The Political Construction of Brazil

2017. An encompassing analysis of Brazil’s society, economy and politics since the Independence. A national-dependent interpretation. Three historical cycles of the relation state-society: State and Territorial Integration Cycle (1822-1929), Nation and Development Cycle (1930-1977) and Democracy and Social Justice Cycle (1977-2010). Crisis since then. (Book: Lynne Rienner Publishers)

Mais informações

Macroeconomia Desenvolvimentista

2016. With José Luis Oreiro e Nelson Marconi. Our more complete analysis of Developmental Macroeconomics – the central economic theory within New Developmentalism. (book)

Mais informações

A esquerda e o governo Maduro

Luiz Carlos Bresser-Pereira

Nota no Facebook, 15.1.2019

Mathias Alencastro escreveu na Folha (11.1) artigo oportuno criticando a posição do PT de apoio ao governo Maduro. Para ele, “ao aterrissar em Caracas, Gleisi Hoffmann realiza a fantasia daqueles que buscam por todas as formas etiquetar o PT como antidemocrático”. Essa atitude da esquerda brasileira é tão irracional quanto é irracional a dos liberais de apoiar a oposição venezuelana, que é ainda mais antidemocrática do que o governo, e seu aliado, o governo americano, que no caso age de forma imperialista?
Hoje a mesma Folha publicou artigo de Breno Altman defendendo o PT, que, ao se solidarizar com o governo venezuelano, está reafirmando sua posição contra o imperialismo. E critica Alencastro que lamenta que o PT não se associa às socialdemocracias europeias. De fato, não há razão para os social-democratas brasileiros se somarem às socialdemocracias europeias nessa questão. Elas agem de maneira tão imperialista quanto os Estados Unidos em relação ao mundo em desenvolvimento.
Não faz sentido o PT atestar que o governo Maduro é democrático, porque obviamente não é. Mas faz ainda menos sentido os Estados Unidos agirem para derrubar seu governo com o apoio das socialdemocracias europeias e da direita aqui e lá fora. Isto é mero imperialismo que o PT está certo em criticar. Se não fosse, o Ocidente deveria também estar agindo para derrubar os governos da Arábia Saudita, dos Emirados Árabes, do Egito, de Singapura, de Myanmar...
Além disso, a esquerda brasileira não pode ficar silenciosa diante da incompetência que o governo venezuelano revelou. Quando o preço do petróleo estava alto, agiu como a cigarra e gastou; quando esse preço caiu, estava sem recursos para fazer frente à crise e ficou paralisado. O resultado foi a hiperinflação, o desemprego e a fome. Como pode a esquerda brasileira se solidarizar com um governo tão incompetente?

  


Fale conosco: ceciliaheise46@gmail.com