PUBLICIDADE  
 
 
 
HOME SOBRE BRESSER-PEREIRA PÁGINA NO FACEBOOK
BONS ARTIGOS QUE LI BONS FILMES QUE ASSISTI

BRAZILIAN JOURNAL OF POLITICAL ECONOMY

OLHAR O MUNDO FALE CONOSCO
 
  Tipos de trabalhos  
 

Quem é/Who is

A guide to my work
Currículos / CVs
Short cv & bio
Textos autobiográficos
Sobre Bresser-Pereira

Tipos de Trabalhos

Livros
Livros na íntegra
Livros organizados (edited)
Papers
Pequenos textos, prefácios, etc.
Texto para Discussão
Artigos de jornal & Entrevistas
Principais Entrevistas
Notas no Facebook
Cartas
Críticas de Cinema
Documentos & Relatórios
Programas / Syllabus
Apresentações / Slides
Vídeos e Áudios





Outros idiomas

Works in English
Weekly Columns
Oeuvres en Français
Trabajos en Español

Método

Método científico

Novo Desenvolvimentismo

Novo Desenvolvimentismo (textos básicos)
Desenvolvimentismo Clássico (textos básicos)
Novo Desenvolvimentismo (economia política)
Novo Desenvolvimentismo (teoria econômica)
Novo Desenvolvimentismo (aplicado)
Novo Desenvolvimentismo (contribuições e críticas de terceiros)

Sociedade-Capitalismo

Teoria social - textos básicos
Teoria social (todos)
Capitalismo e modernidade
Classes e tecnoburocracia
Revolução Capitalista e ...
Revoluções, Revoltas e Movimentos
Globalização
Organização administração
Estatismo e URSS

Política

Teoria política - textos básicos
Teoria política (todos)
Teoria do Estado
Sociedade civil
Republicanismo e direitos de cidadania
Teoria da Democracia
Ciclos do Estado
Populismo político e econômico
Nação e nacionalismo
Social democracia e esquerda
Neoliberalismo e globalismo
Interpretações do Brasil
Pactos políticos e coalizões de classes - Br
Democracia no Brasil
Teoria da Dependência
História intelectual
Perfis individuais
Política Externa - Br
Burocracia pública - Br
Empresários e administradores - Br
Reforma da universidade
Conjuntura Política - Br
Reforma Gerencial - Teoria
Reforma Gerencial - Brasil

Economia

Teoria econômica - Textos básicos
Teoria econômica (todos)
Teoria do Desenvolvimento Econômico
Crítica da teoria neoclássica
Desigualdade e Distribuição
Teoria macroeconômica
Política e Economia
Câmbio e poupança externa
Câmbio e Doença Holandesa
Câmbio e crescimento
Crises econômico-financeiras
Dívida externa
Investimentos e taxa de lucro
Inflação
Inflação inercial
Comércio e integração
Economia mundial
Crise global de 2008
Desenvolvimento econômico - Br
Macroeconomia do Brasil
Populismo econômico - Br
Desindustrialização - Br
Crise fiscal do Estado - Br
Planos de estabilização - Br
Plano Bresser
Quase-estagnação desde 1980 - Br
Conjuntura Econômica - Br

Países e regiões

Relações internacionais
América Latina
Argentina
Estados Unidos
Europa

Trabalhos de terceiros

Bons artigos que li recentemente
Reforma Gerencial - Terceiros
Cursos
Debate sobre "Crescimento com Estabilidade"(2001)
Notícias e Comentários

Ações / Ministérios

Ministério da Fazenda
Plano Bresser
MCT Ministério da Ciência & Tecnologia
Fundação Getulio Vargas, São Paulo

MARE - Ministério da Reforma do Estado

Documentos da Reforma
Reforma Gerencial - Teoria
Reforma Gerencial - Brasil
Reforma Gerencial - Terceiros
Agências Executivas e Reguladoras
Organizações Sociais
Gestão da Saúde
Gestão da Educação
Implementação Nível Federal
Implementação São Paulo
Implementação Minas Gerais
Implementação Outros Estados
Bibliografia da Reforma da Gestão Pública
Cadernos MARE
América Latina: Declaração de Madri (Clad)
Leis sobre Organizações Sociais
 
 
 

 

Não houve estelionato eleitoral

Luiz Carlos Bresser-Pereira
Nota no Facebook

Nota no Facebook, 20.9.2015
A presidente Dilma Rousseff deu ontem uma excelente entrevista à Folha (25.8.15) e a dois outros jornais brasileiros. Admitiu ter errado ao só haver se dado conta da gravidade da crise econômica depois das eleições. Dessa forma pôs um ponto final na estória do "estelionato eleitoral" tão cultivado pela oposição. Mas não foi ela que percebeu com atraso a crise. Como aconteceu com a crise financeira global de 2008, nós economistas, sejamos liberais ou desenvolvimentistas, só percebemos a dupla crise brasileira de 2014 (econômica e política) depois dela haver acontecido. Sua principal causa - a violenta queda no preço das commodities - aconteceu entre setembro e outubro de 2014. Ainda no início de 2014 eu ouvi um dos economistas liberais mais críticos do governo afirmar que no plano fiscal as coisas estavam sob controle; o problema estava na falta de poupança. Na campanha eleitoral a oposição defendeu o ajuste fiscal, mas apenas para combater a inflação. O liberal-ortodoxo vulgar defende ajuste fiscal em qualquer circunstância, assim como o keynesiano-desenvolvimentista vulgar propõe expansão fiscal também em qualquer circunstância. O erro da presidente foi ter adotado uma política fiscal expansionista - uma política industrial baseada em exonerações - no momento em que a crise econômica estava se formando, e havia nessa crise um componente fiscal importante.
A presidente estava de bom humor. Criticou a "intolerância" da oposição, mas recusou fazer críticas pessoais. Disse que leu um livro muito interessante, "Sapiens - uma breve história da humanidade", no qual aprendeu que entre os animais apenas os homens estabelecem vínculos sociais através de fofocas. E brincou: "Estou hoje uma pessoa Dilminha paz e amor". Realmente para enfrentar uma oposição que busca motivos para justificar um impeachment sem razões humor é bem vindo.

Nota no Facebook, 9 de novembro de 2015
Uma das teses da ampla oposição à presidente Dilma é o fato de que ela teria cometido "estelionato eleitoral", porque prometeu uma política econômica e realizou outra sem uma boa razão. Tenho repetido que essa afirmação é falsa. A presidente cometeu erros e não é hábil no plano político, mas sua honestidade é indiscutível. Em outubro, durante sua campanha eleitoral, ela não sabia da recessão que estava para explodir. Nem ela, nem ninguém - nem os economistas do sistema financeiro que a criticavam. Hoje, no Valor, Denise Neumann nos lembra que em 2 de janeiro de 2015, a média dos 100 analistas consultados pelo Banco Central esperava um crescimento de 0,05% do PIB e uma inflação de 6,56%; hoje espera 3,05% de queda do PIB, e 9,91% de inflação.

 

 

 

© Direitos Autorais Bresser-Pereira
São Paulo - SP | ceciliaheise46@gmail.com

 

Desenvolvido pela E-Xis | www.e-xis.com.br