PUBLICIDADE  
 
 
 
HOME SOBRE BRESSER-PEREIRA PÁGINA NO FACEBOOK
BONS ARTIGOS QUE LI BONS FILMES QUE ASSISTI

BRAZILIAN JOURNAL OF POLITICAL ECONOMY

OLHAR O MUNDO FALE CONOSCO
 
  Tipos de trabalhos  
 

Quem é/Who is

A guide to my work
Currículos / CVs
Short cv & bio
Textos autobiográficos
Textos sobre Bresser-Pereira





Livros

Livros
Livros na íntegra
Livros organizados (edited)

Trabalhos acadêmicos

Papers
Pequenos textos, prefácios, etc.
Texto para Discussão
Apresentações / Slides
Programas / Syllabus
Documentos & Relatórios

Trabalhos na midia

Artigos de jornal
Entrevistas
Notas no Facebook
Vídeos e Áudios

Método, perfis, outros

Método científico
Cartas
Perfis de pessoas
Críticas de Cinema

Outros idiomas

Works in English
Oeuvres en Français
Trabajos en Español

Novo Desenvolvimentismo

Novo Desenvolvimentismo (textos básicos)
Desenvolvimentismo Clássico (textos básicos)
Novo Desenvolvimentismo (economia política)
Novo Desenvolvimentismo (teoria econômica)
Novo Desenvolvimentismo (aplicado)
Novo Desenvolvimentismo (contribuições e críticas de terceiros)

Sociedade-Capitalismo

Teoria social - textos básicos
Teoria social (todos)
Capitalismo e modernidade
Classes e tecnoburocracia
Revolução Capitalista e ...
Revoluções, Revoltas e Movimentos
Globalização
Organização administração
Estatismo e URSS

Política

Teoria política - textos básicos
Teoria política (todos)
Teoria do Estado
Sociedade civil
Republicanismo e direitos de cidadania
Teoria da Democracia
Ciclos do Estado
Populismo político e econômico
Nação e nacionalismo
Social democracia e esquerda
Neoliberalismo e globalismo

Política brasileira

Interpretações do Brasil
Pactos políticos e coalizões de classes
Democracia no Brasil
Teoria da Dependência
História intelectual
Política Externa
Burocracia pública
Empresários e administradores
Reforma da universidade
Conjuntura Política
Reforma Gerencial - Teoria
Reforma Gerencial do Brasil

Economia

Teoria econômica - Textos básicos
Teoria econômica (todos)
Teoria do Desenvolvimento Econômico
Crítica da teoria neoclássica
Desigualdade e Distribuição
Teoria macroeconômica
Política e Economia
Câmbio e poupança externa
Câmbio e Doença Holandesa
Câmbio e crescimento
Crises econômico-financeiras
Dívida externa
Investimentos e taxa de lucro
Inflação
Inflação inercial
Comércio e integração
Economia mundial
Crise global de 2008

Economia brasileira

Economia brasileira até 1979
Economia brasileira 1980-2002
Economia brasileira desde 2003
Quase-estagnação desde 1980
Populismo econômico
Desindustrialização
Crise fiscal do Estado
Planos de estabilização
Plano Bresser

Países e regiões

Relações internacionais
América Latina
Argentina
Estados Unidos
Europa

Trabalhos de terceiros

Bons artigos que li recentemente
Reforma Gerencial - Terceiros
Cursos
Debate sobre "Crescimento com Estabilidade"(2001)
Projeto Brasil Nação - Notícias e Comentários

Ações / Ministérios

Ministério da Fazenda
Plano Bresser
MCT Ministério da Ciência & Tecnologia
Fundação Getulio Vargas, São Paulo

MARE - Ministério da Reforma do Estado

Documentos da Reforma
Reforma Gerencial - Teoria
Reforma Gerencial - Brasil
Reforma Gerencial - Terceiros
Agências Executivas e Reguladoras
Organizações Sociais
Gestão da Saúde
Gestão da Educação
Implementação Nível Federal
Implementação São Paulo
Implementação Minas Gerais
Implementação Outros Estados
Bibliografia da Reforma da Gestão Pública
Cadernos MARE
América Latina: Declaração de Madri (Clad)
Leis sobre Organizações Sociais
 
 
 

 

Controle da caça ao rinoceronte

Claudia Costin
O Estado de São Paulo, 22/06/99. Cad. 1 - pág. 1-2.

A definição de critérios para a dispensa de funcionários públicos quando a despesa com a folha de pagamento exceder os limites fixados em lei, aprovada no dia 9 deste mês no Senado Federal, representa um passo da maior importância em socorro dos governos federal, estaduais e municipais, atualmente engessados por normas rígidas que tornam inviável o cumprimento da determinação legal. Ela contribuirá decisivamente para que os governos possam ajustar seus gastos com pessoal e liberar recursos para seus projetos em áreas sociais cruciais, como educação, saúde e segurança pública. Para se ter idéia da magnitude do problema, basta citar que há Estados que chegam a comprometer parcelas insuportáveis de suas receitas com o funcionalismo, como Rio Grande do Sul (80%), Santa Catarina (87,4%) e Espírito Santo (97%).

A medida ora votada se alinha também no conjunto de iniciativas que vêm sendo tomadas para a modernização dos serviços públicos no Brasil, dando-lhes mais eficiência e qualidade. Diga-se, desde já, que o enxugamento dos quadros de servidores não tem a dimensão que se apregoa nem é o aspecto mais importante desse processo. Muitas vezes, críticos das novas políticas do governo federal incorrem numa inaceitável simplificação ao limitar a discussão exclusivamente a esse ponto, arriscando levar o debate sobre a reforma do Estado - e é nesse contexto mais amplo que se insere a revisão dos quadros do funcionalismo - a uma polarização entre o Executivo e os servidores.

O objetivo maior é, no fim da linha, atender ao cidadão que paga seus impostos e arca com esse pesado ônus, sem a contrapartida de serviços eficientes. Infelizmente, é apenas embrionária entre nós a consciência de direitos de cidadania, e as pessoas se espantam quando um Clinton, em seus discursos sobre o estado da nação, analisa detalhes até do número ideal de alunos em salas de aula do ensino básico; ou um Tony Blair propõe ao Parlamento inglês metas de desempenho ISO-9000 para saúde e educação, em sua proposta Modernização do Governo, e estabelece cronogramas de aprimoramento do setor público que chegam, alguns, ao ano 2008. "Não se faz isso", diz Blair, "sem implantar entre os servidores uma cultura de melhoria, inovação e prontidão para colaborar." São dois chefes de governo respondendo a demandas de comunidades com noções arraigadas de cidadania e controle social, controlando os gastos públicos, em volume e qualidade.

A praxe brasileira está muito bem retratada numa história de Monteiro Lobato sobre a fuga de um rinoceronte de um circo. O governo logo cria o Departamento de Caça ao Rinoceronte, cuja principal missão passa a ser justamente a de jamais encontrar o rinoceronte, porque, encontrado o animal, aquele órgão e<

 

 

 

© Direitos Autorais Bresser-Pereira
São Paulo - SP | ceciliaheise46@gmail.com

 

Desenvolvido pela E-Xis | www.e-xis.com.br