PUBLICIDADE  
 
 
 
HOME SOBRE BRESSER-PEREIRA PÁGINA NO FACEBOOK
BONS ARTIGOS QUE LI BONS FILMES QUE ASSISTI

BRAZILIAN JOURNAL OF POLITICAL ECONOMY

OLHAR O MUNDO FALE CONOSCO
 
  Tipos de trabalhos  
 

Quem é/Who is

A guide to my work
Currículos / CVs
Short cv & bio
Textos autobiográficos
Sobre Bresser-Pereira

Tipos de Trabalhos

Livros
Livros na íntegra
Livros organizados (edited)
Papers
Pequenos textos, prefácios, etc.
Texto para Discussão
Artigos de jornal & Entrevistas
Principais Entrevistas
Notas no Facebook
Cartas
Críticas de Cinema
Documentos & Relatórios
Programas / Syllabus
Apresentações / Slides
Vídeos e Áudios





Outros idiomas

Works in English
Weekly Columns
Oeuvres en Français
Trabajos en Español

Método

Método científico

Novo Desenvolvimentismo

Novo Desenvolvimentismo (textos básicos)
Desenvolvimentismo Clássico (textos básicos)
Novo Desenvolvimentismo (economia política)
Novo Desenvolvimentismo (teoria econômica)
Novo Desenvolvimentismo (aplicado)
Novo Desenvolvimentismo (contribuições e críticas de terceiros)

Sociedade-Capitalismo

Teoria social - textos básicos
Teoria social (todos)
Capitalismo e modernidade
Classes e tecnoburocracia
Revolução Capitalista e ...
Revoluções, Revoltas e Movimentos
Globalização
Organização administração
Estatismo e URSS

Política

Teoria política - textos básicos
Teoria política (todos)
Teoria do Estado
Sociedade civil
Republicanismo e direitos de cidadania
Teoria da Democracia
Ciclos do Estado
Populismo político e econômico
Nação e nacionalismo
Social democracia e esquerda
Neoliberalismo e globalismo
Interpretações do Brasil
Pactos políticos e coalizões de classes - Br
Democracia no Brasil
Teoria da Dependência
História intelectual
Perfis individuais
Política Externa - Br
Burocracia pública - Br
Empresários e administradores - Br
Reforma da universidade
Conjuntura Política - Br
Reforma Gerencial - Teoria
Reforma Gerencial - Brasil

Economia

Teoria econômica - Textos básicos
Teoria econômica (todos)
Teoria do Desenvolvimento Econômico
Crítica da teoria neoclássica
Desigualdade e Distribuição
Teoria macroeconômica
Política e Economia
Câmbio e poupança externa
Câmbio e Doença Holandesa
Câmbio e crescimento
Crises econômico-financeiras
Dívida externa
Investimentos e taxa de lucro
Inflação
Inflação inercial
Comércio e integração
Economia mundial
Crise global de 2008
Desenvolvimento econômico - Br
Macroeconomia do Brasil
Populismo econômico - Br
Desindustrialização - Br
Crise fiscal do Estado - Br
Planos de estabilização - Br
Plano Bresser
Quase-estagnação desde 1980 - Br
Conjuntura Econômica - Br

Países e regiões

Relações internacionais
América Latina
Argentina
Estados Unidos
Europa

Trabalhos de terceiros

Bons artigos que li recentemente
Reforma Gerencial - Terceiros
Cursos
Debate sobre "Crescimento com Estabilidade"(2001)
Notícias e Comentários

Ações / Ministérios

Ministério da Fazenda
Plano Bresser
MCT Ministério da Ciência & Tecnologia
Fundação Getulio Vargas, São Paulo

MARE - Ministério da Reforma do Estado

Documentos da Reforma
Reforma Gerencial - Teoria
Reforma Gerencial - Brasil
Reforma Gerencial - Terceiros
Agências Executivas e Reguladoras
Organizações Sociais
Gestão da Saúde
Gestão da Educação
Implementação Nível Federal
Implementação São Paulo
Implementação Minas Gerais
Implementação Outros Estados
Bibliografia da Reforma da Gestão Pública
Cadernos MARE
América Latina: Declaração de Madri (Clad)
Leis sobre Organizações Sociais
 
 
 

 

A apreciação cambial é boa para quem?

Luiz Carlos Bresser-Pereira
Página do Facebook

Zeina Latif, economista chefe da XP Investimentos, publicou artigo no O Estado de S.Paulo (15.7), “A apreciação cambial vai atrapalhar o crescimento?”, no qual concluiu que quanto mais apreciado o câmbio, maior é o crescimento. Comento esse artigo, porque ele reflete bem o que pensa a ortodoxia liberal e dependente brasileira a respeito da taxa de câmbio. Sua apreciação é bem-vinda; câmbio forte seria sinal de uma economia forte.

Quais os argumentos que a autora apresenta para defender essa tese? A depreciação aumenta a inflação e reduz os salários, nos diz ela. Sem dúvida, mas no curto prazo, e de maneira doentia. Segurar a inflação com câmbio apreciado é tão ruim ou pior para o país do que segurá-la através do preço das empresas estatais. Manter salários artificialmente elevados graças a uma taxa de câmbio apreciada no longo prazo e déficit em conta-corrente é populismo ou irresponsabilidade cambial, da mesma forma que déficits públicos crônicos são sinal de irresponsabilidade ou populismo fiscal.

Mas a economista tem mais argumentos. Ela admite que, entre 2003 e 2008, “o câmbio prejudicou as contas externas, mas não impediu o crescimento econômico”. Por que não teria prejudicado? Pelo mesmo argumento que os populistas de esquerda que apoiavam o governo do PT usavam: “porque o aumento da demanda interna mais que compensou a elevação da penetração das importações e o menor ímpeto exportador”. Ora, dona Zeina Latif, de fato, para a indústria, o aumento do mercado interno compensou a perda do mercado externo causada pela enorme apreciação do câmbio entre 2003 e 2010.

O grande prejuízo – o violento desmonte da indústria brasileira – aconteceu em seguida, entre 2011 e 2014, e foi uma das causas da recessão atual. Nesse período a taxa de câmbio permaneceu fortemente apreciada, ao mesmo tempo em que os importadores de manufaturados inundavam o mercado interno brasileiro. Dessa maneira as empresas industriais, sem competitividade, não apenas não puderam investir. O câmbio fortemente apreciado as levou à crise.
Sim, a apreciação cambial é boa, mas boa para quem? Para os populistas cambiais de direita e de esquerda, que defendem artificialmente não apenas os salários mas também os juros, os alugueis e os dividendos recebidos pelos rentistas. E é boa para os países ricos que financiam o consumo interno com seus investimentos diretos e seus empréstimos.

Os elevados déficits em conta-corrente e o correspondente câmbio apreciado combinados com uma taxa de juros absurdamente alta são os grandes males da economia brasileira. É este desequilíbrio macroeconômico que explica o baixo crescimento da economia brasileira desde a abertura comercial (1990) e o Plano Real (1994). São males que tanto a direita liberal e populista quanto a esquerda desenvolvimentista e populista se recusam a enfrentar. E assim o Brasil vai ficando para trás... para trás...
 

 

 

 

© Direitos Autorais Bresser-Pereira
São Paulo - SP | ceciliaheise46@gmail.com

 

Desenvolvido pela E-Xis | www.e-xis.com.br