PUBLICIDADE  
 
 
 
HOME SOBRE BRESSER-PEREIRA PÁGINA NO FACEBOOK
BONS ARTIGOS QUE LI BONS FILMES QUE ASSISTI

BRAZILIAN JOURNAL OF POLITICAL ECONOMY

OLHAR O MUNDO FALE CONOSCO
 
  Tipos de trabalhos  
 

Quem é/Who is

A guide to my work
Currículos / CVs
Short cv & bio
Textos autobiográficos
Sobre Bresser-Pereira

Tipos de Trabalhos

Livros
Livros na íntegra
Livros organizados (edited)
Papers
Pequenos textos, prefácios, etc.
Texto para Discussão
Artigos de jornal & Entrevistas
Principais Entrevistas
Notas no Facebook
Cartas
Críticas de Cinema
Documentos & Relatórios
Programas / Syllabus
Apresentações / Slides
Vídeos e Áudios





Outros idiomas

Works in English
Weekly Columns
Oeuvres en Français
Trabajos en Español

Método

Método científico

Novo Desenvolvimentismo

Novo Desenvolvimentismo (textos básicos)
Desenvolvimentismo Clássico (textos básicos)
Novo Desenvolvimentismo (economia política)
Novo Desenvolvimentismo (teoria econômica)
Novo Desenvolvimentismo (aplicado)
Novo Desenvolvimentismo (contribuições e críticas de terceiros)

Sociedade-Capitalismo

Teoria social - textos básicos
Teoria social (todos)
Capitalismo e modernidade
Classes e tecnoburocracia
Revolução Capitalista e ...
Revoluções, Revoltas e Movimentos
Globalização
Organização administração
Estatismo e URSS

Política

Teoria política - textos básicos
Teoria política (todos)
Teoria do Estado
Sociedade civil
Republicanismo e direitos de cidadania
Teoria da Democracia
Ciclos do Estado
Populismo político e econômico
Nação e nacionalismo
Social democracia e esquerda
Neoliberalismo e globalismo
Interpretações do Brasil
Pactos políticos e coalizões de classes - Br
Democracia no Brasil
Teoria da Dependência
História intelectual
Perfis individuais
Política Externa - Br
Burocracia pública - Br
Empresários e administradores - Br
Reforma da universidade
Conjuntura Política - Br
Reforma Gerencial - Teoria
Reforma Gerencial - Brasil

Economia

Teoria econômica - Textos básicos
Teoria econômica (todos)
Teoria do Desenvolvimento Econômico
Crítica da teoria neoclássica
Desigualdade e Distribuição
Teoria macroeconômica
Política e Economia
Câmbio e poupança externa
Câmbio e Doença Holandesa
Câmbio e crescimento
Crises econômico-financeiras
Dívida externa
Investimentos e taxa de lucro
Inflação
Inflação inercial
Comércio e integração
Economia mundial
Crise global de 2008
Desenvolvimento econômico - Br
Macroeconomia do Brasil
Populismo econômico - Br
Desindustrialização - Br
Crise fiscal do Estado - Br
Planos de estabilização - Br
Plano Bresser
Quase-estagnação desde 1980 - Br
Conjuntura Econômica - Br

Países e regiões

Relações internacionais
América Latina
Argentina
Estados Unidos
Europa

Trabalhos de terceiros

Bons artigos que li recentemente
Reforma Gerencial - Terceiros
Cursos
Debate sobre "Crescimento com Estabilidade"(2001)

MARE - Ministério da Reforma do Estado

Documentos da Reforma
Reforma Gerencial - Teoria
Reforma Gerencial - Brasil
Reforma Gerencial - Terceiros
Agências Executivas e Reguladoras
Organizações Sociais
Gestão da Saúde
Gestão da Educação
Implementação Nível Federal
Implementação São Paulo
Implementação Minas Gerais
Implementação Outros Estados
Bibliografia da Reforma da Gestão Pública
Cadernos MARE
América Latina: Declaração de Madri (Clad)
Leis sobre Organizações Sociais
 
 
 

 

Um liberal no governo da Argentina

Luiz Carlos Bresser-Pereira
Postado no Facebook em 24 de novembro de 2015.

Com a eleição de Mauricio Macri para presidente da Argentina, o governo desenvolvimentista de Duhalde e dos dois Kirchner cede lugar a um governo liberal. O que muito satisfaz o Oeste, ou seja, o establishment mundial imperial, e também as elites locais liberais subordinadas, para os quais os Kirchner se tornaram inimigos, porque lograram reduzir a dívida externa da Argentina em 75%, e porque mostraram sempre independência em relação a esse Oeste. Para eles o governo dos Kirchner foi um fracasso - o que está longe de ser verdade - e um governo liberal trará a felicidade para todos...
Na verdade, o desenvolvimentismo argentino foi muito bem sucedido até 2008, beneficiado pela grande elevação do preço das commodities, e pelas "retenciones" sobre a exportação de soja, carne e trigo, que impediram que a taxa de câmbio se apreciasse devido a esse aumento de preços. Em consequência o país começou a se reindustrializar, e as taxas de crescimento giravam em torno de 7% a 8% ao ano.
Mas, a partir de 2009, a taxa de crescimento caiu, porque houve a Crise Financeira Global de 2008, porque, diante da inflação que o alto crescimento trouxe sem que a oferta local pudesse acompanhá-lo, o governo decidiu usar o câmbio para segurar a inflação e esta taxa se apreciou, e, um pouco mais tarde, porque os preços das commodities caíram. Em consequência, a taxa de crescimento caiu, e o saldo em conta-corrente, que era positivo, zerou ou tornou-se ligeiramente negativo. Felizmente para a Argentina e sua indústria, a taxa de câmbio não logrou apreciar-se ainda mais porque existe na Argentina um impedimento a isto. A Argentina continua sem acesso aos mercados mundiais, e, portanto, a taxa de câmbio não pode cair mais ainda, porque não há como financiar o déficit em conta-corrente. Mas apreciou-se no mercado interno paralelo, na medida em que o governo era obrigado a controlar capitais.
Assim, compreendemos porque as taxas de crescimento dos últimos anos foram insatisfatórias. Mas o governo não perdeu o controle da economia, como aconteceu no Brasil, e o crescimento médio do período todo foi satisfatório.
Agora temos um governo liberal. Nenhum governo liberal deu certo na Argentina desde 1950. Nem os liberal-autoritários, comandado por militares, nem os liberal-democráticos, que levaram o país a grandes crises financeiras. O que provavelmente acontecerá será o governo tentar recuperar a todo custo o crédito internacional da Argentina (o que não é bom para ela) e ao mesmo tempo extinguir as "retenciones" ao invés de torná-las variáveis. O resultado serão elevados déficits em conta-corrente e na correspondente taxa de câmbio valorizada, que, novamente, inviabilizará a indústria argentina e o crescimento do país. Vamos esperar.
 

 

 

 

© Direitos Autorais Bresser-Pereira
São Paulo - SP | ceciliaheise46@gmail.com

 

Desenvolvido pela E-Xis | www.e-xis.com.br