PUBLICIDADE  
 
 
 
HOME SOBRE BRESSER-PEREIRA PÁGINA NO FACEBOOK
BONS ARTIGOS QUE LI BONS FILMES QUE ASSISTI

BRAZILIAN JOURNAL OF POLITICAL ECONOMY

OLHAR O MUNDO FALE CONOSCO
 
  Tipos de trabalhos  
 

Quem é/Who is

A guide to my work
Currículos / CVs
Short cv & bio
Textos autobiográficos
Textos sobre Bresser-Pereira





Livros

Livros
Livros na íntegra
Livros organizados (edited)

Trabalhos acadêmicos

Papers
Pequenos textos, prefácios, etc.
Texto para Discussão
Apresentações / Slides
Programas / Syllabus
Documentos & Relatórios

Trabalhos na midia

Artigos de jornal
Entrevistas
Notas no Facebook
Vídeos e Áudios

Método, perfis, outros

Método científico
Cartas
Perfis de pessoas
Críticas de Cinema

Outros idiomas

Works in English
Oeuvres en Français
Trabajos en Español

Novo Desenvolvimentismo

Novo Desenvolvimentismo (textos básicos)
Desenvolvimentismo Clássico (textos básicos)
Novo Desenvolvimentismo (economia política)
Novo Desenvolvimentismo (teoria econômica)
Novo Desenvolvimentismo (aplicado)
Novo Desenvolvimentismo (contribuições e críticas de terceiros)

Sociedade-Capitalismo

Teoria social - textos básicos
Teoria social (todos)
Capitalismo e modernidade
Classes e tecnoburocracia
Revolução Capitalista e ...
Revoluções, Revoltas e Movimentos
Globalização
Organização administração
Estatismo e URSS

Política

Teoria política - textos básicos
Teoria política (todos)
Teoria do Estado
Sociedade civil
Republicanismo e direitos de cidadania
Teoria da Democracia
Ciclos do Estado
Populismo político e econômico
Nação e nacionalismo
Social democracia e esquerda
Neoliberalismo e globalismo

Política brasileira

Interpretações do Brasil
Pactos políticos e coalizões de classes
Democracia no Brasil
Teoria da Dependência
História intelectual
Política Externa
Burocracia pública
Empresários e administradores
Reforma da universidade
Conjuntura Política
Reforma Gerencial - Teoria
Reforma Gerencial do Brasil

Economia

Teoria econômica - Textos básicos
Teoria econômica (todos)
Teoria do Desenvolvimento Econômico
Crítica da teoria neoclássica
Desigualdade e Distribuição
Teoria macroeconômica
Política e Economia
Câmbio e poupança externa
Câmbio e Doença Holandesa
Câmbio e crescimento
Crises econômico-financeiras
Dívida externa
Investimentos e taxa de lucro
Inflação
Inflação inercial
Comércio e integração
Economia mundial
Crise global de 2008

Economia brasileira

Economia brasileira até 1979
Economia brasileira 1980-2002
Economia brasileira desde 2003
Quase-estagnação desde 1980
Populismo econômico
Desindustrialização
Crise fiscal do Estado
Planos de estabilização
Plano Bresser

Países e regiões

Relações internacionais
América Latina
Argentina
Estados Unidos
Europa

Trabalhos de terceiros

Bons artigos que li recentemente
Reforma Gerencial - Terceiros
Cursos
Debate sobre "Crescimento com Estabilidade"(2001)
Projeto Brasil Nação - Notícias e Comentários

Ações / Ministérios

Ministério da Fazenda
Plano Bresser
MCT Ministério da Ciência & Tecnologia
Fundação Getulio Vargas, São Paulo

MARE - Ministério da Reforma do Estado

Documentos da Reforma
Reforma Gerencial - Teoria
Reforma Gerencial - Brasil
Reforma Gerencial - Terceiros
Agências Executivas e Reguladoras
Organizações Sociais
Gestão da Saúde
Gestão da Educação
Implementação Nível Federal
Implementação São Paulo
Implementação Minas Gerais
Implementação Outros Estados
Bibliografia da Reforma da Gestão Pública
Cadernos MARE
América Latina: Declaração de Madri (Clad)
Leis sobre Organizações Sociais
 
 
 

 

Temer sobre pressão da direita e da esquerda

Luiz Carlos Bresser-Pereira
Nota na página do Facebook, 11.9.2016

O presidente Temer é um homem acuado pela a direita e pela esquerda. Por esta, legitimamente, porque sendo ele próprio e seu partido de centro, aliou-se à direita dogmática, neoliberal e se comprometeu com ela a realizar “reformas” que, na verdade, representam uma tentativa de acabar com o Estado do bem-estar social no Brasil (emenda do “teto”) e com os direitos trabalhistas (emenda da “flexibilização” da CLT. Pela direita porque ela cobra todos os dias por essas reformas, que “resolveriam” os problemas econômicos do Brasil. Uma direita que conta com apoio da grande mídia. Hoje, por exemplo, a primeira das reportagens “A hora de mudar” que o O Estado começa a publicar, deixa claro qual é o inimigo. São aqueles que se beneficiam das despesas do Estado com educação, saúde, previdência e assistência social. Conforme afirma o subtítulo da matéria, “O Estado do bem-estar social, prometido pela ‘Constituição Cidadã’ de 1988 mostrou-se uma miragem. Agora é hora de definir o que virá no lugar”.
Evidentemente, não é com a guerra ao Estado do bem-estar social que o Brasil enfrentará a crise fiscal e a crise econômica desencadeadas ao mesmo tempo no final de 2014. A vida fiscal do Estado brasileiro precisa de uma regra – de um complemento à lei de responsabilidade fiscal. A meu ver esta regra deve ser um limite porcentual (jamais absoluto) às despesas do Estado. E precisa de políticas que levem a economia brasileira a sair mais depressa da crise econômica e da queda de receitas que ela representou: precisa que os juros voltem a cair, que sejam tomadas medidas de socorro às empresas endividadas, sejam realizadas as concessões programadas, e o Estado aumente imediatamente seus investimentos (o ajuste deve ser apenas da despesa corrente).
Que fará Temer diante dessas pressões? Diante da esquerda que realiza grandes passeatas, e demanda “diretas já” e da direita, que demanda “reformas” que enriqueçam os ricos? Conseguirá ele navegar por esse mar revolto? Não sei. Sei apenas que Temer é um político competente, que cometeu o erro de associar com a direita em um golpe de Estado. Sua competência se provará agora, se ele conseguir entregar a Presidência da República a seu sucessor com a Constituição Cidadã respeitada e o Brasil razoavelmente pacificado.
 

 

 

 

© Direitos Autorais Bresser-Pereira
São Paulo - SP | ceciliaheise46@gmail.com

 

Desenvolvido pela E-Xis | www.e-xis.com.br