PUBLICIDADE  
 
 
 
HOME SOBRE BRESSER-PEREIRA PÁGINA NO FACEBOOK
BONS ARTIGOS QUE LI BONS FILMES QUE ASSISTI

BRAZILIAN JOURNAL OF POLITICAL ECONOMY

OLHAR O MUNDO FALE CONOSCO
 
  Tipos de trabalhos  
 

Quem é/Who is

A guide to my work
Currículos / CVs
Short cv & bio
Textos autobiográficos
Sobre Bresser-Pereira

Tipos de Trabalhos

Livros
Livros na íntegra
Livros organizados (edited)
Papers
Pequenos textos, prefácios, etc.
Texto para Discussão
Artigos de jornal & Entrevistas
Principais Entrevistas
Notas no Facebook
Cartas
Críticas de Cinema
Documentos & Relatórios
Programas / Syllabus
Apresentações / Slides
Vídeos e Áudios





Outros idiomas

Works in English
Weekly Columns
Oeuvres en Français
Trabajos en Español

Método

Método científico

Novo Desenvolvimentismo

Novo Desenvolvimentismo (textos básicos)
Desenvolvimentismo Clássico (textos básicos)
Novo Desenvolvimentismo (economia política)
Novo Desenvolvimentismo (teoria econômica)
Novo Desenvolvimentismo (aplicado)
Novo Desenvolvimentismo (contribuições e críticas de terceiros)

Sociedade-Capitalismo

Teoria social - textos básicos
Teoria social (todos)
Capitalismo e modernidade
Classes e tecnoburocracia
Revolução Capitalista e ...
Revoluções, Revoltas e Movimentos
Globalização
Organização administração
Estatismo e URSS

Política

Teoria política - textos básicos
Teoria política (todos)
Teoria do Estado
Sociedade civil
Republicanismo e direitos de cidadania
Teoria da Democracia
Ciclos do Estado
Populismo político e econômico
Nação e nacionalismo
Social democracia e esquerda
Neoliberalismo e globalismo
Interpretações do Brasil
Pactos políticos e coalizões de classes - Br
Democracia no Brasil
Teoria da Dependência
História intelectual
Perfis individuais
Política Externa - Br
Burocracia pública - Br
Empresários e administradores - Br
Reforma da universidade
Conjuntura Política - Br
Reforma Gerencial - Teoria
Reforma Gerencial - Brasil

Economia

Teoria econômica - Textos básicos
Teoria econômica (todos)
Teoria do Desenvolvimento Econômico
Crítica da teoria neoclássica
Desigualdade e Distribuição
Teoria macroeconômica
Política e Economia
Câmbio e poupança externa
Câmbio e Doença Holandesa
Câmbio e crescimento
Crises econômico-financeiras
Dívida externa
Investimentos e taxa de lucro
Inflação
Inflação inercial
Comércio e integração
Economia mundial
Crise global de 2008
Desenvolvimento econômico - Br
Macroeconomia do Brasil
Populismo econômico - Br
Desindustrialização - Br
Crise fiscal do Estado - Br
Planos de estabilização - Br
Plano Bresser
Quase-estagnação desde 1980 - Br
Conjuntura Econômica - Br

Países e regiões

Relações internacionais
América Latina
Argentina
Estados Unidos
Europa

Trabalhos de terceiros

Bons artigos que li recentemente
Reforma Gerencial - Terceiros
Cursos
Debate sobre "Crescimento com Estabilidade"(2001)
Notícias e Comentários

Ações / Ministérios

Ministério da Fazenda
Plano Bresser
MCT Ministério da Ciência & Tecnologia
Fundação Getulio Vargas, São Paulo

MARE - Ministério da Reforma do Estado

Documentos da Reforma
Reforma Gerencial - Teoria
Reforma Gerencial - Brasil
Reforma Gerencial - Terceiros
Agências Executivas e Reguladoras
Organizações Sociais
Gestão da Saúde
Gestão da Educação
Implementação Nível Federal
Implementação São Paulo
Implementação Minas Gerais
Implementação Outros Estados
Bibliografia da Reforma da Gestão Pública
Cadernos MARE
América Latina: Declaração de Madri (Clad)
Leis sobre Organizações Sociais
 
 
 

 

Nação e vergonha

Luiz Carlos Bresser-Pereira
Nota no Facebook, 25.6.2017.

Nunca a nação brasileira esteve tão mal quanto está hoje. Nada é mais importante para um povo do que se transformar em nação, ocupar um território, construir um Estado, e, assim, contar com uma instituição política para realizar seus objetivos de segurança, liberdade, bem-estar econômico, justiça social e proteção do ambiente. A nação é a sociedade política básica, e o Estado, seu instrumento de ação coletiva por excelência. Por isso os povos lutam tanto para formar seu estado-nação – a unidade político-territorial soberana constituída por uma nação, um território e um Estado.
Uma nação é forte ou fraca conforme seus membros partilhem de uma história e um destino comum, e conforme seja mais, ou menos, coesa e solidária. Contra a coesão e a solidariedade de cada nação agem forças internas – o conflito de classes que será tanto maior quanto for a desigualdade entre as famílias, – e forças externas: o poder imperial das nações mais fortes econômica e culturalmente, que buscam mantê-la subordinada, incapaz de competir na cena internacional.
A última vez que a nação brasileira foi forte – solidaria e independente – foi nos anos 1980 quando ocorreu a transição democrática, quando os brasileiros se uniram, comprometeram-se com a democracia e a diminuição das desigualdades, e aprovaram a Constituição de 1988. Nos anos seguintes o país avançou nesses dois pontos, mas o desenvolvimento econômico, que parecia garantido porque fora muito grande entre 1930 e 1980, deixou de acontecer.
Entre 1930 e 1990 o Brasil foi governado por uma coalizão de classes desenvolvimentista e nacionalista formada por empresários, trabalhadores e a burocracia pública; desde 1990, está subordinada a uma coalizão liberal e dependente formada por capitalistas rentistas, financistas, classe média tradicional e interesses estrangeiros.
Os governos liberais de Collor e de Cardoso instalaram no país o atual regime de política econômica liberal; os governos petistas de Lula e Dilma tentaram mudar este quadro, mas fracassaram; lograram apenas uma melhoria na distribuição de renda.
Em 1990, com a abertura comercial e a desmontagem do mecanismo que mantinha a taxa de câmbio competitiva, as empresas industriais deixaram de poder competir internacionalmente e desencadeou-se um processo de desindustrialização e baixo crescimento. Não bastasse essa nova dependência, depois de muitos anos de autonomia nacional, o sistema eleitoral proporcional de listas abertas encareceu brutalmente as campanhas políticas, e levou os políticos a mergulharem em um sistema político-empresarial de corrupção de grandes proporções. Para completar, dada a incompetência demonstrada pela presidente Dilma Rousseff e o autoritarismo das elites econômicas oligárquico-liberais, em 2016 um golpe de Estado feriu a democracia brasileira, ao mesmo tempo em que entregou o país a uma quadrilha encastelada no Palácio do Planalto.
Que dizem os brasileiros disso tudo? Estão envergonhados, profundamente envergonhados. Segundo pesquisa do Datafolha, 47% dos entrevistados têm mais vergonha do que orgulho de serem brasileiros. Houve um aumento brusco desse sentimento que, em dezembro passado, já atingia um número elevado, 28% dos brasileiros.
Nunca, repito, a nação brasileira esteve tão fraca e dividida; nunca o liberalismo e a dependência pesaram tanto do Brasil quanto hoje; nunca tantos brasileiros foram desempregados; nunca estiveram tão sem perspectivas, tanto à direita quanto à esquerda. Nunca foi mais importante que repensemos nossa vida social, recuperemos nossa autonomia nacional, e construamos um projeto de nação independente, democrático, desenvolvimentista, social e ambiental.
  

 

 

 

© Direitos Autorais Bresser-Pereira
São Paulo - SP | ceciliaheise46@gmail.com

 

Desenvolvido pela E-Xis | www.e-xis.com.br