricos, 1,9 vezes, o PIB per capita do Brasil aumentou apenas 1,3 vezes. Um grande fracasso, uma tragédia nacional, sob a égide do neoliberalismo e da subordinação aos Estados Unidos.

Tasso Jereissati, como a grande maioria dos políticos brasileiros, está sendo permanentemente bombardeado por essa ortodoxia liberal incompetente e antinacional que condena o Brasil à quase-estagnação e ao atraso.



Mas há nele a grandeza dos homens públicos republicanos. Uma grandeza que o Brasil não soube aproveitar, como também não soube aproveitar a grandeza de outro grande cearense, Ciro Gomes.

Um está na centro-direita, o outro, na centro-esquerda. Eu estou politicamente perto de Ciro, não de Tasso, mas continuo a apostar nos dois. O Brasil precisa dramaticamente de homens públicos como eles.