PUBLICIDADE  
 
 
 
HOME SOBRE BRESSER-PEREIRA PÁGINA NO FACEBOOK
BONS ARTIGOS QUE LI BONS FILMES QUE ASSISTI

BRAZILIAN JOURNAL OF POLITICAL ECONOMY

OLHAR O MUNDO FALE CONOSCO
 
  Tipos de trabalhos  
 

Quem é/Who is

A guide to my work
Currículos / CVs
Short cv & bio
Textos autobiográficos
Sobre Bresser-Pereira

Tipos de Trabalhos

Livros
Livros na íntegra
Livros organizados (edited)
Papers
Pequenos textos, prefácios, etc.
Texto para Discussão
Artigos de jornal & Entrevistas
Principais Entrevistas
Notas no Facebook
Cartas
Críticas de Cinema
Documentos & Relatórios
Programas / Syllabus
Apresentações / Slides
Vídeos e Áudios





Outros idiomas

Works in English
Weekly Columns
Oeuvres en Français
Trabajos en Español

Método

Método científico

Novo Desenvolvimentismo

Novo Desenvolvimentismo (textos básicos)
Desenvolvimentismo Clássico (textos básicos)
Novo Desenvolvimentismo (economia política)
Novo Desenvolvimentismo (teoria econômica)
Novo Desenvolvimentismo (aplicado)
Novo Desenvolvimentismo (contribuições e críticas de terceiros)

Sociedade-Capitalismo

Teoria social - textos básicos
Teoria social (todos)
Capitalismo e modernidade
Classes e tecnoburocracia
Revolução Capitalista e ...
Revoluções, Revoltas e Movimentos
Globalização
Organização administração
Estatismo e URSS

Política

Teoria política - textos básicos
Teoria política (todos)
Teoria do Estado
Sociedade civil
Republicanismo e direitos de cidadania
Teoria da Democracia
Ciclos do Estado
Populismo político e econômico
Nação e nacionalismo
Social democracia e esquerda
Neoliberalismo e globalismo
Interpretações do Brasil
Pactos políticos e coalizões de classes - Br
Democracia no Brasil
Teoria da Dependência
História intelectual
Perfis individuais
Política Externa - Br
Burocracia pública - Br
Empresários e administradores - Br
Reforma da universidade
Conjuntura Política - Br
Reforma Gerencial - Teoria
Reforma Gerencial - Brasil

Economia

Teoria econômica - Textos básicos
Teoria econômica (todos)
Teoria do Desenvolvimento Econômico
Crítica da teoria neoclássica
Desigualdade e Distribuição
Teoria macroeconômica
Política e Economia
Câmbio e poupança externa
Câmbio e Doença Holandesa
Câmbio e crescimento
Crises econômico-financeiras
Dívida externa
Investimentos e taxa de lucro
Inflação
Inflação inercial
Comércio e integração
Economia mundial
Crise global de 2008
Desenvolvimento econômico - Br
Macroeconomia do Brasil
Populismo econômico - Br
Desindustrialização - Br
Crise fiscal do Estado - Br
Planos de estabilização - Br
Plano Bresser
Quase-estagnação desde 1980 - Br
Conjuntura Econômica - Br

Países e regiões

Relações internacionais
América Latina
Argentina
Estados Unidos
Europa

Trabalhos de terceiros

Bons artigos que li recentemente
Reforma Gerencial - Terceiros
Cursos
Debate sobre "Crescimento com Estabilidade"(2001)

MARE - Ministério da Reforma do Estado

Documentos da Reforma
Reforma Gerencial - Teoria
Reforma Gerencial - Brasil
Reforma Gerencial - Terceiros
Agências Executivas e Reguladoras
Organizações Sociais
Gestão da Saúde
Gestão da Educação
Implementação Nível Federal
Implementação São Paulo
Implementação Minas Gerais
Implementação Outros Estados
Bibliografia da Reforma da Gestão Pública
Cadernos MARE
América Latina: Declaração de Madri (Clad)
Leis sobre Organizações Sociais
 
 
 

 

Fidel Castro

Luiz Carlos Bresser-Pereira
Nota na página do Facebook, 26.11.2016

Fidel Castro foi o grande líder da única revolução socialista que ocorreu na América Latina. Mas, como aconteceu com outras revoluções socialistas – a Soviética, a Chinesa –, não implantou em seu país o socialismo, mas um estatismo igualitário e autoritário. Diferentemente, porém, do que aconteceu nos outros dois casos, não houve em Cuba a segunda transição, do estatismo para o capitalismo, e, portanto, o sistema igualitário não foi substituído pela desigualdade capitalista.

Originalmente a revolução de Fidel Castro não era principalmente socialista, mas nacionalista. Visava substituir o sistema político autoritário e corrupto de seu país, que contava com o completo apoio dos Estados Unidos. E buscava também diminuir as desigualdades em Cuba, que eram gritantes. Com esse objetivo, ele determinou a nacionalização de diversas empresas americanas – algo que o Império Americano não aceitou. O grande sociólogo americano, Wright Mills, passou alguns meses em Cuba logo após a revolução, e escreveu um pequeno e impressionante livro, Listen Yankee, no qual argumentava que a reação do seu país às nacionalizações estava empurrando Castro e Cuba para o comunismo e a associação com a União Soviética. Seu apelo foi inútil, e Fidel Castro integrou-se no bloco soviético, ao mesmo tempo em que o estatismo, dominado por uma tecnoburocracia pública, tornou-se dominante.

Ao fazer essa escolha, Fidel Castro pode ter errado, mas não deixou de ser um dos grandes e admiráveis líderes políticos do nosso tempo – um nacionalista cívico e econômico, não um nacionalista étnico; um socialista comprometido com seu povo e com a ideia de justiça.

Ele gostaria de ter implantado a democracia em Cuba, mas ainda não se encontrou uma forma de aliar um alto grau de igualdade com a democracia, esta definida pelo respeito aos direitos civis e o sufrágio universal. Em outras palavras, ainda não se logrou construir um socialismo democrático. Nem o estatismo foi capaz de produzir desenvolvimento econômico a partir de um certo ponto do desenvolvimento de um país.

Em Cuba ainda existe, como existia na União Soviética e na China pré 1980, um elevado grau de igualdade econômica. Os privilégios da tecnoburocracia pública são muito menores do que os dos ricos no capitalismo. Mas os cubanos pagam por isso um duplo preço: o autoritarismo e o baixo nível de desenvolvimento econômico. O planejamento estatal é capaz de promover o desenvolvimento da infraestrutura e das indústrias de insumos básicos, mas, quando essa etapa é ultrapassada, e se trata de desenvolver setores econômicos complexos e diversificados, o mercado é uma instituição claramente superior. Já o capitalismo conseguiu ser compatível com a democracia, ainda que uma democracia de baixa qualidade, e revelou-se claramente mais eficiente em promover o desenvolvimento econômico.

Estas duas vantagens, principalmente a segunda, foram determinantes para que União Soviética e China fizessem sua transição para o capitalismo. Cuba vem resistindo a essa mudança. Seus líderes hoje adotam a China como modelo. Querem primeiro fazer a abertura econômica, para, depois, pensar na abertura política. Esta é certamente uma forma mais sensata do que aquela que a Rússia adotou. Ao esquecer que o Estado é uma instituição superior ao mercado, ela tentou fazer as duas transições – econômica e política – ao mesmo tempo, e o resultado foi o caos e dez anos de retrocesso econômico.

O povo cubano fará grandes homenagens a seu líder que ontem morreu. Ainda que não concorde com a escolha que fez – preferir a igualdade à democracia – entendo que ele merece essas homenagens. Ele foi um forte e incansável defensor da justiça em um mundo muito injusto.
 

 

 

 

© Direitos Autorais Bresser-Pereira
São Paulo - SP | ceciliaheise46@gmail.com

 

Desenvolvido pela E-Xis | www.e-xis.com.br