PUBLICIDADE  
 
 
 
HOME SOBRE BRESSER-PEREIRA PÁGINA NO FACEBOOK
BONS ARTIGOS QUE LI BONS FILMES QUE ASSISTI

BRAZILIAN JOURNAL OF POLITICAL ECONOMY

OLHAR O MUNDO FALE CONOSCO
 
  Tipos de trabalhos  
 

Quem é/Who is

A guide to my work
Currículos / CVs
Short cv & bio
Textos autobiográficos
Sobre Bresser-Pereira

Tipos de Trabalhos

Livros
Livros na íntegra
Livros organizados (edited)
Papers
Pequenos textos, prefácios, etc.
Texto para Discussão
Artigos de jornal & Entrevistas
Principais Entrevistas
Notas no Facebook
Cartas
Críticas de Cinema
Documentos & Relatórios
Programas / Syllabus
Apresentações / Slides
Vídeos e Áudios





Outros idiomas

Works in English
Weekly Columns
Oeuvres en Français
Trabajos en Español

Método

Método científico

Novo Desenvolvimentismo

Novo Desenvolvimentismo (textos básicos)
Desenvolvimentismo Clássico (textos básicos)
Novo Desenvolvimentismo (economia política)
Novo Desenvolvimentismo (teoria econômica)
Novo Desenvolvimentismo (aplicado)
Novo Desenvolvimentismo (contribuições e críticas de terceiros)

Sociedade-Capitalismo

Teoria social - textos básicos
Teoria social (todos)
Capitalismo e modernidade
Classes e tecnoburocracia
Revolução Capitalista e ...
Revoluções, Revoltas e Movimentos
Globalização
Organização administração
Estatismo e URSS

Política

Teoria política - textos básicos
Teoria política (todos)
Teoria do Estado
Sociedade civil
Republicanismo e direitos de cidadania
Teoria da Democracia
Ciclos do Estado
Populismo político e econômico
Nação e nacionalismo
Social democracia e esquerda
Neoliberalismo e globalismo
Interpretações do Brasil
Pactos políticos e coalizões de classes - Br
Democracia no Brasil
Teoria da Dependência
História intelectual
Perfis individuais
Política Externa - Br
Burocracia pública - Br
Empresários e administradores - Br
Reforma da universidade
Conjuntura Política - Br
Reforma Gerencial - Teoria
Reforma Gerencial - Brasil

Economia

Teoria econômica - Textos básicos
Teoria econômica (todos)
Teoria do Desenvolvimento Econômico
Crítica da teoria neoclássica
Desigualdade e Distribuição
Teoria macroeconômica
Política e Economia
Câmbio e poupança externa
Câmbio e Doença Holandesa
Câmbio e crescimento
Crises econômico-financeiras
Dívida externa
Investimentos e taxa de lucro
Inflação
Inflação inercial
Comércio e integração
Economia mundial
Crise global de 2008
Desenvolvimento econômico - Br
Macroeconomia do Brasil
Populismo econômico - Br
Desindustrialização - Br
Crise fiscal do Estado - Br
Planos de estabilização - Br
Plano Bresser
Quase-estagnação desde 1980 - Br
Conjuntura Econômica - Br

Países e regiões

Relações internacionais
América Latina
Argentina
Estados Unidos
Europa

Trabalhos de terceiros

Bons artigos que li recentemente
Reforma Gerencial - Terceiros
Cursos
Debate sobre "Crescimento com Estabilidade"(2001)

MARE - Ministério da Reforma do Estado

Documentos da Reforma
Reforma Gerencial - Teoria
Reforma Gerencial - Brasil
Reforma Gerencial - Terceiros
Agências Executivas e Reguladoras
Organizações Sociais
Gestão da Saúde
Gestão da Educação
Implementação Nível Federal
Implementação São Paulo
Implementação Minas Gerais
Implementação Outros Estados
Bibliografia da Reforma da Gestão Pública
Cadernos MARE
América Latina: Declaração de Madri (Clad)
Leis sobre Organizações Sociais
 
 
 

 

O que é pior? O terrorismo ou a guerra?

Luiz Carlos Bresser-Pereira
Nota na página do Facebook

Diante do horror representado pelo atentado terrorista em Nice, a pergunta que o Ocidente se recusa a fazer é qual é sua origem – se o terrorismo é uma reação contra a agressão que sofrem os países muçulmanos do Oriente Médio, ou se é uma mera expressão de uma irracionalidade fundamentalista de caráter religioso. A pergunta não é feita porque sua resposta já está dada. “Terrorismo é irracionalidade islâmica”.
Mas esta é a razão do Ocidente. Na verdade, o terrorismo é realizado contra os agressores ocidentais. “Mas foram mulheres e crianças as vítimas”, nos dizem. Sim, foram, mas os agredidos naturalmente não entendem o agressor em termos de pessoas; eles o entendem como sendo o Ocidente – o Império – e seus três principais países: os Estados Unidos, a França e o Reino Unido.
Não vejo um artigo da grande imprensa ocidental discutir essa questão. Mas hoje, na Folha, há uma entrevista do pai tunisiano de dois terroristas, Taher Harzi. O que ele nos diz é terrível por sua franqueza e por sua lógica: “Os americanos e os franceses foram matar muçulmanos na Síria e no Iraque, portanto, nós temos o direito de ir para o país deles. Quando ele bombardeiam a Síria e o Iraque, eles não poupam mulheres nem crianças. Fazemos o mesmo”.
A guerras recentes no Iraque, na Síria, na Líbia são apenas as últimas violências que o Ocidente pratica no Oriente Médio. Esta violência data do fim da Primeira Guerra Mundial, quando franceses e britânicos dividiram o Oriente Médio de acordo com seus interesses, e ela ganhou força quando, depois da Segunda Guerra Mundial, esses povos resolveram que têm direito à independência. Desde então os governos dos países do Oriente Médio que defendem um modesto nacionalismo econômico e procuram definir um projeto nacional de desenvolvimento são esmagados pelos três países. A reação igualmente irracional é o terrorismo.
O que o Ocidente não compreende é que pensar o mundo em termos de geopolítica – ou seja, em termos de guerras – não faz mais sentido. O colonialismo e as guerras coloniais nunca tiveram legitimidade do ponto de vista humanitário, mas até a Segunda Guerra Mundial faziam sentido para os vencedores. Desde então, não mais. A guerra colonial é um desastre humano para os vencidos, e um desastre econômico para os vencedores: seus custos acabam sendo maiores que seus benefícios. E nos últimos 20 anos, vem se transformando também em um desastre humano para os vencedores, cujos cidadãos são massacrados.
Quando a razão afinal vai prevalecer nas relações entre os povos?

 

 

 

© Direitos Autorais Bresser-Pereira
São Paulo - SP | ceciliaheise46@gmail.com

 

Desenvolvido pela E-Xis | www.e-xis.com.br