PUBLICIDADE  
 
 
 
HOME SOBRE BRESSER-PEREIRA PÁGINA NO FACEBOOK
BONS ARTIGOS QUE LI BONS FILMES QUE ASSISTI

BRAZILIAN JOURNAL OF POLITICAL ECONOMY

OLHAR O MUNDO FALE CONOSCO
 
  Tipos de trabalhos  
 

Quem é/Who is

A guide to my work
Currículos / CVs
Short cv & bio
Textos autobiográficos
Textos sobre Bresser-Pereira





Livros

Livros
Livros na íntegra
Livros organizados (edited)

Trabalhos acadêmicos

Papers
Pequenos textos, prefácios, etc.
Texto para Discussão
Apresentações / Slides
Programas / Syllabus
Documentos & Relatórios

Trabalhos na midia

Artigos de jornal
Entrevistas
Notas no Facebook
Vídeos e Áudios

Método, perfis, outros

Método científico
Cartas
Perfis de pessoas
Críticas de Cinema

Outros idiomas

Works in English
Oeuvres en Français
Trabajos en Español

Novo Desenvolvimentismo

Novo Desenvolvimentismo (textos básicos)
Desenvolvimentismo Clássico (textos básicos)
Novo Desenvolvimentismo (economia política)
Novo Desenvolvimentismo (teoria econômica)
Novo Desenvolvimentismo (aplicado)
Novo Desenvolvimentismo (contribuições e críticas de terceiros)

Sociedade-Capitalismo

Teoria social - textos básicos
Teoria social (todos)
Capitalismo e modernidade
Classes e tecnoburocracia
Revolução Capitalista e ...
Revoluções, Revoltas e Movimentos
Globalização
Organização administração
Estatismo e URSS

Política

Teoria política - textos básicos
Teoria política (todos)
Teoria do Estado
Sociedade civil
Republicanismo e direitos de cidadania
Teoria da Democracia
Ciclos do Estado
Populismo político e econômico
Nação e nacionalismo
Social democracia e esquerda
Neoliberalismo e globalismo

Política brasileira

Interpretações do Brasil
Pactos políticos e coalizões de classes
Democracia no Brasil
Teoria da Dependência
História intelectual
Política Externa
Burocracia pública
Empresários e administradores
Reforma da universidade
Conjuntura Política
Reforma Gerencial - Teoria
Reforma Gerencial do Brasil

Economia

Teoria econômica - Textos básicos
Teoria econômica (todos)
Teoria do Desenvolvimento Econômico
Crítica da teoria neoclássica
Desigualdade e Distribuição
Teoria macroeconômica
Política e Economia
Câmbio e poupança externa
Câmbio e Doença Holandesa
Câmbio e crescimento
Crises econômico-financeiras
Dívida externa
Investimentos e taxa de lucro
Inflação
Inflação inercial
Comércio e integração
Economia mundial
Crise global de 2008

Economia brasileira

Economia brasileira até 1979
Economia brasileira 1980-2002
Economia brasileira desde 2003
Quase-estagnação desde 1980
Populismo econômico
Desindustrialização
Crise fiscal do Estado
Planos de estabilização
Plano Bresser

Países e regiões

Relações internacionais
América Latina
Argentina
Estados Unidos
Europa

Trabalhos de terceiros

Bons artigos que li recentemente
Reforma Gerencial - Terceiros
Cursos
Debate sobre "Crescimento com Estabilidade"(2001)
Projeto Brasil Nação - Notícias e Comentários

Ações / Ministérios

Ministério da Fazenda
Plano Bresser
MCT Ministério da Ciência & Tecnologia
Fundação Getulio Vargas, São Paulo

MARE - Ministério da Reforma do Estado

Documentos da Reforma
Reforma Gerencial - Teoria
Reforma Gerencial - Brasil
Reforma Gerencial - Terceiros
Agências Executivas e Reguladoras
Organizações Sociais
Gestão da Saúde
Gestão da Educação
Implementação Nível Federal
Implementação São Paulo
Implementação Minas Gerais
Implementação Outros Estados
Bibliografia da Reforma da Gestão Pública
Cadernos MARE
América Latina: Declaração de Madri (Clad)
Leis sobre Organizações Sociais
 
 
 

 

Nuvens negras

Luiz Carlos Bresser-Pereira
Nota no Facebook, 3.10.2018

Nuvens negras pairam sobre o Brasil. De repente, o Ibope e o Datafolha informam que as intenções de voto em Fernando Haddad pararam de crescer, enquanto voltavam a subir para Jair Bolsonaro. A polarização entre um candidato de centro-esquerda e um candidato fascista era algo desagradável. Mais civilizado seria a disputa eleitoral entre a centro-esquerda e a centro-direita, mas as perspectivas claramente favoreciam o candidato socialdemocrata – o que era um bom resultado. Mas agora não há mais certeza de nada. Desde a transição democrática de 1985 e a Constituição de 1988, alguns valores, principalmente a democracia e o repúdio ao racismo, haviam se tornado sagrados para os brasileiros, mas a liderança eleitoral de Bolsonaro nestas eleições colocou em dúvida essa tese. Parecia-me absurda a regressão política de eleitores educados que esse candidato representa, e, no entanto, ela voltou a ser uma possibilidade concreta.

Como explicar tal loucura política? Só o ódio pode explicá-la. O ódio ao PT, que subitamente tomou conta da classe média brasileira nas demonstrações populares de junho de 2013. O impeachment foi o primeiro resultado trágico desse ódio, a eleição de Bolsonaro poderá ser o segundo. Ao agir assim, os brasileiros estão cometendo um suicídio político.
A causa do ódio é o ressentimento. É o fato que, desde as reformas neoliberais de 1990, a economia brasileira parou de crescer. Some-se a isto o fato que, cumprindo o grande acordo político que levou à transição democrática, a Constituição de 1988 e o projeto social dos governos desde Itamar Franco até Dilma Rousseff deram prioridade aos pobres, aos negros e aos trabalhadores, deixando esquecida a classe média, e compreenderemos o ressentimento e a irracionalidade.

Isto não teria acontecido se tanto a centro-direita quanto a centro-esquerda, no governo desde 1985, não houvessem falhado em retomar o desenvolvimento econômico, mas falharam ao aceitar a narrativa neoliberal dominante no mundo rico desde 1980 e no Brasil, desde 1990. Ora, tentar distribuir renda sem realizar crescimento é politicamente inviável. Por isso venho desenvolvendo neste últimos 17 anos uma teoria que é também uma nova narrativa para o desenvolvimento do Brasil – o novo desenvolvimentismo. Que Ciro Gomes e Fernando Haddad incluíram em seus programas de governo. Será que os eleitores acordarão e elegerão um deles? Vamos ver.
  

 

 

 

© Direitos Autorais Bresser-Pereira
São Paulo - SP | ceciliaheise46@gmail.com

 

Desenvolvido pela E-Xis | www.e-xis.com.br