PUBLICIDADE  
 
 
 
HOME SOBRE BRESSER-PEREIRA PÁGINA NO FACEBOOK
BONS ARTIGOS QUE LI BONS FILMES QUE ASSISTI

BRAZILIAN JOURNAL OF POLITICAL ECONOMY

OLHAR O MUNDO FALE CONOSCO
 
  Tipos de trabalhos  
 

Quem é/Who is

A guide to my work
Currículos / CVs
Short cv & bio
Textos autobiográficos
Sobre Bresser-Pereira

Tipos de Trabalhos

Livros
Livros na íntegra
Livros organizados (edited)
Papers
Pequenos textos, prefácios, etc.
Texto para Discussão
Artigos de jornal & Entrevistas
Principais Entrevistas
Notas no Facebook
Cartas
Críticas de Cinema
Documentos & Relatórios
Programas / Syllabus
Apresentações / Slides
Vídeos e Áudios





Outros idiomas

Works in English
Weekly Columns
Oeuvres en Français
Trabajos en Español

Método

Método científico

Novo Desenvolvimentismo

Novo Desenvolvimentismo (textos básicos)
Desenvolvimentismo Clássico (textos básicos)
Novo Desenvolvimentismo (economia política)
Novo Desenvolvimentismo (teoria econômica)
Novo Desenvolvimentismo (aplicado)
Novo Desenvolvimentismo (contribuições e críticas de terceiros)

Sociedade-Capitalismo

Teoria social - textos básicos
Teoria social (todos)
Capitalismo e modernidade
Classes e tecnoburocracia
Revolução Capitalista e ...
Revoluções, Revoltas e Movimentos
Globalização
Organização administração
Estatismo e URSS

Política

Teoria política - textos básicos
Teoria política (todos)
Teoria do Estado
Sociedade civil
Republicanismo e direitos de cidadania
Teoria da Democracia
Ciclos do Estado
Populismo político e econômico
Nação e nacionalismo
Social democracia e esquerda
Neoliberalismo e globalismo
Interpretações do Brasil
Pactos políticos e coalizões de classes - Br
Democracia no Brasil
Teoria da Dependência
História intelectual
Perfis individuais
Política Externa - Br
Burocracia pública - Br
Empresários e administradores - Br
Reforma da universidade
Conjuntura Política - Br
Reforma Gerencial - Teoria
Reforma Gerencial - Brasil

Economia

Teoria econômica - Textos básicos
Teoria econômica (todos)
Teoria do Desenvolvimento Econômico
Crítica da teoria neoclássica
Desigualdade e Distribuição
Teoria macroeconômica
Política e Economia
Câmbio e poupança externa
Câmbio e Doença Holandesa
Câmbio e crescimento
Crises econômico-financeiras
Dívida externa
Investimentos e taxa de lucro
Inflação
Inflação inercial
Comércio e integração
Economia mundial
Crise global de 2008
Desenvolvimento econômico - Br
Macroeconomia do Brasil
Populismo econômico - Br
Desindustrialização - Br
Crise fiscal do Estado - Br
Planos de estabilização - Br
Plano Bresser
Quase-estagnação desde 1980 - Br
Conjuntura Econômica - Br

Países e regiões

Relações internacionais
América Latina
Argentina
Estados Unidos
Europa

Trabalhos de terceiros

Bons artigos que li recentemente
Reforma Gerencial - Terceiros
Cursos
Debate sobre "Crescimento com Estabilidade"(2001)
Notícias e Comentários

Ações / Ministérios

Ministério da Fazenda
Plano Bresser
MCT Ministério da Ciência & Tecnologia
Fundação Getulio Vargas, São Paulo

MARE - Ministério da Reforma do Estado

Documentos da Reforma
Reforma Gerencial - Teoria
Reforma Gerencial - Brasil
Reforma Gerencial - Terceiros
Agências Executivas e Reguladoras
Organizações Sociais
Gestão da Saúde
Gestão da Educação
Implementação Nível Federal
Implementação São Paulo
Implementação Minas Gerais
Implementação Outros Estados
Bibliografia da Reforma da Gestão Pública
Cadernos MARE
América Latina: Declaração de Madri (Clad)
Leis sobre Organizações Sociais
 
 
 

 

Sim, a compaixão é essencial

Luiz Carlos Bresser-Pereira
Nota no Facebook, 30.7.2017.

Está sendo exibido em São Paulo o último filme de Terence Malick – De Canção em Canção – uma obra-prima de um grande artista que, com grandes intervalos, escreve e dirige filmes extraordinários. Este último equipara-se a Cinza do Paraíso ou a O Novo Mundo. É um filme de uma beleza plástica extraordinária, que não fica nada a dever ao melhor Godard; de uma tensão dramática igual à que encontramos em Hitchcock, embora sem que haja suspense. Mas o que me impressionou, além de uma criatividade artística que nos surpreende e nos maravilha por duas horas, é a angústia individualista dos personagens que o filme mostra. É a busca incessante de uma “liberdade” que afinal não liberta ninguém. É a busca da liberdade ou da realização pessoal que caracteriza o homem contemporâneo, individualista ao extremo, neoliberal. Uma busca que apenas o torna infeliz – prisioneiro de sua própria angústia.
Vendo esse filme eu não pude deixar de me perguntar o que é a liberdade, o que é a felicidade. Não vou responder a esta questão nesta pequena nota, mas tenho certeza que a resposta não é o individualismo possessivo que tomou conta da contemporaneidade, principalmente nos Estados Unidos. Na teoria política existe a oposição entre a liberdade liberal e a liberdade republicana. A liberdade liberal é a de fazer o que você pode, fazer o que quiser e puder, desde que não seja contra a lei; a liberdade republicana é outra coisa: é a de você ser capaz de adotar posições e realizar ações que não consultam a seus interesses pessoais, mas ao interesse público. Na filosofia clássica, a felicidade não é a satisfação de todos os seus desejos ou de todos os seus direitos, mas é a realização dos seus deveres para com os outros, é relacionamento humano e solidariedade. Não é o cinismo, mas a utopia.
Malick não diz isso expressamente em seu filme. Mas seu personagem principal – uma mulher – diz uma coisa fundamental. Afinal ela descobriu que precisa, e muito, de uma coisa que ela pensava que nunca precisaria – de compaixão. Sim, a compaixão é essencial. Precisamos ser compassivos e receber compaixão. O mundo contemporâneo, em oposição ao mundo moderno, não sabe o que é a compaixão, acredita na liberdade liberal e na felicidade individualista, perdeu a utopia. Pobre e angustiado mundo contemporâneo.

  

 

 

 

© Direitos Autorais Bresser-Pereira
São Paulo - SP | ceciliaheise46@gmail.com

 

Desenvolvido pela E-Xis | www.e-xis.com.br