PUBLICIDADE  
 
 
 
HOME SOBRE BRESSER-PEREIRA PÁGINA NO FACEBOOK
BONS ARTIGOS QUE LI BONS FILMES QUE ASSISTI

BRAZILIAN JOURNAL OF POLITICAL ECONOMY

OLHAR O MUNDO FALE CONOSCO
 
  Tipos de trabalhos  
 

Quem é/Who is

A guide to my work
Currículos / CVs
Short cv & bio
Textos autobiográficos
Sobre Bresser-Pereira

Tipos de Trabalhos

Livros
Livros na íntegra
Livros organizados (edited)
Papers
Pequenos textos, prefácios, etc.
Texto para Discussão
Artigos de jornal & Entrevistas
Principais Entrevistas
Notas no Facebook
Cartas
Críticas de Cinema
Documentos & Relatórios
Programas / Syllabus
Apresentações / Slides
Vídeos e Áudios





Outros idiomas

Works in English
Weekly Columns
Oeuvres en Français
Trabajos en Español

Método

Método científico

Novo Desenvolvimentismo

Novo Desenvolvimentismo (textos básicos)
Desenvolvimentismo Clássico (textos básicos)
Novo Desenvolvimentismo (economia política)
Novo Desenvolvimentismo (teoria econômica)
Novo Desenvolvimentismo (aplicado)
Novo Desenvolvimentismo (contribuições e críticas de terceiros)

Sociedade-Capitalismo

Teoria social - textos básicos
Teoria social (todos)
Capitalismo e modernidade
Classes e tecnoburocracia
Revolução Capitalista e ...
Revoluções, Revoltas e Movimentos
Globalização
Organização administração
Estatismo e URSS

Política

Teoria política - textos básicos
Teoria política (todos)
Teoria do Estado
Sociedade civil
Republicanismo e direitos de cidadania
Teoria da Democracia
Ciclos do Estado
Populismo político e econômico
Nação e nacionalismo
Social democracia e esquerda
Neoliberalismo e globalismo
Interpretações do Brasil
Pactos políticos e coalizões de classes - Br
Democracia no Brasil
Teoria da Dependência
História intelectual
Perfis individuais
Política Externa - Br
Burocracia pública - Br
Empresários e administradores - Br
Reforma da universidade
Conjuntura Política - Br
Reforma Gerencial - Teoria
Reforma Gerencial - Brasil

Economia

Teoria econômica - Textos básicos
Teoria econômica (todos)
Teoria do Desenvolvimento Econômico
Crítica da teoria neoclássica
Desigualdade e Distribuição
Teoria macroeconômica
Política e Economia
Câmbio e poupança externa
Câmbio e Doença Holandesa
Câmbio e crescimento
Crises econômico-financeiras
Dívida externa
Investimentos e taxa de lucro
Inflação
Inflação inercial
Comércio e integração
Economia mundial
Crise global de 2008
Desenvolvimento econômico - Br
Macroeconomia do Brasil
Populismo econômico - Br
Desindustrialização - Br
Crise fiscal do Estado - Br
Planos de estabilização - Br
Plano Bresser
Quase-estagnação desde 1980 - Br
Conjuntura Econômica - Br

Países e regiões

Relações internacionais
América Latina
Argentina
Estados Unidos
Europa

Trabalhos de terceiros

Bons artigos que li recentemente
Reforma Gerencial - Terceiros
Cursos
Debate sobre "Crescimento com Estabilidade"(2001)
Notícias e Comentários

Ações / Ministérios

Ministério da Fazenda
Plano Bresser
MCT Ministério da Ciência & Tecnologia
Fundação Getulio Vargas, São Paulo

MARE - Ministério da Reforma do Estado

Documentos da Reforma
Reforma Gerencial - Teoria
Reforma Gerencial - Brasil
Reforma Gerencial - Terceiros
Agências Executivas e Reguladoras
Organizações Sociais
Gestão da Saúde
Gestão da Educação
Implementação Nível Federal
Implementação São Paulo
Implementação Minas Gerais
Implementação Outros Estados
Bibliografia da Reforma da Gestão Pública
Cadernos MARE
América Latina: Declaração de Madri (Clad)
Leis sobre Organizações Sociais
 
 
 

 

Eleições diretas já

Luiz Carlos Bresser-Pereira
Nota no Facebook, 13.12.2016

Ontem a Folha publicou belo e indignado artigo de Guilherme Wisnik sobre filme documentário, “Martírio”, de Vincent Carelli, que narra a violência e o roubo de terras de que têm sido vítimas os Guaranis-Kaiowás do Mato Grosso. E na mesma Folha há a notícia de que o governo federal prepara decreto que permitirá ao agronegócio rediscutir todas as terras que já são reservas indígenas. Hoje continuará a votação da emenda do teto que esse mesmo governo enviou ao Congresso para iniciar o desmantelamento do Estado social brasileiro. O desemprego não para de subir e as empresas estão quebradas ou quase, mas esse governo nada faz.

Que governo é esse? Um governo de oportunistas que participaram durante treze anos dos governos do PT, nunca tendo adotado um programa ortodoxo-liberal, mas que agora o adotam de forma radical. Um grupo de políticos que aproveitou a crise econômica e política para prometer ao PSDB e às elites rentistas e financeiras um programa neoliberal através do documento “Ponto para o Futuro”.

Qual o critério que utiliza desde que assumiu o poder? O critério neoliberal: supor que “o mercado” (um mecanismo milagroso) tudo coordena com perfeição, de forma que o governo nada tem a fazer no plano econômico senão cortar despesas, reduzir o tamanho do Estado, tirar direitos dos trabalhadores e dos pobres.

Quanto tempo durará esse governo? Já não acredito nem quero que chegue a 2018. As delações mostram que seus membros não recebem apenas doações no caixa 2: eles receberam também propinas, trocaram emendas ou obras por dinheiro. O aprofundamento da recessão mostra que o governo, ao invés de procurar superá-la, a aprofunda. Sua popularidade não para de cair. Torna-se cada vez mais claro para as classes médias moralistas  trocaram o governo Dilma por um governo muito inferior no plano moral. E a pesquisa de hoje do Datafolha mostra que o carro-chefe das suas reformas neoliberais, o teto fiscal, é fortemente rejeitado  pelos brasileiros: 60% são contra; apenas 24%, favoráveis. Pesquisa de ontem também do Datafolha mostra que a popularidade de Lula voltou a subir fortemente.

Hoje o notável jornalista Mario Sergio Conti publica na Folha o artigo “Fora Temer”, no qual afirma, com razão, que “o presidente é o obstáculo maior à normalidade democrática e à racionalidade econômica”. Há 45 dias um jovem me convidou para participar de uma manifestação “Fora Temer”. Eu disse a ele que compreendia a indignação dos jovens contra um governo que chegou ao poder violentando a democracia, mas com a minha idade e a minha responsabilidade eu não queria aprofundar a crise. Já não penso mais assim. A crise só se aprofunda; os prejuízos econômicos, sociais, e morais são cada vez maiores. O Brasil voltará a ser governado de maneira minimamente decente quando seu presidente for diretamente eleito pelo povo. Precisamos da renúncia de Temer e de eleições diretas já.

 

 

 

© Direitos Autorais Bresser-Pereira
São Paulo - SP | ceciliaheise46@gmail.com

 

Desenvolvido pela E-Xis | www.e-xis.com.br