PUBLICIDADE  
 
 
 
HOME SOBRE BRESSER-PEREIRA PÁGINA NO FACEBOOK
BONS ARTIGOS QUE LI BONS FILMES QUE ASSISTI

BRAZILIAN JOURNAL OF POLITICAL ECONOMY

OLHAR O MUNDO FALE CONOSCO
 
  Tipos de trabalhos  
 

Quem é/Who is

A guide to my work
Currículos / CVs
Short cv & bio
Textos autobiográficos
Sobre Bresser-Pereira

Tipos de Trabalhos

Livros
Livros na íntegra
Livros organizados (edited)
Papers
Pequenos textos, prefácios, etc.
Texto para Discussão
Artigos de jornal & Entrevistas
Principais Entrevistas
Notas no Facebook
Cartas
Críticas de Cinema
Documentos & Relatórios
Programas / Syllabus
Apresentações / Slides
Vídeos e Áudios





Outros idiomas

Works in English
Weekly Columns
Oeuvres en Français
Trabajos en Español

Método

Método científico

Novo Desenvolvimentismo

Novo Desenvolvimentismo (textos básicos)
Desenvolvimentismo Clássico (textos básicos)
Novo Desenvolvimentismo (economia política)
Novo Desenvolvimentismo (teoria econômica)
Novo Desenvolvimentismo (aplicado)
Novo Desenvolvimentismo (contribuições e críticas de terceiros)

Sociedade-Capitalismo

Teoria social - textos básicos
Teoria social (todos)
Capitalismo e modernidade
Classes e tecnoburocracia
Revolução Capitalista e ...
Revoluções, Revoltas e Movimentos
Globalização
Organização administração
Estatismo e URSS

Política

Teoria política - textos básicos
Teoria política (todos)
Teoria do Estado
Sociedade civil
Republicanismo e direitos de cidadania
Teoria da Democracia
Ciclos do Estado
Populismo político e econômico
Nação e nacionalismo
Social democracia e esquerda
Neoliberalismo e globalismo
Interpretações do Brasil
Pactos políticos e coalizões de classes - Br
Democracia no Brasil
Teoria da Dependência
História intelectual
Perfis individuais
Política Externa - Br
Burocracia pública - Br
Empresários e administradores - Br
Reforma da universidade
Conjuntura Política - Br
Reforma Gerencial - Teoria
Reforma Gerencial - Brasil

Economia

Teoria econômica - Textos básicos
Teoria econômica (todos)
Teoria do Desenvolvimento Econômico
Crítica da teoria neoclássica
Desigualdade e Distribuição
Teoria macroeconômica
Política e Economia
Câmbio e poupança externa
Câmbio e Doença Holandesa
Câmbio e crescimento
Crises econômico-financeiras
Dívida externa
Investimentos e taxa de lucro
Inflação
Inflação inercial
Comércio e integração
Economia mundial
Crise global de 2008
Desenvolvimento econômico - Br
Macroeconomia do Brasil
Populismo econômico - Br
Desindustrialização - Br
Crise fiscal do Estado - Br
Planos de estabilização - Br
Plano Bresser
Quase-estagnação desde 1980 - Br
Conjuntura Econômica - Br

Países e regiões

Relações internacionais
América Latina
Argentina
Estados Unidos
Europa

Trabalhos de terceiros

Bons artigos que li recentemente
Reforma Gerencial - Terceiros
Cursos
Debate sobre "Crescimento com Estabilidade"(2001)
Notícias e Comentários

Ações / Ministérios

Ministério da Fazenda
Plano Bresser
MCT Ministério da Ciência & Tecnologia
Fundação Getulio Vargas, São Paulo

MARE - Ministério da Reforma do Estado

Documentos da Reforma
Reforma Gerencial - Teoria
Reforma Gerencial - Brasil
Reforma Gerencial - Terceiros
Agências Executivas e Reguladoras
Organizações Sociais
Gestão da Saúde
Gestão da Educação
Implementação Nível Federal
Implementação São Paulo
Implementação Minas Gerais
Implementação Outros Estados
Bibliografia da Reforma da Gestão Pública
Cadernos MARE
América Latina: Declaração de Madri (Clad)
Leis sobre Organizações Sociais
 
 
 

 

Depoimento sobre Alimentos Transgênicos na Câmara dos Deputados - Comissão de C&T

Luiz Carlos Bresser-Pereira
Depoimento na Comissão de Ciência,Tecnologia, Comunicação e Informática da Câmara dos Deputados, Brasília, 5 de maio de 1999, sobre Alimentos Transgênicos e C&T.


Testimony on GMOs (genetic modified organisms) at the Comissão de C&T da Câmara dos Deputados. Acording to the Brazilian law, GMOs are previously check by the CTNBIO - a commitee of scientists. If they approve a given organism, there is no reason to keep saying that it will cause damage to health or the environment.

- Biossegurança como instrumento da Política
- Científica e Tecnológica
- A CTNBio e a soja transgênica
- Aspectos econômicos
- Debate sobre transgênicos na Europa
- Rotulagem de produtos transgênicos
- Fundação CTI
- Debates com os Deputados
- Investimentos em Ciência e Tecnologia
- Incentivos Fiscais
- Painéis Setoriais
- Centro Tecnológico para Informática (CTI)
- Estação Espacial Internacional
- Leis de Incentivos: Leis 8248 e 8661
- Transgênicos: Monopólio, Volta à Inquisição


É um prazer e uma honra estar aqui para conversar com os senhores e prestar informações sobre a política de ciência e tecnologia. Meu entendimento é que, na convocação, os senhores estavam interessados especificamente na questão da soja transgênica ou, por extensão, nos produtos transgênicos e também no programa de extinção da Fundação do CTI. É sobre esses assuntos que vou falar especificamente. Depois fico aberto a perguntas de qualquer natureza.
Com relação aos produtos transgênicos, creio que nós devemos examinar o problema sob dois pontos de vista do MCT: um é específico da Biossegurança e, outro, é o do âmbito econômico, da eficiência, da tecnologia e da competitividade do Brasil internacionalmente. Tanto um assunto quanto o outro interessam, evidentemente, ao Ministério da Ciência e Tecnologia.
Sabemos que quando se pensa em objetivos relacionados, existem os que são complementares: de um lado há o desenvolvimento econômico puro e simples e, de outro, o desenvolvimento econômico sustentável. Duas coisas parecidas, mas diferentes. E nós temos que fazer às vezes trade offs, barganhas, para atingir metas de desenvolvimento. O combate à poluição, por exemplo, é um programa que custa caro, envolve imensas dificuldades tecnológicas, mas precisa ser realizado. Essa é uma situação que envolve trade offs, porque é fundamental defender o meio ambiente, a natureza, o mundo em que nós vivemos e para pensarmos a longo prazo, nas futuras gerações.
Agora, em relação aos produtos transgênicos, por mais que eu analise o problema e por tudo o que ouvi de todos os técnicos e cientistas com quem conversei, não creio que haja algum trade off envolvido nessa questão. Não se verifica qualquer trade off em relação ao desenvolvimento econômico e do desenvolvimento auto-sustentável. Não há perdas em termos de segurança biológica e proteção ambiental, como contrapartida a ganhos em desenvolvimento econômico.
Mas é preciso discutir primeiro a questão da biossegurança e depois o desenvolvimento econômico.


Biossegurança como instrumento da Política Científica e Tecnológica

Ontem houve uma audiência aqui nesta Comissão, em que esteve presente o presidente da CTNBio, a Comissão Técnica Nacional de Biossegurança do Governo Federal. Nessa reunião, uma das pessoas que falaram, uma vice-presidente da SBPC, uma notável cientista, fez a seguinte declaração: "quem deveria fazer política de ciência e tecnologia no Brasil é a Câmara dos Deputados". E recebeu palmas por isso. Aplausos por uma coisa que é absolutamente óbvia.
Quem deve fazer política de ciência e tecnologia no Brasil é, principalmente e fundamentalmente, o Congresso Nacional. Em qualquer país democrático, as políticas mais permanentes de um país são definidas pelo Congresso Nacional, através das leis que aprova. E, no caso da biossegurança, o Congresso Nacional aprovou uma lei exemplar, que é a Lei Nº 8.974/95, que estabeleceu os princípios gerais da biossegurança no Brasil. Um de seus princípios mais fundamentais, comum à legislação dos demais países, determina que, nos casos de liberação no meio ambiente de organismos geneticamente modificados, é preciso examinar caso a caso para saber se aquele produto pode ter conseqüências negativas para a saúde o

 

 

 

© Direitos Autorais Bresser-Pereira
São Paulo - SP | ceciliaheise46@gmail.com

 

Desenvolvido pela E-Xis | www.e-xis.com.br