PUBLICIDADE  
 
 
 
HOME SOBRE BRESSER-PEREIRA PÁGINA NO FACEBOOK
BONS ARTIGOS QUE LI BONS FILMES QUE ASSISTI

BRAZILIAN JOURNAL OF POLITICAL ECONOMY

OLHAR O MUNDO FALE CONOSCO
 
  Tipos de trabalhos  
 

Quem é/Who is

A guide to my work
Currículos / CVs
Short cv & bio
Textos autobiográficos
Sobre Bresser-Pereira

Tipos de Trabalhos

Livros
Livros na íntegra
Livros organizados (edited)
Papers
Pequenos textos, prefácios, etc.
Texto para Discussão
Artigos de jornal & Entrevistas
Principais Entrevistas
Notas no Facebook
Cartas
Críticas de Cinema
Documentos & Relatórios
Programas / Syllabus
Apresentações / Slides
Vídeos e Áudios





Outros idiomas

Works in English
Weekly Columns
Oeuvres en Français
Trabajos en Español

Método

Método científico

Novo Desenvolvimentismo

Novo Desenvolvimentismo (textos básicos)
Desenvolvimentismo Clássico (textos básicos)
Novo Desenvolvimentismo (economia política)
Novo Desenvolvimentismo (teoria econômica)
Novo Desenvolvimentismo (aplicado)
Novo Desenvolvimentismo (contribuições e críticas de terceiros)

Sociedade-Capitalismo

Teoria social - textos básicos
Teoria social (todos)
Capitalismo e modernidade
Classes e tecnoburocracia
Revolução Capitalista e ...
Revoluções, Revoltas e Movimentos
Globalização
Organização administração
Estatismo e URSS

Política

Teoria política - textos básicos
Teoria política (todos)
Teoria do Estado
Sociedade civil
Republicanismo e direitos de cidadania
Teoria da Democracia
Ciclos do Estado
Populismo político e econômico
Nação e nacionalismo
Social democracia e esquerda
Neoliberalismo e globalismo
Interpretações do Brasil
Pactos políticos e coalizões de classes - Br
Democracia no Brasil
Teoria da Dependência
História intelectual
Perfis individuais
Política Externa - Br
Burocracia pública - Br
Empresários e administradores - Br
Reforma da universidade
Conjuntura Política - Br
Reforma Gerencial - Teoria
Reforma Gerencial - Brasil

Economia

Teoria econômica - Textos básicos
Teoria econômica (todos)
Teoria do Desenvolvimento Econômico
Crítica da teoria neoclássica
Desigualdade e Distribuição
Teoria macroeconômica
Política e Economia
Câmbio e poupança externa
Câmbio e Doença Holandesa
Câmbio e crescimento
Crises econômico-financeiras
Dívida externa
Investimentos e taxa de lucro
Inflação
Inflação inercial
Comércio e integração
Economia mundial
Crise global de 2008
Desenvolvimento econômico - Br
Macroeconomia do Brasil
Populismo econômico - Br
Desindustrialização - Br
Crise fiscal do Estado - Br
Planos de estabilização - Br
Plano Bresser
Quase-estagnação desde 1980 - Br
Conjuntura Econômica - Br

Países e regiões

Relações internacionais
América Latina
Argentina
Estados Unidos
Europa

Trabalhos de terceiros

Bons artigos que li recentemente
Reforma Gerencial - Terceiros
Cursos
Debate sobre "Crescimento com Estabilidade"(2001)
Notícias e Comentários

Ações / Ministérios

Ministério da Fazenda
Plano Bresser
MCT Ministério da Ciência & Tecnologia
Fundação Getulio Vargas, São Paulo

MARE - Ministério da Reforma do Estado

Documentos da Reforma
Reforma Gerencial - Teoria
Reforma Gerencial - Brasil
Reforma Gerencial - Terceiros
Agências Executivas e Reguladoras
Organizações Sociais
Gestão da Saúde
Gestão da Educação
Implementação Nível Federal
Implementação São Paulo
Implementação Minas Gerais
Implementação Outros Estados
Bibliografia da Reforma da Gestão Pública
Cadernos MARE
América Latina: Declaração de Madri (Clad)
Leis sobre Organizações Sociais
 
 
 

 

Devagar, que a estabilidade é de barro

Luiz Fernando de Paula
O Estado de S. Paulo, 3 de junho de 2007


Conforme ideário de Bresser-Pereira, excesso de otimismo pode ser armadilha do populismo econômico.

A publicação do livro Macroeconomia da Estagnação, de autoria de Luiz Carlos Bresser-Pereira, chega em boa hora. No momento em que os analistas econômicos passam a vislumbrar um ciclo de crescimento sustentado para a economia brasileira - ainda que bem abaixo da média dos países emergentes e, sobretudo, dos outros países que compõem o BRIC -, esse livro serve como um alerta contra esse excesso de otimismo.

O livro reúne um conjunto de análises e reflexões que têm sido feitas mais recentemente por Bresser-Pereira. É interessante destacar que, após vários anos de vida profissional no meio empresarial e na administração pública, este é possivelmente o período mais fértil de sua vida intelectual. É comum encontrá-lo em congressos e encontros de economia e ciências sociais apresentando versões preliminares de seus artigos e discutindo trabalhos de outros, demonstrando impressionante vitalidade.

Bresser-Pereira já havia dado nos anos 1980 uma contribuição importante, junto com Yoshiaki Nakano, na análise (pioneira) sobre a inflação inercial, mas desde então esteve frequumlentemente absorvido pela administração pública. No período recente destacam-se as discussões que ele e Nakano levantaram - a partir de uma nova perspectiva - sobre os motivos de as taxas de juros serem tão elevadas no Brasil e ainda sobre as implicações da estratégia de crescimento com poupança externa, discussões essas que ele retoma em seu livro.

Para Bresser, em que pese o sucesso no processo de estabilidade de preços, obtido com o Plano Real, a economia brasileira tem submergido em um processo de quase-estagnação de longa duração, presa a uma armadilha que combina altas taxas de juros com uma taxa de câmbio apreciada. Essa combinação não contribui para criar a demanda necessária para que a taxa de acumulação de capital alcance o nível necessário para um crescimento sustentado e elevado. A principal causa dessa quase-estagnação é a política macroeconômica que vem sendo adotada desde 1994, sob a égide da ortodoxia convencional. O mix de política econômica adotado inibe investimentos, deteriora o quadro fiscal, aumenta a carga tributária asfixiando o setor produtivo, eleva as importações e, por fim, cria a permanente ameaça de crise no balanço de pagamentos.

Bresser-Pereira mostra que por detrás desta política macroeconômica está subjacente o que denomina de ldquopopulismo econômicordquo, que se desdobra no populismo fiscal e no populismo cambial. O populismo fiscal estaria relacionado à artificialidade de se manter uma política de geração de superávits fiscais primários elevados, de modo a garantir a transferência de recursos do Estado para a classe de rentistas (em função da manutenção de juros reais elevados), mas sem ter uma preocupação efetiva de zerar o déficit nominal (que inclui as despesas com juros da dívida pública). O populismo cambial, por sua vez, se expressaria na manutenção de uma taxa de câmbio apreciada, que aumenta artificialmente os salários e o consumo interno, mas que acaba deprimindo as exportações líquidas, investimentos nos setores comercializáveis e a poupança da economia, comprometendo assim o crescimento sustentado.

Cabem algumas ressalvas com relação ao uso excessivamente generalizado do conceito de populismo econômico. Afinal, nem sempre um câmbio apreciado pode ser atribuído a uma intenção da autoridade econômica - como tipicamente é o caso da experiência inicial de estabilizar a economia com o uso de âncora cambial. Contudo, a julgar pelas declarações recentes das autoridades governamentais, como a do Ministro da Fazenda e a do próprio Presidente

 

 

 

© Direitos Autorais Bresser-Pereira
São Paulo - SP | ceciliaheise46@gmail.com

 

Desenvolvido pela E-Xis | www.e-xis.com.br