PUBLICIDADE  
 
 
 
HOME SOBRE BRESSER-PEREIRA PÁGINA NO FACEBOOK
BONS ARTIGOS QUE LI BONS FILMES QUE ASSISTI

BRAZILIAN JOURNAL OF POLITICAL ECONOMY

OLHAR O MUNDO FALE CONOSCO
 
  Tipos de trabalhos  
 

Quem é/Who is

A guide to my work
Currículos / CVs
Short cv & bio
Textos autobiográficos
Sobre Bresser-Pereira

Tipos de Trabalhos

Livros
Livros na íntegra
Livros organizados (edited)
Papers
Pequenos textos, prefácios, etc.
Texto para Discussão
Artigos de jornal & Entrevistas
Principais Entrevistas
Notas no Facebook
Cartas
Críticas de Cinema
Documentos & Relatórios
Programas / Syllabus
Apresentações / Slides
Vídeos e Áudios





Outros idiomas

Works in English
Weekly Columns
Oeuvres en Français
Trabajos en Español

Método

Método científico

Novo Desenvolvimentismo

Novo Desenvolvimentismo (textos básicos)
Desenvolvimentismo Clássico (textos básicos)
Novo Desenvolvimentismo (economia política)
Novo Desenvolvimentismo (teoria econômica)
Novo Desenvolvimentismo (aplicado)
Novo Desenvolvimentismo (contribuições e críticas de terceiros)

Sociedade-Capitalismo

Teoria social - textos básicos
Teoria social (todos)
Capitalismo e modernidade
Classes e tecnoburocracia
Revolução Capitalista e ...
Revoluções, Revoltas e Movimentos
Globalização
Organização administração
Estatismo e URSS

Política

Teoria política - textos básicos
Teoria política (todos)
Teoria do Estado
Sociedade civil
Republicanismo e direitos de cidadania
Teoria da Democracia
Ciclos do Estado
Populismo político e econômico
Nação e nacionalismo
Social democracia e esquerda
Neoliberalismo e globalismo
Interpretações do Brasil
Pactos políticos e coalizões de classes - Br
Democracia no Brasil
Teoria da Dependência
História intelectual
Perfis individuais
Política Externa - Br
Burocracia pública - Br
Empresários e administradores - Br
Reforma da universidade
Conjuntura Política - Br
Reforma Gerencial - Teoria
Reforma Gerencial - Brasil

Economia

Teoria econômica - Textos básicos
Teoria econômica (todos)
Teoria do Desenvolvimento Econômico
Crítica da teoria neoclássica
Desigualdade e Distribuição
Teoria macroeconômica
Política e Economia
Câmbio e poupança externa
Câmbio e Doença Holandesa
Câmbio e crescimento
Crises econômico-financeiras
Dívida externa
Investimentos e taxa de lucro
Inflação
Inflação inercial
Comércio e integração
Economia mundial
Crise global de 2008
Desenvolvimento econômico - Br
Macroeconomia do Brasil
Populismo econômico - Br
Desindustrialização - Br
Crise fiscal do Estado - Br
Planos de estabilização - Br
Plano Bresser
Quase-estagnação desde 1980 - Br
Conjuntura Econômica - Br

Países e regiões

Relações internacionais
América Latina
Argentina
Estados Unidos
Europa

Trabalhos de terceiros

Bons artigos que li recentemente
Reforma Gerencial - Terceiros
Cursos
Debate sobre "Crescimento com Estabilidade"(2001)
Notícias e Comentários

Ações / Ministérios

Ministério da Fazenda
Plano Bresser
MCT Ministério da Ciência & Tecnologia
Fundação Getulio Vargas, São Paulo

MARE - Ministério da Reforma do Estado

Documentos da Reforma
Reforma Gerencial - Teoria
Reforma Gerencial - Brasil
Reforma Gerencial - Terceiros
Agências Executivas e Reguladoras
Organizações Sociais
Gestão da Saúde
Gestão da Educação
Implementação Nível Federal
Implementação São Paulo
Implementação Minas Gerais
Implementação Outros Estados
Bibliografia da Reforma da Gestão Pública
Cadernos MARE
América Latina: Declaração de Madri (Clad)
Leis sobre Organizações Sociais
 
 
 

 

Interpretações do Brasil


  Documentos 61 a 72 de 72
<< Primeira página < Página anterior
El nuevo modelo brasileño de desarrollo
1974. The "new development model" begins in Brazil in the late 1960s, and later I called "modelo de subdesenvolvimento industrializado". Contrarily to what Celso Furtado predicted, income concetration benefiting the middle classes was behind the resumption of growth as it made aggregate demand consistent with the production of luxury consumption goods by multinationals. Portuguese and English versions available. This paper elaborates on the 1970 article, "Dividir ou multiplicar: A distribuição da renda e a recuperação da economia brasileira".(Paper: Revista Dados) (Paper: Desarrollo Economico)
O novo modelo brasileiro de desenvolvimento
1973. The "new development model" begins in Brazil in the late 1960s, and later I called "modelo de subdesenvolvimento industrializado". Contrarily to what Celso Furtado predicted, income concetration benefiting the middle classes was behind the resumption of growth as it made aggregate demand consistent with the production of luxury consumption goods by multinationals. Spanish and English versions available. This paper elaborates on the 1970 article, "Dividir ou multiplicar: A distribuição da renda e a recuperação da economia brasileira". (Paper: Revista Dados)
Dividir ou multiplicar? A distribuição da renda e a recuperação da economia brasileira
1970. My first analysis of the "new development model" that begins in Brazil in the late 1960s. Contrarily to what Furtado predicted, income concetration benefiting the middle classes was behind the resumption of growth as it made aggregate demand consistent with the production of luxury consumption goods by multinationals. "O novo modelo de desenvolvimento" (1973) elaborates on this paper. (Paper: Visão)
Political development, and the crisis of the populist alliance
1968. ISEB's political model based on the aliance of the national bourgeoisie with the workers and the bureaucrats was correct. Yet, historical new facts led to the collapse of the populist and national-developmentalist pact and to the political crisis of 1961-64. (Chapter 4 of Development and Crisis in Brazil).
Desenvolvimento e Crise no Brasil 1930-1967 (1a. edição, 1968)
1968. Economic, social and political development between 1930 and 1960s'. New historical facts turn inviable Vargas' national-developmentalist political pact. (Book: This first edition is available in this site)
O administrador profissional e as perspectivas da sociedade brasileira
1966. Given the existence of a large middle classe, democracy's restoration is inevitable. In this process, Brazilian industrial entrepreneurs must associate themselves with the new business managers that are emerging and develop a national development strategy that should be democratic and socially progressive. (Paper: Revista de Administração de Empresas)
Brazil: ethnic and social origins of the industrial entrepreneurs
1964. My 1962 research demonstrated that the Paulista industrialists that led the Brazilian industrialization were, mostly, descendants of middle class immigrants, not from coffee planters. ( Published Portuguese version available. (Paper: this English version only published here)
Origens étnicas e sociais do empresário paulista
1964. My 1962 research demonstrated that the Paulista industrialists that led the Brazilian industrialization were, mostly, descendants of middle class immigrants, not from coffee planters. English version available only in this site. (Paper: Revista de Administração de Empresas)
Origens étnicas e sociais do empresário paulista
1964. My 1962 research demonstrated that the Paulista industrialists that led the Brazilian industrialization were, mostly, descendants of middle class immigrants, not from coffee planters. English version available only in this site. (Paper: Revista de Administração de Empresas)
O empresário industrial e a Revolução Brasileira
1963. Since 1930 Brazilian entrepreneurs associated themselves with workers and public bureaucrats to promote Brazilian industrialization. Yet, in the 1950s historical new facts conduced to the collapse of this developmental political pact, and the breaking up of a major political crisis. (Paper: Revista de Administração de Empresas)
The rise of middle class and middle management in Brazil
1962. A new salaried middle class is emerging in Brazil as a consequence of the Industrial Revolution that began in 1930. The Portuguese version appeared as Chapter 3 of Desenvolvimento e Crise no Brasil (1968). (Paper: Journal of Inter-American Studies).
De volta ao capital mercantil
1988. A critique of Caio Prado Jr.'s application of the concept of mercantilist capitalism to Brazil after 1930; and also a critique of mercantilist (patrimonial) practices in the Sarney administration. (Paper in book edited by Maria Angela D'Incao)
 
<< Primeira página < Página anterior
 
 
 
 

 

© Direitos Autorais Bresser-Pereira
São Paulo - SP | ceciliaheise46@gmail.com

 

Desenvolvido pela E-Xis | www.e-xis.com.br