PUBLICIDADE  
 
 
 
HOME SOBRE BRESSER-PEREIRA PÁGINA NO FACEBOOK
BONS ARTIGOS QUE LI BONS FILMES QUE ASSISTI

BRAZILIAN JOURNAL OF POLITICAL ECONOMY

OLHAR O MUNDO FALE CONOSCO
 
  Tipos de trabalhos  
 

Quem é/Who is

A guide to my work
Currículos / CVs
Short cv & bio
Textos autobiográficos
Sobre Bresser-Pereira

Tipos de Trabalhos

Livros
Livros na íntegra
Livros organizados (edited)
Papers
Pequenos textos, prefácios, etc.
Texto para Discussão
Artigos de jornal & Entrevistas
Principais Entrevistas
Notas no Facebook
Cartas
Críticas de Cinema
Documentos & Relatórios
Programas / Syllabus
Apresentações / Slides
Vídeos e Áudios





Outros idiomas

Works in English
Weekly Columns
Oeuvres en Français
Trabajos en Español

Método

Método científico

Novo Desenvolvimentismo

Novo Desenvolvimentismo (textos básicos)
Desenvolvimentismo Clássico (textos básicos)
Novo Desenvolvimentismo (economia política)
Novo Desenvolvimentismo (teoria econômica)
Novo Desenvolvimentismo (aplicado)
Novo Desenvolvimentismo (contribuições e críticas de terceiros)

Sociedade-Capitalismo

Teoria social - textos básicos
Teoria social (todos)
Capitalismo e modernidade
Classes e tecnoburocracia
Revolução Capitalista e ...
Revoluções, Revoltas e Movimentos
Globalização
Organização administração
Estatismo e URSS

Política

Teoria política - textos básicos
Teoria política (todos)
Teoria do Estado
Sociedade civil
Republicanismo e direitos de cidadania
Teoria da Democracia
Ciclos do Estado
Populismo político e econômico
Nação e nacionalismo
Social democracia e esquerda
Neoliberalismo e globalismo
Interpretações do Brasil
Pactos políticos e coalizões de classes - Br
Democracia no Brasil
Teoria da Dependência
História intelectual
Perfis individuais
Política Externa - Br
Burocracia pública - Br
Empresários e administradores - Br
Reforma da universidade
Conjuntura Política - Br
Reforma Gerencial - Teoria
Reforma Gerencial - Brasil

Economia

Teoria econômica - Textos básicos
Teoria econômica (todos)
Teoria do Desenvolvimento Econômico
Crítica da teoria neoclássica
Desigualdade e Distribuição
Teoria macroeconômica
Política e Economia
Câmbio e poupança externa
Câmbio e Doença Holandesa
Câmbio e crescimento
Crises econômico-financeiras
Dívida externa
Investimentos e taxa de lucro
Inflação
Inflação inercial
Comércio e integração
Economia mundial
Crise global de 2008
Desenvolvimento econômico - Br
Macroeconomia do Brasil
Populismo econômico - Br
Desindustrialização - Br
Crise fiscal do Estado - Br
Planos de estabilização - Br
Plano Bresser
Quase-estagnação desde 1980 - Br
Conjuntura Econômica - Br

Países e regiões

Relações internacionais
América Latina
Argentina
Estados Unidos
Europa

Trabalhos de terceiros

Bons artigos que li recentemente
Reforma Gerencial - Terceiros
Cursos
Debate sobre "Crescimento com Estabilidade"(2001)
Notícias e Comentários

Ações / Ministérios

Ministério da Fazenda
Plano Bresser
MCT Ministério da Ciência & Tecnologia
Fundação Getulio Vargas, São Paulo

MARE - Ministério da Reforma do Estado

Documentos da Reforma
Reforma Gerencial - Teoria
Reforma Gerencial - Brasil
Reforma Gerencial - Terceiros
Agências Executivas e Reguladoras
Organizações Sociais
Gestão da Saúde
Gestão da Educação
Implementação Nível Federal
Implementação São Paulo
Implementação Minas Gerais
Implementação Outros Estados
Bibliografia da Reforma da Gestão Pública
Cadernos MARE
América Latina: Declaração de Madri (Clad)
Leis sobre Organizações Sociais
 
 
 

 

Anistia condicionada a reformas

Luiz Carlos Bresser-Pereira
Nota no Facebook, 11 de dezembro de 2016.

Nestes últimos anos as elites brasileiras parecem determinadas a desconstruir o Brasil. Desde 1990 o Brasil substituiu o regime econômico desenvolvimentista pelo liberal, deixou de administrar a taxa de câmbio, a moeda nacional tornou-se apreciada no longo prazo, desencadeou-se grave desindustrialização, e a economia está desde então quase-estagnada. Neste mês o Congresso deverá aprovar a emenda do teto fiscal, e terá início o desmantelamento do Estado Social e da prioridade à educação que estão instituídos na Constituição de 1988. E também neste ano, baseada em delações premiadas, a operação Lava Jato e o moralismo da classe média tradicional estão destruindo a elite política brasileira ao confundir propina com “caixa 2”.
O moralista poderá reagir gritando: “mas é isto o que queremos; eliminar da vida pública todos esses políticos corruptos”. Mas dessa forma estamos eliminando todos os políticos, porque as doações de campanha em caixa 2 faziam parte dos usos e costumes brasileiros. Como fazem parte deles também a sonegação de impostos por toda a elite econômica. Vamos, então, arranjar delatores premiados também para desmoralizar e por na cadeia os empresários, os profissionais liberais, os altos administradores?
O mundo não se fez em um dia. Aqueles que quiseram instalar a justiça social em um dia ou a religião “verdadeira” em um dia, como aconteceu com Stalin e Calvino, instauraram terríveis ditaduras. Agora setores do Judiciário querem instaurar a moralidade pública em um dia, e, para isto estão cometendo violências contra os direitos das pessoas, ao mesmo tempo em que se destrói a elite política brasileira sem que se tenha quem a substitua.
Muitos dos políticos que estão hoje sendo vilipendiados são políticos que já prestaram grandes serviços ao país – políticos conservadores, ou progressistas, dependentes ou nacionais – mas são políticos competentes, que são capazes de muitas vezes dar prioridade ao interesse em relação ao seu interesse privado. É claro que existe uma visão alternativa, que afirma que os políticos apenas fazem trade-offs (compensações) entre sua reeleição e a vontade de enriquecer na política, mas esse tipo de pessimismo político inviabiliza a vida social nas sociedades modernas.
A desmoralização dos políticos vistos dessa maneira é uma estratégia clássica daqueles que querem conservar seus privilégios e temem que um Estado governado por partidos progressistas estabeleça limites a esses privilégios. É um tipo de ação profundamente antidemocrática, que defende os direitos civis, mas teme os direitos políticos e sociais – defende o liberalismo, mas teme a democracia. E é uma prática profundamente custosa para o país, porque não se constrói uma elite política de um dia para outro.
Temos que encontrar uma solução para este problema. A contribuição positiva da operação Lava Jato  já foi feita: descobriu, acusou, e condenou empresários, políticos e lobistas que receberam ou pagaram propinas em troca de obras e outras vantagens. Na fase atual essa operação está causando muito mais prejuízo do que benefício.
 

 

 

 

© Direitos Autorais Bresser-Pereira
São Paulo - SP | ceciliaheise46@gmail.com

 

Desenvolvido pela E-Xis | www.e-xis.com.br