PUBLICIDADE  
 
 
 
HOME SOBRE BRESSER-PEREIRA PÁGINA NO FACEBOOK
BONS ARTIGOS QUE LI BONS FILMES QUE ASSISTI

BRAZILIAN JOURNAL OF POLITICAL ECONOMY

OLHAR O MUNDO FALE CONOSCO
 
  Tipos de trabalhos  
 

Quem é/Who is

A guide to my work
Currículos / CVs
Short cv & bio
Textos autobiográficos
Textos sobre Bresser-Pereira





Livros

Livros
Livros na íntegra
Livros organizados (edited)

Trabalhos acadêmicos

Papers
Pequenos textos, prefácios, etc.
Texto para Discussão
Apresentações / Slides
Programas / Syllabus
Documentos & Relatórios

Trabalhos na midia

Artigos de jornal
Entrevistas
Notas no Facebook
Vídeos e Áudios

Método, perfis, outros

Método científico
Cartas
Perfis de pessoas
Críticas de Cinema

Outros idiomas

Works in English
Oeuvres en Français
Trabajos en Español

Novo Desenvolvimentismo

Novo Desenvolvimentismo (textos básicos)
Desenvolvimentismo Clássico (textos básicos)
Novo Desenvolvimentismo (economia política)
Novo Desenvolvimentismo (teoria econômica)
Novo Desenvolvimentismo (aplicado)
Novo Desenvolvimentismo (contribuições e críticas de terceiros)

Sociedade-Capitalismo

Teoria social - textos básicos
Teoria social (todos)
Capitalismo e modernidade
Classes e tecnoburocracia
Revolução Capitalista e ...
Revoluções, Revoltas e Movimentos
Globalização
Organização administração
Estatismo e URSS

Política

Teoria política - textos básicos
Teoria política (todos)
Teoria do Estado
Sociedade civil
Republicanismo e direitos de cidadania
Teoria da Democracia
Ciclos do Estado
Populismo político e econômico
Nação e nacionalismo
Social democracia e esquerda
Neoliberalismo e globalismo

Política brasileira

Interpretações do Brasil
Pactos políticos e coalizões de classes
Democracia no Brasil
Teoria da Dependência
História intelectual
Política Externa
Burocracia pública
Empresários e administradores
Reforma da universidade
Conjuntura Política
Reforma Gerencial - Teoria
Reforma Gerencial do Brasil

Economia

Teoria econômica - Textos básicos
Teoria econômica (todos)
Teoria do Desenvolvimento Econômico
Crítica da teoria neoclássica
Desigualdade e Distribuição
Teoria macroeconômica
Política e Economia
Câmbio e poupança externa
Câmbio e Doença Holandesa
Câmbio e crescimento
Crises econômico-financeiras
Dívida externa
Investimentos e taxa de lucro
Inflação
Inflação inercial
Comércio e integração
Economia mundial
Crise global de 2008

Economia brasileira

Economia brasileira até 1979
Economia brasileira 1980-2002
Economia brasileira desde 2003
Quase-estagnação desde 1980
Populismo econômico
Desindustrialização
Crise fiscal do Estado
Planos de estabilização
Plano Bresser

Países e regiões

Relações internacionais
América Latina
Argentina
Estados Unidos
Europa

Trabalhos de terceiros

Bons artigos que li recentemente
Reforma Gerencial - Terceiros
Cursos
Debate sobre "Crescimento com Estabilidade"(2001)
Projeto Brasil Nação - Notícias e Comentários

Ações / Ministérios

Ministério da Fazenda
Plano Bresser
MCT Ministério da Ciência & Tecnologia
Fundação Getulio Vargas, São Paulo

MARE - Ministério da Reforma do Estado

Documentos da Reforma
Reforma Gerencial - Teoria
Reforma Gerencial - Brasil
Reforma Gerencial - Terceiros
Agências Executivas e Reguladoras
Organizações Sociais
Gestão da Saúde
Gestão da Educação
Implementação Nível Federal
Implementação São Paulo
Implementação Minas Gerais
Implementação Outros Estados
Bibliografia da Reforma da Gestão Pública
Cadernos MARE
América Latina: Declaração de Madri (Clad)
Leis sobre Organizações Sociais
 
 
 

 

O fim do mundo que conhecemos

Luiz Carlos Bresser-Pereira
Nota no facebook, 12.7.2018

Esse é o título do artigo de Clóvis Rossi hoje na Folha ao discutir as políticas agressivas e irresponsáveis de Donald Trump na presidência dos Estados Unidos. Ele tem razão. Mas que “mundo” é ou foi esse?
 O mundo que ele e eu (temos idades semelhantes) conhecemos foi o mundo americano do após-guerra. Foi o mundo da luta contra o nazismo, da Guerra Fria, da Democracia Liberal Americana, do Império Americano, e, desde 1980, do Neoliberalismo. Um mundo que era belo quando lutava contra Hitler e o Japão ou contra o estalinismo; que mais parecia do que realmente era admirável com sua democracia liberal marcada pela desigualdade; que passou a espalhar pelo mundo um individualismo radical e antissocial desde que foi governado por Ronald Reagan; que se revelava imperialista quando fazia guerras no Vietnã, na Nicarágua, no Iraque, na Síria em nome das elites rentistas e financistas do Ocidente; e que agora se volta contra si mesmo quando destrói a ordem internacional que liderou, enquanto, internamente protege os muito ricos e engana os pobres com o pior populismo.
Eu que, através dos anos, me tornei um crítico severo desse mundo americano, olho para tudo isso perplexo. O meu mundo – aquele que admiro e gostaria de ter também para os brasileiros – é o mundo da social-democracia desenvolvimentista dos 30 Anos Dourados do Capitalismo – a sociedade construída pelos europeus. Esteve longe de ser o mundo ideal, mas foi o melhor que os homens conseguiram construir ao combinarem socialismo e capitalismo, Estado e mercado. Foi um mundo de centro-esquerda, que ainda existe no Oeste e no Norte da Europa, mas já bastante prejudicado pela coalizão de classes financeiro-rentista e o neoliberalismo. Minha esperança para o Brasil era a de que seguisse os passos da Europa, e para a Europa, que ela continuasse a avançar na construção de uma sociedade mais segura, mais próspera, mais justa, e que defenda melhor o meio-ambiente. Mas o que estamos vendo é o crescimento de um populismo de direita, que não está apenas nos Estados Unidos, mas igualmente na Hungria, na Polônia, na Áustria, e, agora, na nossa Itália.
Teremos, um dia, capacidade de resistir a esses dois males – o neoliberalismo de direita e ao populismo de direita? Não estou seguro. Para isto não basta a indignação da esquerda e sua vontade de diminuir as desigualdades. É preciso também evitar o populismo de esquerda. É preciso construir uma alternativa que combine desenvolvimento, justiça e sustentabilidade ambiental – uma alternativa que não está ainda disponível, mas que pode e deve ser construída.
  

 

 

 

© Direitos Autorais Bresser-Pereira
São Paulo - SP | ceciliaheise46@gmail.com

 

Desenvolvido pela E-Xis | www.e-xis.com.br