PUBLICIDADE  
 
 
 
HOME SOBRE BRESSER-PEREIRA PÁGINA NO FACEBOOK
BONS ARTIGOS QUE LI BONS FILMES QUE ASSISTI

BRAZILIAN JOURNAL OF POLITICAL ECONOMY

OLHAR O MUNDO FALE CONOSCO
 
  Tipos de trabalhos  
 

Quem é/Who is

A guide to my work
Currículos / CVs
Short cv & bio
Textos autobiográficos
Sobre Bresser-Pereira

Tipos de Trabalhos

Livros
Livros na íntegra
Livros organizados (edited)
Papers
Pequenos textos, prefácios, etc.
Texto para Discussão
Artigos de jornal & Entrevistas
Principais Entrevistas
Notas no Facebook
Cartas
Críticas de Cinema
Documentos & Relatórios
Programas / Syllabus
Apresentações / Slides
Vídeos e Áudios





Outros idiomas

Works in English
Weekly Columns
Oeuvres en Français
Trabajos en Español

Método

Método científico

Novo Desenvolvimentismo

Novo Desenvolvimentismo (textos básicos)
Desenvolvimentismo Clássico (textos básicos)
Novo Desenvolvimentismo (economia política)
Novo Desenvolvimentismo (teoria econômica)
Novo Desenvolvimentismo (aplicado)
Novo Desenvolvimentismo (contribuições e críticas de terceiros)

Sociedade-Capitalismo

Teoria social - textos básicos
Teoria social (todos)
Capitalismo e modernidade
Classes e tecnoburocracia
Revolução Capitalista e ...
Revoluções, Revoltas e Movimentos
Globalização
Organização administração
Estatismo e URSS

Política

Teoria política - textos básicos
Teoria política (todos)
Teoria do Estado
Sociedade civil
Republicanismo e direitos de cidadania
Teoria da Democracia
Ciclos do Estado
Populismo político e econômico
Nação e nacionalismo
Social democracia e esquerda
Neoliberalismo e globalismo
Interpretações do Brasil
Pactos políticos e coalizões de classes - Br
Democracia no Brasil
Teoria da Dependência
História intelectual
Perfis individuais
Política Externa - Br
Burocracia pública - Br
Empresários e administradores - Br
Reforma da universidade
Conjuntura Política - Br
Reforma Gerencial - Teoria
Reforma Gerencial - Brasil

Economia

Teoria econômica - Textos básicos
Teoria econômica (todos)
Teoria do Desenvolvimento Econômico
Crítica da teoria neoclássica
Desigualdade e Distribuição
Teoria macroeconômica
Política e Economia
Câmbio e poupança externa
Câmbio e Doença Holandesa
Câmbio e crescimento
Crises econômico-financeiras
Dívida externa
Investimentos e taxa de lucro
Inflação
Inflação inercial
Comércio e integração
Economia mundial
Crise global de 2008
Desenvolvimento econômico - Br
Macroeconomia do Brasil
Populismo econômico - Br
Desindustrialização - Br
Crise fiscal do Estado - Br
Planos de estabilização - Br
Plano Bresser
Quase-estagnação desde 1980 - Br
Conjuntura Econômica - Br

Países e regiões

Relações internacionais
América Latina
Argentina
Estados Unidos
Europa

Trabalhos de terceiros

Bons artigos que li recentemente
Reforma Gerencial - Terceiros
Cursos
Debate sobre "Crescimento com Estabilidade"(2001)

MARE - Ministério da Reforma do Estado

Documentos da Reforma
Reforma Gerencial - Teoria
Reforma Gerencial - Brasil
Reforma Gerencial - Terceiros
Agências Executivas e Reguladoras
Organizações Sociais
Gestão da Saúde
Gestão da Educação
Implementação Nível Federal
Implementação São Paulo
Implementação Minas Gerais
Implementação Outros Estados
Bibliografia da Reforma da Gestão Pública
Cadernos MARE
América Latina: Declaração de Madri (Clad)
Leis sobre Organizações Sociais
 
 
 

 

Imperialismo não mais do Ocidente, mas dos Estados Unidos

Luiz Carlos Bresser-Pereira
Nota no Facebook, 21.1.2017

Donald Trump ignora os interesses comuns dos países ricos – mão-de-obra cara, investimentos elevados nos países em desenvolvimento através de empresas multinacionais, liberalismo econômico como ideologia, projeto de impor a todos os países a lógica da democracia liberal independentemente de seu grau de desenvolvimento econômico.

Desde quando a Inglaterra completou sua revolução industrial e, em seguida, derrotou a França em 1815, começou a se formar o imperialismo moderno, o Ocidente, sob a liderança do primeiro país, e sócios menores, a França, a Bélgica, a Holanda, e, já no final do século XIX, os Estados Unidos, a Alemanha e a Itália. Enquanto o Ocidente reduzia à condição de colônia os povos da Ásia e da África, ajudou os países latino-americanos a se liberarem de Espanha e Portugal para que se tornassem seus tributários a partir de sua hegemonia ideológica. A Segunda Guerra Mundial representou a superação do sistema colonial transformando-se as antigas colônias em estados-nação, a transferência da liderança do Ocidente para os Estados Unidos, e o advento da hegemonia ideológica – o imperialismo via persuasão das elites dos países em desenvolvimento que os interesses do Ocidente coincidem com o dos povos dominados.

Em todo esse processo histórico, o Ocidente se definiu pela associação dos países ricos, fosse ele exercido pela força direta ou pela hegemonia ideológica, e seu objetivo foi sempre o mesmo: ocupar os mercados internos dos demais países sem a devida reciprocidade.

A campanha e agora o discurso de posse do presidente eleitos, Donald Trump, sugerem que esse quadro mudará de forma importante. Os Estados Unidos continuam determinados a dominar o mundo de acordo com seus interesses, mas não está mais disposto a se associar aos demais países ricos nessa tarefa. O presidente americano ignora os interesses comuns que esses países têm – mão-de-obra cara, investimentos elevados nos países em desenvolvimento através de empresas multinacionais, o liberalismo econômico como ideologia, o projeto de impor a todos os países a lógica da democracia liberal independentemente de seu grau de desenvolvimento econômico. E entende que os demais países ricos estão explorando os Estados Unidos ao não arcarem com os custos da defesa do Ocidente. Como também estariam os países em desenvolvimento, a começar pela China, que exportam para os Estados Unidos bens manufaturados, e, assim, roubam os empregos dos trabalhadores americanos.

Não sei o que resultará de tudo isso. O nacionalismo econômico foi sempre uma ideologia adotada pelos países ricos, mas em combinação com o liberalismo econômico. O imperialismo por hegemonia dos Estados Unidos esteve sempre baseado na combinação dessas duas ideologias relativamente contraditórias. Agora parece que ficaremos apenas com o nacionalismo. Um nacionalismo populista e imperialista. E não mais um imperialismo do Ocidente, mas dos Estados Unidos.

Terão os Estados Unidos capacidade para exercer esse papel? Terá Trump poder para realizar esse plano alucinado? Minha resposta é “não” para as duas perguntas. O que significa que teremos tempos turbulentos pela frente.
 

 

 

 

© Direitos Autorais Bresser-Pereira
São Paulo - SP | ceciliaheise46@gmail.com

 

Desenvolvido pela E-Xis | www.e-xis.com.br