PUBLICIDADE  
 
 
 
HOME SOBRE BRESSER-PEREIRA PÁGINA NO FACEBOOK
BONS ARTIGOS QUE LI BONS FILMES QUE ASSISTI

BRAZILIAN JOURNAL OF POLITICAL ECONOMY

OLHAR O MUNDO FALE CONOSCO
 
  Tipos de trabalhos  
 

Quem é/Who is

A guide to my work
Currículos / CVs
Short cv & bio
Textos autobiográficos
Sobre Bresser-Pereira

Tipos de Trabalhos

Livros
Livros na íntegra
Livros organizados (edited)
Papers
Pequenos textos, prefácios, etc.
Texto para Discussão
Artigos de jornal & Entrevistas
Principais Entrevistas
Notas no Facebook
Cartas
Críticas de Cinema
Documentos & Relatórios
Programas / Syllabus
Apresentações / Slides
Vídeos e Áudios





Outros idiomas

Works in English
Weekly Columns
Oeuvres en Français
Trabajos en Español

Método

Método científico

Novo Desenvolvimentismo

Novo Desenvolvimentismo (textos básicos)
Desenvolvimentismo Clássico (textos básicos)
Novo Desenvolvimentismo (economia política)
Novo Desenvolvimentismo (teoria econômica)
Novo Desenvolvimentismo (aplicado)
Novo Desenvolvimentismo (contribuições e críticas de terceiros)

Sociedade-Capitalismo

Teoria social - textos básicos
Teoria social (todos)
Capitalismo e modernidade
Classes e tecnoburocracia
Revolução Capitalista e ...
Revoluções, Revoltas e Movimentos
Globalização
Organização administração
Estatismo e URSS

Política

Teoria política - textos básicos
Teoria política (todos)
Teoria do Estado
Sociedade civil
Republicanismo e direitos de cidadania
Teoria da Democracia
Ciclos do Estado
Populismo político e econômico
Nação e nacionalismo
Social democracia e esquerda
Neoliberalismo e globalismo
Interpretações do Brasil
Pactos políticos e coalizões de classes - Br
Democracia no Brasil
Teoria da Dependência
História intelectual
Perfis individuais
Política Externa - Br
Burocracia pública - Br
Empresários e administradores - Br
Reforma da universidade
Conjuntura Política - Br
Reforma Gerencial - Teoria
Reforma Gerencial - Brasil

Economia

Teoria econômica - Textos básicos
Teoria econômica (todos)
Teoria do Desenvolvimento Econômico
Crítica da teoria neoclássica
Desigualdade e Distribuição
Teoria macroeconômica
Política e Economia
Câmbio e poupança externa
Câmbio e Doença Holandesa
Câmbio e crescimento
Crises econômico-financeiras
Dívida externa
Investimentos e taxa de lucro
Inflação
Inflação inercial
Comércio e integração
Economia mundial
Crise global de 2008
Desenvolvimento econômico - Br
Macroeconomia do Brasil
Populismo econômico - Br
Desindustrialização - Br
Crise fiscal do Estado - Br
Planos de estabilização - Br
Plano Bresser
Quase-estagnação desde 1980 - Br
Conjuntura Econômica - Br

Países e regiões

Relações internacionais
América Latina
Argentina
Estados Unidos
Europa

Trabalhos de terceiros

Bons artigos que li recentemente
Reforma Gerencial - Terceiros
Cursos
Debate sobre "Crescimento com Estabilidade"(2001)

MARE - Ministério da Reforma do Estado

Documentos da Reforma
Reforma Gerencial - Teoria
Reforma Gerencial - Brasil
Reforma Gerencial - Terceiros
Agências Executivas e Reguladoras
Organizações Sociais
Gestão da Saúde
Gestão da Educação
Implementação Nível Federal
Implementação São Paulo
Implementação Minas Gerais
Implementação Outros Estados
Bibliografia da Reforma da Gestão Pública
Cadernos MARE
América Latina: Declaração de Madri (Clad)
Leis sobre Organizações Sociais
 
 
 

 

Pinacoteca ganha administração autônoma

Fabio Cypriano
Ilustrada - Folha de S. Paulo, em 23/12/2005.

Às vésperas de se tornar centenária, o que ocorre no próximo dia de Natal, a Pinacoteca do Estado passa a caminhar com as próprias pernas. Foi assinado, ontem, pelo secretário de Estado da Cultura, João Batista de Andrade, e pelo presidente do Conselho de Administração da Associação Amigos da Pinacoteca, Marcelo Secaf, o contrato de gestão que dá autonomia de administração à Pinacoteca. É o primeiro museu no Estado de São Paulo que passa a funcionar segundo o esquema das Organizações Sociais- entidades da sociedade civil registradas no governo estadual e capacitadas para administrar instituições públicas.

Segundo o contrato, o complexo da Pinacoteca (matriz na praça da Luz e a Estação Pinacoteca) passa a receber R$ 6,5 milhões por ano para pagamento de funcionários e despesas de manutenção. O valor inicialmente solicitado era de R$ 15 milhões.
"O que vamos receber é suficiente para pagar os cerca de 120 funcionários que temos e mais a manutenção dos dois edifícios. Qualquer outro projeto, como exposições temporárias, terá que vir de outros recursos", afirma Marcelo Araújo, diretor-executivo da Pinacoteca, que é mantido no cargo. Segundo o diretor, o próprio secretário da Cultura sinalizou que espera liberar mais recursos para tais iniciativas.
Instituição que se tornou referência na cidade, a Pinacoteca tem como parte do contrato de gestão um plano de metas de caráter conservador, pois o que se prevê fica aquém da tradição dos últimos anos. O plano estipula, por exemplo, que a Pinacoteca deva permanecer aberta o ano todo, exceto às segundas-feiras, como já é de costume; realizar sete mostras temporárias; e ter, no mínimo, 330 mil visitantes por ano. Em termos de comparação, em 2005, a instituição recebeu 400 mil visitantes e organizou mais de 20 exposições temporárias.
"Uma coisa é o contrato, que estipula metas possíveis a serem atingidas, mas, obviamente, a expectativa é que possamos superá-las. Na prática já temos uma articulação com a iniciativa privada que tem garantido a execução de projetos", afirma Araújo. O próprio plano prevê uma captação de recursos própria da ordem de 15% do valor repassado, o que corresponde a R$ 1 milhão.
"É um desafio estimulante, e acho que é sinal de maturidade, pois pressupõe uma articulação da sociedade civil com o Estado", diz o diretor.
A situação parece desproporcional quando comparada ao valor obtido pela Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (Osesp), que recebeu R$ 43 milhões, por conta de sua autonomia do Estado, para 2006.
Também ontem, foram assinados os novos contratos de gestão para o Memorial da Imigração, que passa a receber R$ 1,5 milhões, e para o Conservatório Musical de Tatuí, outra entidade ligada à música com recursos volumosos, nesse caso R$ 14,5 milhões. Para o início do próximo ano, estão previstos os contratos para as demais instituições museológicas do Estado: o MIS, o Museu de Arte Sacra, o Museu da Casa Brasileira e o Paço das Artes.