PUBLICIDADE  
 
 
 
HOME SOBRE BRESSER-PEREIRA PÁGINA NO FACEBOOK
BONS ARTIGOS QUE LI BONS FILMES QUE ASSISTI

BRAZILIAN JOURNAL OF POLITICAL ECONOMY

OLHAR O MUNDO FALE CONOSCO
 
  Tipos de trabalhos  
 

Quem é/Who is

A guide to my work
Currículos / CVs
Short cv & bio
Textos autobiográficos
Sobre Bresser-Pereira

Tipos de Trabalhos

Livros
Livros na íntegra
Livros organizados (edited)
Papers
Pequenos textos, prefácios, etc.
Texto para Discussão
Artigos de jornal & Entrevistas
Principais Entrevistas
Notas no Facebook
Cartas
Críticas de Cinema
Documentos & Relatórios
Programas / Syllabus
Apresentações / Slides
Vídeos e Áudios





Outros idiomas

Works in English
Weekly Columns
Oeuvres en Français
Trabajos en Español

Método

Método científico

Novo Desenvolvimentismo

Novo Desenvolvimentismo (textos básicos)
Desenvolvimentismo Clássico (textos básicos)
Novo Desenvolvimentismo (economia política)
Novo Desenvolvimentismo (teoria econômica)
Novo Desenvolvimentismo (aplicado)
Novo Desenvolvimentismo (contribuições e críticas de terceiros)

Sociedade-Capitalismo

Teoria social - textos básicos
Teoria social (todos)
Capitalismo e modernidade
Classes e tecnoburocracia
Revolução Capitalista e ...
Revoluções, Revoltas e Movimentos
Globalização
Organização administração
Estatismo e URSS

Política

Teoria política - textos básicos
Teoria política (todos)
Teoria do Estado
Sociedade civil
Republicanismo e direitos de cidadania
Teoria da Democracia
Ciclos do Estado
Populismo político e econômico
Nação e nacionalismo
Social democracia e esquerda
Neoliberalismo e globalismo
Interpretações do Brasil
Pactos políticos e coalizões de classes - Br
Democracia no Brasil
Teoria da Dependência
História intelectual
Perfis individuais
Política Externa - Br
Burocracia pública - Br
Empresários e administradores - Br
Reforma da universidade
Conjuntura Política - Br
Reforma Gerencial - Teoria
Reforma Gerencial - Brasil

Economia

Teoria econômica - Textos básicos
Teoria econômica (todos)
Teoria do Desenvolvimento Econômico
Crítica da teoria neoclássica
Desigualdade e Distribuição
Teoria macroeconômica
Política e Economia
Câmbio e poupança externa
Câmbio e Doença Holandesa
Câmbio e crescimento
Crises econômico-financeiras
Dívida externa
Investimentos e taxa de lucro
Inflação
Inflação inercial
Comércio e integração
Economia mundial
Crise global de 2008
Desenvolvimento econômico - Br
Macroeconomia do Brasil
Populismo econômico - Br
Desindustrialização - Br
Crise fiscal do Estado - Br
Planos de estabilização - Br
Plano Bresser
Quase-estagnação desde 1980 - Br
Conjuntura Econômica - Br

Países e regiões

Relações internacionais
América Latina
Argentina
Estados Unidos
Europa

Trabalhos de terceiros

Bons artigos que li recentemente
Reforma Gerencial - Terceiros
Cursos
Debate sobre "Crescimento com Estabilidade"(2001)

MARE - Ministério da Reforma do Estado

Documentos da Reforma
Reforma Gerencial - Teoria
Reforma Gerencial - Brasil
Reforma Gerencial - Terceiros
Agências Executivas e Reguladoras
Organizações Sociais
Gestão da Saúde
Gestão da Educação
Implementação Nível Federal
Implementação São Paulo
Implementação Minas Gerais
Implementação Outros Estados
Bibliografia da Reforma da Gestão Pública
Cadernos MARE
América Latina: Declaração de Madri (Clad)
Leis sobre Organizações Sociais
 
 
 

 

Donald Trump

Luiz Carlos Bresser-Pereira
Nota no Facebook, 11 de novembro de 2016

A vitória de Donald Trump nas eleições presidenciais americanas deixa-nos a todos incertos e temerosos. Hillary Clinton era previsível e detestável. Ela representava a verdade absoluta da razão liberal e imperial que domina o mundo desde os anos 1980 – a razão da competição patrocinada pelos monopólios, a razão da globalização como substituta da nação, a razão do individualismo a serviço dos mais fortes, a razão da democracia imposta através de guerras, a razão do capitalismo rentista e financista ao invés do capitalismo empresário, a razão da estabilidade econômica que agrava as crises financeiras, a razão da luta de classes de cima para baixo, a razão da igualdade que produz mais e mais desigualdade, a razão dos 1% mais ricos, a eterna razão dos mais fortes.
O que significa Donald Trump? Ele muito disse na sua campanha, mas foram tantas as contradições que afinal não sabemos no que ele realmente acredita. Ele insultou os judeus, os muçulmanos, os negros, os latinos, todos os imigrantes. Ele desrespeitou os princípios básicos das sociedades democráticas, os direitos civis, os direitos políticos e os direitos sociais. Mas há sempre uma lógica no seu discurso. É um discurso violentamente nacionalista – não um nacionalismo econômico, que é necessário no capitalismo, mas um nacionalismo também étnico que define a nação americana como uma nação branca. E foi um discurso em busca do voto dos derrotados pela globalização, especificamente em busca dos eleitores brancos (58% dos votos), homens (53%), pouco educados (51%), protestantes (58%), mais velhos (53%), e rurais (50%). Votaram contra ele as mulheres, os jovens, os judeus, os portadores de diploma superior, os negros, os latinos e os asiáticos.
Trump, portanto, desprezou o voto desses três últimos grupos, para lograr o voto dos brancos pobres. Trump não falou em nome de todos os que foram desprezados pela verdade neoliberal. Ele deixou de lado os negros e os imigrantes, que nos Estados Unidos também são vítimas da globalização e do abandono pelas elites da ideia de nação como a ideia de um destino comum, como um princípio de solidariedade a contrabalançar a luta de classes.
Hillary Clinton era a “razão” Donald Trump é o desconhecido. Não nos resta agora outra coisa senão esperar e temer.
 

 

 

 

© Direitos Autorais Bresser-Pereira
São Paulo - SP | ceciliaheise46@gmail.com

 

Desenvolvido pela E-Xis | www.e-xis.com.br