PUBLICIDADE  
 
 
 
HOME SOBRE BRESSER-PEREIRA PÁGINA NO FACEBOOK
BONS ARTIGOS QUE LI BONS FILMES QUE ASSISTI

BRAZILIAN JOURNAL OF POLITICAL ECONOMY

OLHAR O MUNDO FALE CONOSCO
 
  Tipos de trabalhos  
 

Quem é/Who is

A guide to my work
Currículos / CVs
Short cv & bio
Textos autobiográficos
Textos sobre Bresser-Pereira





Livros

Livros
Livros na íntegra
Livros organizados (edited)

Trabalhos acadêmicos

Papers
Pequenos textos, prefácios, etc.
Texto para Discussão
Apresentações / Slides
Programas / Syllabus
Documentos & Relatórios

Trabalhos na midia

Artigos de jornal & Entrevistas
Principais Entrevistas
Notas no Facebook
Vídeos e Áudios

Método, perfis, outros

Método científico
Cartas
Perfis de pessoas
Críticas de Cinema

Outros idiomas

Works in English
Oeuvres en Français
Trabajos en Español

Novo Desenvolvimentismo

Novo Desenvolvimentismo (textos básicos)
Desenvolvimentismo Clássico (textos básicos)
Novo Desenvolvimentismo (economia política)
Novo Desenvolvimentismo (teoria econômica)
Novo Desenvolvimentismo (aplicado)
Novo Desenvolvimentismo (contribuições e críticas de terceiros)

Sociedade-Capitalismo

Teoria social - textos básicos
Teoria social (todos)
Capitalismo e modernidade
Classes e tecnoburocracia
Revolução Capitalista e ...
Revoluções, Revoltas e Movimentos
Globalização
Organização administração
Estatismo e URSS

Política

Teoria política - textos básicos
Teoria política (todos)
Teoria do Estado
Sociedade civil
Republicanismo e direitos de cidadania
Teoria da Democracia
Ciclos do Estado
Populismo político e econômico
Nação e nacionalismo
Social democracia e esquerda
Neoliberalismo e globalismo

Política brasileira

Interpretações do Brasil
Pactos políticos e coalizões de classes
Democracia no Brasil
Teoria da Dependência
História intelectual
Política Externa
Burocracia pública
Empresários e administradores
Reforma da universidade
Conjuntura Política
Reforma Gerencial - Teoria
Reforma Gerencial do Brasil

Economia

Teoria econômica - Textos básicos
Teoria econômica (todos)
Teoria do Desenvolvimento Econômico
Crítica da teoria neoclássica
Desigualdade e Distribuição
Teoria macroeconômica
Política e Economia
Câmbio e poupança externa
Câmbio e Doença Holandesa
Câmbio e crescimento
Crises econômico-financeiras
Dívida externa
Investimentos e taxa de lucro
Inflação
Inflação inercial
Comércio e integração
Economia mundial
Crise global de 2008

Economia brasileira

Economia brasileira até 1979
Economia brasileira 1980-2002
Economia brasileira desde 2003
Quase-estagnação desde 1980
Populismo econômico
Desindustrialização
Crise fiscal do Estado
Planos de estabilização
Plano Bresser

Países e regiões

Relações internacionais
América Latina
Argentina
Estados Unidos
Europa

Trabalhos de terceiros

Bons artigos que li recentemente
Reforma Gerencial - Terceiros
Cursos
Debate sobre "Crescimento com Estabilidade"(2001)
Projeto Brasil Nação - Notícias e Comentários

Ações / Ministérios

Ministério da Fazenda
Plano Bresser
MCT Ministério da Ciência & Tecnologia
Fundação Getulio Vargas, São Paulo

MARE - Ministério da Reforma do Estado

Documentos da Reforma
Reforma Gerencial - Teoria
Reforma Gerencial - Brasil
Reforma Gerencial - Terceiros
Agências Executivas e Reguladoras
Organizações Sociais
Gestão da Saúde
Gestão da Educação
Implementação Nível Federal
Implementação São Paulo
Implementação Minas Gerais
Implementação Outros Estados
Bibliografia da Reforma da Gestão Pública
Cadernos MARE
América Latina: Declaração de Madri (Clad)
Leis sobre Organizações Sociais
 
 
 

 

Pré-Sal: o modelo regulatório e a neutralização da doença holandesa

André Leonardo Meerholz
Rio de Janeiro: Sinergia Editora, 2017.

Sumário

INTRODUÇÃO

PARTE I - A DOENÇA HOLANDESA E SUA NEUTRALIZAÇÃO

Capítulo 1 - DESINDUSTRIALIZAÇÃO E DOENÇA HOLANDESA

1.1   INDÚSTRIA E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

1.2   RECURSOS NATURAIS NA ECONOMIA
1.2.1   Recursos naturais: uma benção
1.2.2   Recursos naturais: um risco

1.3   DESINDUSTRIALIZAÇÃ0
1.3.1   Qualificação do termo
1.3.2   Relação produção-emprego-produtividade
1.3.3.  Naturalidade e riscos do processo
1.3.4   Hipóteses mais comuns

1.4   DOENÇA HOLANDESA
1.4.1   Considerações iniciais
1.4.2.  A delimitação do conceito
1.4.3   Resource Movement Effect e Spending Effect
1.4.4   Taxa de câmbio de equilíbrio corrente e industrial
1 .4.5   Medida da Intensidade
1 .4.6   Maldição dos recursos naturais
1.4.6.1   Captura de renda
1.4.6.2   Desarticulação econômica

Capítulo 2 - DOENÇA HOLANDESA E SEU ENFRENTAMENT0

2.1   UMA FALHA DE MERCADO MACROECONÔMICA

2.2   A NEUTRALIZAÇÃO DA DOENÇA HOLANDESA
2.2.1   A administração da taxa de câmbio
2.2.2   Aplicação de instrumentos tributários
2.2.3   Constituição de fundo de estabilização

2.3   RESISTÊNCIA AO PROCESSO DE NEUTRALIZAÇÃO
2.3.1   Efeitos colaterais macroeconômicos
2.3.2   Oposição de grupos de interesses

2.4   EXPERIÊNCIA INTERNACIONAL
2.4.1   Noruega
2.4.2   Chile

2.5   ADEQUAÇÃO DA EXPERIÊNCIA INTERNACIONAL AO CASO BRASILEIR0


PARTE II - ADOENÇA HOLANDESA E SUA NEUTRALIZAÇÃ0

Capítulo 3 - REGIMES JURÍDICOS DE EXPLORAÇÃO DE PETRÓLEO

3.1   A LEX PETROLEA

3.2   CRITÉRIOS DE CLASSIFICAÇÃO

3.3   MONOPÓLIO ESTATAL NA EXPLORAÇÃO
3.3.1   Exclusividade do Estado
3.3.2   Contrato de serviços puros
3.3.3   Contrato de serviços com risco

3.4   EXPLORAÇÃO COM PARTICIPAÇÃO PRIVADA
3.4. 1   Regime de concessão
3.4.1.1   Modalidades de concessão
3.4.1.2   Elementos da concessão
3.4.2   Regime de partilha de produção
3.4.2.1   Repartição do produto e Remuneração
3.4.3   Contratos de associação
3.4.3.1.  Joint Operating Agreements
3.4.3.2.  Elementos do contra.to de associação

3.5   A ADOÇÃO CONCOMITANTE DE REGIMES EXPLORATÓRIOS

Capítulo 4 - O REGIME JURÍDICO DO PETRÓLEO NO BRASIL.

4.1   Tratamento constitucional da atividade de exploração
4.1.1   Monopólio Original
4.1.2   A flexibilização do regime
4.1 .3   A chancela do Judiciário

4.2   CLASSIFICAÇÃO DO PETRÓLEO NO REGIME DE BENS JURÍDICOS
4.2.1   Um bem público de uso especial
4.2.2   Um bem público dominical

4.3   O MODELO EXPLORATÓRIO DA LEI Nº 9.478/1997

4.4   O PRÉ-SAL
4.4.1   Delimitação e características geológicas
4.4.2   Potencial das reservas

4.5   O REGIME JURÍDICO DO PRÉ-SAL
4.5. 1   O regime de cessão onerosa
4.5.2   O regime de partilha de produção
4.5.2.1   Repartição de competências
4.5.2.1.1   Pré-Sal Petróleo S.A
4.5.2.1.2   Petrobras
4.5.2.1.3   Conselho Nacional de Política Energética
4.5.2.1.4   Ministério de Minas e Energia
4.5.2.1.5   Agência Nacional do Petróleo
4.5.2.1.6   Consórcio
4.5.2.2   Critérios de participação e contratação
4.5.2.3   Repartição das receitas
4.5.2.4   Conteúdo local

4.6   CONSIDERAÇÕES ACERCA DO REGIME REGULATÓRIO DO PRÉ-SAL

PARTE III - O MODELO REGULATÓRIO DO PRÉ-SAL E A DOENÇA HOLANDESA

Capítulo 5 - O FUNDO SOCIAL

5.1   COMPOSIÇÃO FINANCEIRA DO FUNDO SOCIAL
5.1 .1   Modalidades de participações governamentais
5.1 .2   O conflito distributivo das participações

5.2.  A NATUREZA CONTÁBIL E FINANCEIRA DO FUNDO SOCIAL

5.3   OBJETIVOS DO FUNDO SOCIAL
5.3.1   Constituição de poupança de longo prazo
5.3.2   Desenvolvimento social e regional
5.3.3   Mitigar flutuações de preço e renda

Capítulo 6 - REGIME DE PARTILHA DE PRODUÇÃO, FUNDO SOCIAL E DOENÇA HOLANDESA

6.1   Estabilidade monetária e cambial no processo de desenvolvimento

6.2   A apropriação do resultado da exploração via regime regulatório

6.3   A alocação das receitas no Fundo Social

6.4   O papel da política de investimentos

6.5   Gestão dos resultados dos investimentos

6.6   Idoneidade contábil e transparência na gestão

CONSIDERAÇÕES FINAIS

REFERÊNCIAS
 

 

 

 

© Direitos Autorais Bresser-Pereira
São Paulo - SP | ceciliaheise46@gmail.com

 

Desenvolvido pela E-Xis | www.e-xis.com.br