Luiz Carlos Bresser-Pereira
2009. Revue Tiers Monde nº 199 - juillet-septembre: 533-546.

O nacional-desenvolvimentismo e as altas taxas de crescimento da América Latina entre 1930 e 1980 estiveram associadas às interpretações nacionalistas do ISEB e da CEPAL. Entretanto, a interpretação da dependência da super-exploração e a da dependência associada, que se tornam dominantes (principalmente a segunda) na região a partir dos anos 1970 contribuiram para o enfraquecimento das nações latino-americanas na medida em que negavam a possibilidade de uma burguesia nacional. Apenas a terceira versão da dependência – interpretação nacional-dependente – que reconhece a ambiguidade das burguesias industrias mas não lhes nega a possibilidade de se identificarem com a nação escapou a esse destino.