PUBLICIDADE  
 
 
 
HOME SOBRE BRESSER-PEREIRA PÁGINA NO FACEBOOK
BONS ARTIGOS QUE LI BONS FILMES QUE ASSISTI

BRAZILIAN JOURNAL OF POLITICAL ECONOMY

OLHAR O MUNDO FALE CONOSCO
 
  Tipos de trabalhos  
 

Quem é/Who is

A guide to my work
Currículos / CVs
Short cv & bio
Textos autobiográficos
Textos sobre Bresser-Pereira





Livros

Livros
Livros na íntegra
Livros organizados (edited)

Trabalhos acadêmicos

Papers
Pequenos textos, prefácios, etc.
Texto para Discussão
Apresentações / Slides
Programas / Syllabus
Documentos & Relatórios

Trabalhos na midia

Artigos de jornal
Entrevistas
Notas no Facebook
Vídeos e Áudios

Método, perfis, outros

Método científico
Cartas
Perfis de pessoas
Críticas de Cinema

Outros idiomas

Works in English
Oeuvres en Français
Trabajos en Español

Novo Desenvolvimentismo

Novo Desenvolvimentismo (textos básicos)
Desenvolvimentismo Clássico (textos básicos)
Novo Desenvolvimentismo (economia política)
Novo Desenvolvimentismo (teoria econômica)
Novo Desenvolvimentismo (aplicado)
Novo Desenvolvimentismo (contribuições e críticas de terceiros)

Sociedade-Capitalismo

Teoria social - textos básicos
Teoria social (todos)
Capitalismo e modernidade
Classes e tecnoburocracia
Revolução Capitalista e ...
Revoluções, Revoltas e Movimentos
Globalização
Organização administração
Estatismo e URSS

Política

Teoria política - textos básicos
Teoria política (todos)
Teoria do Estado
Sociedade civil
Republicanismo e direitos de cidadania
Teoria da Democracia
Ciclos do Estado
Populismo político e econômico
Nação e nacionalismo
Social democracia e esquerda
Neoliberalismo e globalismo

Política brasileira

Interpretações do Brasil
Pactos políticos e coalizões de classes
Democracia no Brasil
Teoria da Dependência
História intelectual
Política Externa
Burocracia pública
Empresários e administradores
Reforma da universidade
Conjuntura Política
Reforma Gerencial - Teoria
Reforma Gerencial do Brasil

Economia

Teoria econômica - Textos básicos
Teoria econômica (todos)
Teoria do Desenvolvimento Econômico
Crítica da teoria neoclássica
Desigualdade e Distribuição
Teoria macroeconômica
Política e Economia
Câmbio e poupança externa
Câmbio e Doença Holandesa
Câmbio e crescimento
Crises econômico-financeiras
Dívida externa
Investimentos e taxa de lucro
Inflação
Inflação inercial
Comércio e integração
Economia mundial
Crise global de 2008

Economia brasileira

Economia brasileira até 1979
Economia brasileira 1980-2002
Economia brasileira desde 2003
Quase-estagnação desde 1980
Populismo econômico
Desindustrialização
Crise fiscal do Estado
Planos de estabilização
Plano Bresser

Países e regiões

Relações internacionais
América Latina
Argentina
Estados Unidos
Europa

Trabalhos de terceiros

Bons artigos que li recentemente
Reforma Gerencial - Terceiros
Cursos
Debate sobre "Crescimento com Estabilidade"(2001)
Projeto Brasil Nação - Notícias e Comentários

Ações / Ministérios

Ministério da Fazenda
Plano Bresser
MCT Ministério da Ciência & Tecnologia
Fundação Getulio Vargas, São Paulo

MARE - Ministério da Reforma do Estado

Documentos da Reforma
Reforma Gerencial - Teoria
Reforma Gerencial - Brasil
Reforma Gerencial - Terceiros
Agências Executivas e Reguladoras
Organizações Sociais
Gestão da Saúde
Gestão da Educação
Implementação Nível Federal
Implementação São Paulo
Implementação Minas Gerais
Implementação Outros Estados
Bibliografia da Reforma da Gestão Pública
Cadernos MARE
América Latina: Declaração de Madri (Clad)
Leis sobre Organizações Sociais
 
 
 

 

A perplexidade da centro-direita

Luiz Carlos Bresser-Pereira
Nota no Facebook, 20.9.2018


A centro-direita democrática ficou sem candidato.


Depois das últimas pesquisas eleitorais que opõem dois candidatos de centro-esquerda a um candidato fascista, de extrema-direita, a grande imprensa só fala em “polarização” eleitoral, mas o que realmente está acontecendo é uma profunda perplexidade da classe média de centro-direita que, de repente, se viu sem candidato.
Se o Brasil houvesse continuado a contar com um regime político equilibrado, seu candidato seria o do PSDB, que desde o governo Fernando Henrique Cardoso ocupou a posição de principal partido de centro-direita, e seu adversário, um partido de centro-esquerda, o PT. Desde as eleições de 1990, a política brasileira definiu-se por essa oposição clássica, comum entre os países mais desenvolvidos. Não éramos ricos, mas já havíamos realizado nossa Revolução Capitalista, e nosso regime político não era mais um regime venezuelano.
Esta bela alternância democrática durou de 1990 a 2016, quando foi violentamente interrompida por um golpe parlamentar contra a presidente Dilma Rousseff. A ruptura começou antes, no dia seguinte às eleições de 2014, nas quais, para surpresa geral, o PT voltou a ser vitorioso. Os erros ocorridos no governo Dilma e o violento ataque que esse partido sofreu pela operação Lava-Jato, que, no seu início, concentrou-se no PT (só um pouco mais tarde ficaria claro que PSDB e PMDB haviam-se também deixado levar pela corrupção) levavam a prever a vitória da oposição, mas a presidente logrou se reeleger com uma vantagem de cerca de três milhões de votos.
Diante da derrota inesperada, o PSDB e seu candidato derrotado perderam a cabeça. Ao invés de revelarem equilíbrio e tolerância, que são essenciais para a democracia, agiram como um país pré-capitalista, como uma Venezuela, e pediram a nulidade da eleição e o impeachment. Foi um imenso erro. A centro-direita está sempre afirmando que o país arrisca a se tornar uma Venezuela ao se deixar governar pela centro-esquerda, mas quem agiu como se o Brasil fosse esse pobre e desafortunado país foi o PSDB. Algo que foi praticamente reconhecido recentemente por seu líder mais notável, o senador Tasso Jereissati.
A história mostra que a grande demanda pela democracia é sempre das classes populares, mas quem garante o regime democrático de um país é sua classe média. Ao embarcar na aventura do impeachment, a classe média de centro-direita brasileira revelou ter guinado para a extrema-direita. As prévias eleitorais tristemente comprovaram esse fato ao vermos uma boa parte dessa classe média manifestar intenção de votar em um candidato radicalmente oposto à democracia. E obrigaram a parte da centro-direita que é democrática a eleger um candidato de centro-esquerda como Ciro ou Haddad. Se o fizerem, votarão bem, mas não votarão satisfeitas. 

 

 

 

© Direitos Autorais Bresser-Pereira
São Paulo - SP | ceciliaheise46@gmail.com

 

Desenvolvido pela E-Xis | www.e-xis.com.br